Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 27/01/2011 | 14h05

Crédito desacelera com restrições do BC

Cai a abertura de novos financiamentos e juro médio aumenta.

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

As medidas baixadas pelo Banco Central em novembro, na tentativa de restringir os planos de financiamento de automóveis mais longos e sem entrada, foram claramente sentidas em dezembro no comércio de carros novos e usados. É o que comprovam os dados sobre a evolução do crédito divulgados pelo próprio BC na quarta-feira, 26.

A exigência de mais garantias e depósitos compulsórios maiores para as financeiras que fazem planos de 24 a 36 meses com entrada menor que 20% do valor do veículo, 30% para até 48 meses e 40% para prazos superiores, tornou esses financiamentos mais caros e, por consequência, começou a reduzir o volume de concessões de crédito nas lojas de carros.

O primeiro efeito das medidas do BC pode ser percebido no juro médio para financiamento de veículos. Em novembro, a taxa mensal média caiu ao menor nível da história, para 1,72% ao mês, mas em novembro o porcentual voltou a subir e chegou a 1,89% - o mesmo patamar no qual se encontrava no início de 2010.

Outro efeito foi no volume de concessões: foram fechados R$ 11,2 bilhões em novos contratos de financiamento de veículos novos e usados em novembro de 2010, contra R$ 11,1 bilhões em dezembro. Apesar do total ser quase o mesmo, em termos relativos houve queda significativa, pois em dezembro esse valor deveria ter subido muito mais se tivesse acompanhado o recorde histórico de vendas de carros no País.

A comparação fica mais clara, e ressalta a queda nas concessões de crédito, quando é feita a média de valor do financiamento por veículo. Os 311 mil emplacamentos de automóveis e comerciais leves em novembro resultam na média de R$ 36 mil financiados por carro vendido, enquanto em dezembro esse valor cai para R$ 31 mil ante as 361 mil unidades comercializadas.

Ano recorde

Apesar das restrições implementadas no fim do ano, para evitar bolhas de consumo e problemas de inadimplência mais adiante, o volume de concessões de crédito para compra de veículos por pessoas físicas foi recorde absoluto em 2010, comprovando que o financiamento fácil e barato é o principal motor do mercado automotivo no País. O estoque total de contratos ativos cresceu nada menos que R$ 44,6 bilhões líquidos em doze meses, saindo de R$ 95,6 bilhões em janeiro e saltando para R$ 140,3 bilhões em dezembro passado.

A melhor notícia é que a inadimplência desses financiamentos, em termos relativos, continua baixa em comparação com outras modalidades de crédito. Os atrasos de mais de 90 dias somavam R$ 3,6 bilhões em dezembro, ou 2,5% do estoque total dos contratos ativos de financiamento de veículos por pessoas físicas.



Tags: crédito, BC, Banco Central, inadimplência.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência