Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importados | 18/03/2011 | 14h18

Importadores crescem o dobro do que o mercado

Associados à Abeiva avançaram 24,2% em fevereiro contra 12% das vendas totais.

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A Abeiva, associação que reúne os importadores de veículos sem fábricas no Brasil, manteve nos primeiros meses do ano o ritmo acelerado de expansão. As marcas filiadas à entidade registraram alta de 24,2% nas vendas em fevereiro na comparação com janeiro, com 11.893 unidades. A média de expansão do mercado total de veículos foi de 12% no mesmo período.

No reajuste anual o número representa avanço de 122,7%. “Todas as marcas da Abeiva estão com estoques mínimos, qualquer problema pode resultar em dificuldade de abastecimento das concessionárias", revelou Paulo Kakinoff, vice-presidente da entidade e presidente da Audi para o Brasil, dando pistas sobre uma das dificuldades que a demanda aquecida gera para os importadores.

A expansão das vendas no primeiro bimestre chegou a 108,5% e levou a entidade a garantir 4,39% de participação no mercado total, com 21.465 emplacamentos. Um dos destaques foi o ganho de participação das marcas chinesas. No fechamento do ano passado, as montadoras do país asiático tiveram 16% de participação dentro das vendas totais da associação. Já no acumulado deste ano a presença das chinesas alcançou 23%.

O número deve crescer ainda mais este ano, com a chegada da JAC Motors que inaugurou 50 concessionárias nesta sexta-feira, 18, e pretende vender 30 mil carros no País em 2011. As marcas que tiveram os volumes mais expressivos de vendas no primeiro bimestre foram a Kia, com 10.553 emplacamentos, a Chery, com 1.844, a Effa, com 1.145, a BMW, com 1.101 e a Hafei Motor, que comercializou 1.028 unidades.

Crise no Japão

As importadoras ainda não conseguiram projetar qual será o impacto da tragédia do Japão sobre as vendas. As marcas de modelos premium devem ser as mais atingidas por conta da importância da região para o segmento.

Audi, Ferrari e Lamborghini já assumiram que o país é um de seus três principais mercados. Neste cenário, a disputa pelo consumidor brasileiro pode ficar ainda mais acirrada, já que os importadores podem tentar desovar por aqui parte dos veículos que deveriam ter sido comercializados no mercado asiático.


Assista à entrevista exclusiva com Paulo Kakinoff, vice-presidente da Abeiva e presidente da Audi, que comenta os resultados do setor e os planos da marca alemã:




Tags: Abeiva, importador, importação, Audi, Kia, Chery, Hafei, BMW, Ferrari Lamborghini, Paulo Kakinoff.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também