Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 26/12/2010 | 10h57

Rio monitora caminhões com scanner

Operação será conduzida pela Receita Federal.

Vitor Abdala, Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

A Receita Estadual do Rio de Janeiro vai monitorar a entrada de caminhões no estado com um portal scanner (uma espécie de raio X) instalado no posto de fiscalização de Nhangapi, localizado na rodovia BR-116 (Presidente Dutra), na altura de Itatiaia. O portal é capaz de identificar a carga de um veículo sem que seja necessário abri-lo.

Com o portal, é possível fiscalizar até 80 caminhões por hora e encontrar armas e drogas, além de identificar tentativas de sonegação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O posto de Nhangapi é, segundo o governo do Rio de Janeiro, um dos principais pontos de entrada rodoviários do estado, por onde passam 75% dos caminhões que chegam ao estado. Também em Itatiaia serão instaladas câmeras nas rodovias vicinais, por onde costumam passar caminhões que buscam fugir da fiscalização da BR-116. Essas câmeras serão monitoradas por um centro de controle a ser instalado no próximo mês.

Desde fevereiro do ano passado, o governo do Rio realiza a Operação Barreira Fiscal, que tem por objetivo fiscalizar todos caminhões que entram com carga no estado do Rio de Janeiro. Segundo balanço divulgado pela operação, neste período, foram abordados 2,4 milhões de veículos, dos quais 22.800 foram multados. Foram feitas 23 apreensões de armas e 135 de drogas. Trezentas e setenta pessoas foram presas.



Tags: transportes, caminhões, Rio de Janeiro, fiscalização.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência