Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 30/01/2011 | 13h11

Setor de serviços deve pressionar a inflação

Alerta é de economista do Ipea.

Agência Brasil

Alana Gandra, Agência Brasil

Ipea, Conjuntura em Foco, IPCA, Selic A grande pressão na inflação em 2011 virá dos serviços, disse na quinta-feira, 27, a economista Maria Andréia Parente, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). “O maior foco de pressão que a gente tem na inflação é o setor de serviços”.

Ela afirmou que serviços são um fator de maior preocupação na inflação porque, quando se analisa a série histórica, percebe-se que eles têm um comportamento descolado da realidade. Trata-se de um conjunto de preços que se mantém em um nível elevado, que não se consegue baixar.

O boletim Conjuntura em Foco, divulgado pelo Ipea em sua primeira edição deste ano, mostra que os serviços se mantiveram em um patamar elevado nos últimos anos, passando de 6,4% em 2009 para 7,6% no ano passado. O grupo serviços tem peso de 30% dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Segundo a economista do Ipea, a tendência é que os rendimentos reais das pessoas comecem a desacelerar um pouco em 2011, contribuindo para o custo dos serviços diminuir. Isso, porém, não se dará de forma rápida, destacou. “Se a queda dos serviços acontecer, vai ser de forma gradativa. Então, durante algum tempo ainda a gente vai ter de conviver com esse fator de pressão sobre os preços”.

Para Maria Andréia, o cenário de inflação ainda está um pouco nebuloso para 2011. A taxa de câmbio está ajudando a segurar os preços de bens de consumo e o reajuste menor real do salário mínimo pode ajudar a desaquecer um pouco a demanda. Como os investimentos efetuados em 2010 deverão se materializar este ano, o Ipea espera que haja uma oferta mais adequada à demanda.

Outro ponto de alívio são as medidas tomadas pela equipe econômica. ”Todas as políticas vão de alguma maneira ajudar a chegar na estabilidade econômica”, disse ela. Um sinal dado nessa direção foi o recente aumento da taxa básica de juros, a Selic, acrescentou.

A economista acredita que o país terá uma política fiscal um pouco mais austera, o que ajudará a política monetária a controlar o ambiente inflacionário. A expectativa é de um cenário de inflação mais tranqüilo em 2011.

Em relação às commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no exterior), a economista disse que poderão continuar crescendo. E a grande dúvida será o comportamento dos preços do petróleo, que podem ter reflexos nos reajustes diretos de combustíveis e fretes e também na indústria química. “Pode ser um ponto de pressão”.

Em comparação ao ano passado, Maria Andréia acha que pode haver uma desaceleração da inflação este ano. “Mas, não uma desaceleração forte, suficiente para se aproximar da meta estipulada (4,5%)”. Para ela, as políticas monetária e fiscal estão na direção correta. “O mais importante é que o mercado entenda que o governo está fazendo o seu papel para perseguir a estabilidade dos preços”.



Tags: Ipea, Conjuntura em Foco, IPCA, Selic.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência