Fábricas de motos começam a interromper produção em Manaus

Honda detém quase 80% do mercado de motos e emprega 7 mil pessoas em sua fábrica no Amazonas

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 24/03/2020 - 20:45
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    A produção de motos em Manaus (AM) começa a parar também como prevenção à Covid-19, causada pelo coronavírus. A fila foi puxada pela Honda, que detém quase 80% do mercado nacional do segmento e emprega 7 mil trabalhadores. Suas linhas serão suspensas em 27 de março, com retomada prevista em 20 de abril.

    Os funcionários envolvidos diretamente no processo produtivo entram em férias coletivas a partir de 30 de março e as jornadas entre os dias 27 e 30 serão compensadas com a utilização do banco de horas.

    A empresa também está direcionando o maior número possível de profissionais das áreas administrativas para férias coletivas ou regime de home office. Para as atividades imprescindíveis haverá um número mínimo de colaboradores. A produção de automóveis da Honda já parou.

    O BMW Group Brasil inicia a paralisação da unidade de Manaus a partir de 30 de março, com retorno previsto para 23 de abril. Outras ações para aumentar a proteção na fábrica foram o cancelamento de viagens, proibição de aglomerações na produção e na área administrativa. A montadora também adotou home office para parte dos trabalhadores.

    A fábrica de motos BMW emprega cerca de 200 pessoas. Assim como ocorreu para a Honda, a fábrica de automóveis BMW também adotou férias coletivas.

    A Yamaha também decidiu interromper a produção em Manaus. A parada terá início no dia 31 de março, com retorno previsto em 20 de abril. A empresa cancelou viagens e vem adotando home office e videoconferências, sobretudo na unidade de Guarulhos (SP), onde ficam as principais áreas administrativas da empresa.

    Em poucos dias, a paralisação será estendida também às fabricantes de bicicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus, entre elas a Caloi.