Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Entidades | 27/01/2011 | 10h23

Ciranni encara competitividade de outro ângulo

Presidente da AEA diz que Brasil precisa avançar em segurança e controle de emissões.

Giovanna Riato e Paulo Ricardo Braga, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato e Paulo Ricardo Braga, AB

Franco Ciranni, superintendente da FPT – Powertrain Technologies para a América Latina, assumiu este mês a presidência da AEA - Associação Brasileira de Engenharia Automotiva. O executivo já se prepara para buscar soluções para um dos grandes problemas do setor automotivo no Brasil: a falta de competitividade.

Ciranni encara a situação de um ângulo bastante diferente da visão da Anfavea, que aponta os preços das matérias-primas, a falta de infraestrutura logística e a alta carga tributária como os grandes entraves para o avanço da indústria automotiva no País. O dirigente da AEA defende que a situação também está muito relacionada ao nível tecnológico dos veículos, tópico no qual o Brasil ainda tem muito para avançar. “Hoje as discussões da indústria automobilística mundial giram em torno do controle de emissões veiculares e do aumento do nível de segurança dos carros. Precisamos ganhar este tipo de competitividade”, analisa.

O executivo afirma que legislações que impõe metas aos fabricantes de veículos, como a exigência de airbags e ABS em todo carro produzido a partir de 2014, não são a solução. Segundo ele, é necessário que o governo ajude a tornar estes objetivos viáveis, com um planejamento industrial que não pressione tanto os fabricantes no momento de agregar novos itens à produção.

AEA

Junto com a nova identidade visual, marcada pelo logotipo com letras arredondadas, a Associação Brasileira de Engenharia Automotiva colocou em ação um programa de comunicação para demonstrar seus valores, missão e propósitos da administração em 2011 e 2012. Durante a posse dos novos diretores, nesta quarta-feira, 26, na administração da Escola Politécnica da USP, o presidente Franco Ciranni recebeu os jornalistas para explicar a fase mais agressiva da associação.

“Vamos nos esforçar para levar a AEA a ser a organização de referência na proposição consensual de soluções para a mobilidade e do desenvolvimento da engenharia automotiva nacional”, disse o novo presidente. Um dos caminhos que a entidade enxerga para isso é ampliar a presença junto ao governo. O outro é fortalecer os laços com os estudantes de engenharia.

Ciranni afirmou ter ficado decepcionado com a baixa quantidade de estudantes que viu no último Simea, evento mais tradicional da AEA. A intenção do dirigente é aproximar a entidade das universidades para aumentar a atratividade do setor automotivo para os novos profissionais e evitar a evasão de talentos e a escassez de mão de obra especializada.



Tags: Ciranni, AEA, emissões veiculares, segurança, competitividade, setor automotivo, indústria automobilística.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência