Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 18/03/2011 | 08h16

Finep e BNDES assinam acordo de R$ 1 bilhão

Programa atende setor sucroenergético.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

O BNDES e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia, firmaram nesta quinta-feira, 17, acordo de cooperação técnica para execução de um plano conjunto de inovação tecnológica nos setores sucroenergético e sucroquímico. Os recursos disponibilizados pelo acordo atingem R$ 1 bilhão.

Presente à solenidade, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, afirmou que o acordo “materializa uma recomendação da presidenta Dilma Rousseff. Ela pediu que as duas instituições trabalhassem em parceria e sintonia e, portanto, facilitassem, inclusive, as demandas que o setor empresarial tem na área de inovação”.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que o acordo implica esforço conjunto das duas instituições para responder a um desafio tecnológico importante para o país, que é líder em biocombustíveis de origem de cana-de-açúcar no mundo.

“O desenvolvimento em futuras gerações de tecnologia para biocombustíveis representa um desafio que não podemos deixar de enfrentar para manter a nossa liderança”, disse Coutinho. “O Brasil precisa se antecipar e estar próximo da fronteira de criação tecnológica, com uma atitude pró-ativa, mobilizando a pesquisa básica em torno das diversas e principais rotas relevantes nesse sentido.”

O presidente da Finep, Glauco Arbix, afirmou que as duas instituições vão trabalhar de forma articulada, tomando as decisões em conjunto no que se refere à seleção dos projetos, “de forma a impulsionar a pesquisa e o desenvolvimento em uma área que é crítica para nós, que é a área de energia”. O foco serão as áreas de pesquisa tecnológica de segunda geração.

De acordo com ele, as pesquisas feitas na área de primeira geração de biocombustíveis, em que o Brasil tem grande competitividade, permitem um aumento de produtividade de 4% ao ano. “As áreas de segunda geração podem permitir a gente chegar até 50% de incremento de competitividade ao ano. Significa um salto de qualidade gigantesco”, expôs Arbix.

Segundo o presidente da Finep, o Brasil tem algumas vantagens em relação a outros países, mas “temos que investir e dar o passo seguinte”.



Tags: Finep, BNDES, inovação tecnológica, MCT.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência