Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 08/04/2011 | 09h17

Fiesp: aumento de IOF é insuficiente

Skaf pede medidas para conter juros altos.

Elaine Patricia Cruz e Deny Peres, Agência Brasil

Elaine Patricia Cruz e Deny Peres, Agência Brasil

Para Paulo Skaf, presidente da Fiesp -- Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a medida anunciada dia 6 de abril pelo governo visando a aumentar do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para bancos e empresas que peguem empréstimos no exterior por menos de dois anos não é errada, mas insuficiente para conter a desvalorização do dólar em relação ao real. Segundo ele, o governo já adotou várias medidas como essa nos últimos meses que não foram eficientes.

“Isso tem mostrado, ao longo do tempo, que são medidas insuficientes porque continuamos com nosso real sobrevalorizado. Há necessidade de medidas mais fortes porque essa questão da sobrevalorização da nossa moeda rouba, injustamente, a competitividade brasileira e isso é muito ruim para o país”, afirmou Skaf nesta quinta-feira, 7.

Segundo ele, o país precisa adotar medidas pra conter os juros altos. “Esses juros altos são um doce, um atrativo para o capital especulativo. Em vez de aplicarem no exterior a 1% ao ano, [eles] vêm aqui para aplicar a 10% ao ano, obtendo dez vezes mais de rendimento e, com isso, há uma entrada de dólares muito grande”.

Skaf defendeu que o governo crie novas medidas para evitar a entrada de dólares no país. Segundo ele, uma medida que poderia ser eficiente é estabelecer um tempo mínimo de permanência para os recursos que entram no país. “No momento em que houver uma regra de que precisa ficar três meses ou seis meses, no mínimo, aí a especulação diminui. Com menos especulação e menos dólar, há uma reação natural de valorização do real”.

O dirigente disse também que o Brasil deve enquadrar sua relação comercial com a China para tentar equilibrar a balança comercial, desfavorável ao país. “Enquadrar as relações com a China significa termos uma balança comercial mais equilibrada em relação às manufaturas, termos algum instrumento que neutralize essa injustiça cambial e exigir dos chineses que queiram investir no Brasil o que eles exigem dos brasileiros que estão investindo lá”.



Tags: Fiesp, operações financeiras, IOF, juros, manufaturados, competitividade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência