Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Energia | 13/02/2011 | 21h09

Rolls-Royce aplicará US$ 100 mi no País

Empresa abrirá fábrica no Rio e busca fornecedores.

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Naiana Oscar, Estadão

Com planos de dobrar o faturamento na América do Sul até o fim da década, a fabricante britânica de motores Rolls-Royce pretende investir US$ 100 milhões no Brasil em 2011. Os recursos serão aplicados diretamente em projetos ligados ao pré-sal. Os planos para a operação brasileira serão anunciados nesta segunda-feira, 14.

Do investimento total, US$ 40 milhões, já têm destino certo: a instalação de uma fábrica, no Estado do Rio de Janeiro, para "empacotar" turbinas utilizadas em plataformas de exploração de óleo e gás. Depois de 52 anos no Brasil, a Rolls-Royce hoje tem três unidades de manutenção e reparo de motores, em São Bernardo do Campo (SP), Macaé (RJ) e Niterói (RJ). As turbinas continuarão a ser importadas, mas os componentes que integram esses geradores passarão a ser adquiridos, em sua maioria, de fornecedores brasileiros.

Ao aumentar o conteúdo local em seus produtos, a Rolls-Royce ficará mais competitiva nas licitações da Petrobrás. Ainda neste semestre, a estatal deve abrir processo para compra de 32 motores para o poço de Tupi. Em 20 anos, serão 200 equipamentos.

Hoje, o governo brasileiro exige alto índice de nacionalização de equipamentos na concessão de blocos - em 2010, a meta estabelecida pela Petrobras foi de 68,5%. "Aplaudimos a iniciativa do País de aumentar a participação do conteúdo local", diz o presidente da companhia na América do Sul, Francisco Itzaina. "Fazer esse alinhamento é algo que exige um grande esforço, porque o Brasil está se tornando parte do DNA da empresa."

Em 2010, a Rolls-Royce faturou US$ 16 bilhões, dos quais US$ 700 milhões na América do Sul. A empresa não especifica valores, mas o Brasil responde pela maior parte da receita da região.

Empenho

Desde o início do ano, o executivo está empenhado na seleção de uma equipe de 10 a 15 profissionais que terá a missão de encontrar fornecedores nacionais para a montagem das turbinas. As empresas terceirizadas terão a chance de se tornar fornecedoras globais da Rolls-Royce.

A intenção é que os equipamentos sejam montados com 35% a 51% de peças nacionais. Entre 2003 e 2009, a Rolls-Royce forneceu motores para a operação offshore da Petrobrás, mas tudo era importado, exceto os módulos que abrigavam esses equipamentos e já não são mais comprados diretamente pela estatal. "A tecnologia Rolls-Royce viabiliza mais de um terço da produção de petróleo no Brasil atualmente", diz Itzaina.

Os outros US$ 60 milhões previstos para o Brasil dependem ainda de um sinal concreto de que os contratos por aqui sairão do papel. Se a próxima licitação da Petrobrás for favorável à fabricante britânica, há planos de expandir a unidade de manutenção de São Bernardo - que hoje faz reparos em motores para aviação civil - e realizar ali a reforma das turbinas usadas nas plataformas offshore.

O processo de nacionalização dos componentes será estendido também aos navios de carga desenhados e produzidos com tecnologia Rolls-Royce. Já existem 40 deles no Brasil. A compra de peças produzidas por empresas brasileiras fará a fabricante desembolsar US$ 1 bilhão na próxima década.

Enquanto se dedica ao crescimento dos negócios nas áreas marítima e de energia, a Rolls-Royce vive um período de certa "estagnação" na aviação civil. Após fornecer 2,2 mil motores para a Embraer, a companhia britânica perdeu contratos para a concorrência. Mas há pedidos firmes, na América do Sul, para atender a demanda de companhias como LAN, TAM e Avianca. "Agora, estamos fazendo um grande esforço para trazer de outros países para o Brasil os trabalhos de reparos de turbinas de aviação."



Tags: Rolls-Royce, pré-sal, turbinas, Tupi, LAN, TAM, Avianca.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência