Patinetes da Grin voltam a São Paulo com 15 mil unidades

Após sumiço e dificuldades causados pela pandemia, empresa retoma operações

victor
Victor Bianchin, AB
  • 13/09/2021 - 15:14
  • | Atualizado há 1 semana, 6 dias
  • um minuto de leitura

    Até o fim do ano, o grupo Grow, detentor das marcas Grin e Yellow, colocará de volta em circulação no estado de São Paulo cerca de 15 mil patinetes para uso compartilhado. O retorno faz parte do plano de recuperação da empresa, que passou por uma fase difícil com a pandemia.

    As startups de compartilhamento de bicicletas e patinetes Yellow e Grin fundiram seus negócios em janeiro de 2019, formando a Grow. No ano seguinte, com a queda de circulação causada pelas restrições da pandemia, a empresa viu os negócios caírem e precisou entrar em recuperação judicial no mês de julho.

    De lá para cá, a solução foi mudar o modelo de negócios. A Grow firmou parceria com a empresa FlipOn para fornecer a ela sua frota de patinetes. “A parceria com a FlipOn é de divisão de receitas”, afirma Antonio Luiz Lang Jr, sócio fundador da Aces Consultoria, que atua na reestruturação das operações da Grow. “A Grow fornece os patinetes, a FlipOn fornece o aplicativo e o sistema e localiza o parceiro operador. O parceiro operador controla a operação física dos patinetes, como manutenção, distribuição em uma área definida, carregamento de energia, etc. A receita é dividida em três partes iguais”, conta.

    No modelo da FlipOn, esses operadores delimitam uma área de operação para seus patinetes, de modo que é mais fácil recolher e recarregar os veículos, barateando a operação. Com vários operadores atuando, cada um passa a cuidar dos patinetes em uma área específica da cidade.

    Novo modelo de negócio pode ser permanente

    A FlipOn, que tem sede em São Carlos, utiliza 12 mil patinetes e 9 mil bicicletas da Yellow e da Grin e está operando em oito cidades do país, incluindo três no litoral paulista. “Estamos avaliando esse modelo de negócio”, afirma Lang Jr. “Ele poderá ser permanente, dependendo dos resultados , até podendo evoluir para uma sociedade, mas nada está definido ainda”, analisa.

    Recentemente, a FlipOn anunciou que pretende voltar a operar os veículos na capital paulista. Será que isso não vai conflitar com os próprios planos da Grin para sua operação na cidade? Lang Jr. fala que, no momento, a outra empresa é vista como parceira, não como concorrente. Ele também diz que os planos da Grin envolvem também outras praças, as quais ainda não foram reveladas.

    Como a pandemia ainda não terminou e a variante delta está aí, gerando novas preocupações, Lang Jr. não se arrisca a projetar uma quantidade de usuário para São Paulo. “Ainda não podemos avaliar qual será a demanda, vamos iniciar com quantidades controladas e ir expandindo”, prevê ele.