Vendas de veículos na União Europeia recuam 3,1% no 1º semestre

Volume fica em 8,2 milhões de unidades no período; em junho, mercado tem a maior queda do ano

Por REDAÇÃO AB
  • 17/07/2019 - 17:42
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    O mercado de veículos na União Europeia segue andando de lado: as vendas do setor recuaram 3,1% ao emplacar 8,18 milhões de unidades contra as 8,44 milhões licenciadas em mesmo período do ano passado. Os dados, divulgados na quarta-feira, 17, pela Acea, associação das montadoras que atuam na região, consideram apenas o segmento de automóveis e comerciais leves.

    Com exceção da Alemanha, cujo volume teve leve aumento de 0,5% na comparação anual, os principais mercados da região registraram queda nos volumes, como Espanha (-5,7%), França (-1,8%), Itália (-3,5%) e Reino Unido (3,4%).



    - Faça aqui o download dos dados da Acea
    - Veja outras estatísticas em AB Inteligência



    As vendas no bloco vêm perdendo força desde setembro de 2018, quando iniciou a série de quedas mensais. Em junho, o mercado registrou a pior queda mensal de 2019, de 7,8%, ao licenciar pouco mais de 1,44 milhão de veículos sobre os 1,56 milhão de junho do ano passado. O menor número de dias úteis também afetou o desempenho: foram 19 contra 21.




    Por marcas, o Grupo Volkswagen viu sua participação diminuir 0,3 pontos porcentuais no primeiro semestre, para 24,2% das vendas totais na União Europeia, por causa do menor volume de vendas, que recuaram 4,3% na comparação anual, para pouco mais de 1,98 milhão de veículos. Já a PSA ganhou parcela de 0,4 p.p. do mercado no período, para 16,7%, embora suas vendas tenham diminuído 1% ao emplacar 1,36 milhão de unidades.

    Com 11% do mercado do bloco, o Grupo Renault ganhou 0,3 p.p. no primeiro semestre, mas também viu as vendas encolherem: o volume ficou 0,9% menor, para 898,9 mil. Hyundai e FCA fecham o grupo das cinco maiores também com quedas, de 0,6% e 9,5%, respectivamente. Enquanto a Hyundai elevou sua fatia do mercado em 0,2 p.p., para 6,6%, o grupo ítalo-americano encerrou a primeira metade do ano com participação de 6,5%, equivalente a 0,4 p.p. a menos do que no mesmo período de 2018.