Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 08/11/2010 | 20h38

Montadoras querem incentivo à exportação

Vendas externas caíram de 30,7% da produção para 17,5%.

Vinicius Konchinski, Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


As montadoras de veículos nacionais pretendem discutir com o novo governo medidas para incentivar a exportação da indústria brasileira. O presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, disse nesta segunda-feira, 8, que é preciso dar condições para que as fábricas do país recuperem sua competitividade no mercado global.

“O fundamental é criar as condições para que tenhamos competitividade”, disse ele, em entrevista coletiva concedida em São Paulo. “Sem dúvida nenhuma, você tem uma série de fatores relacionados à competitividade que, provavelmente, serão discutidos com o novo governo.”

Segundo Belini, as montadoras de veículos compõem um dos setores da indústria nacional que teve suas exportações mais prejudicadas pela desvalorização do dólar ante o real e pela retração de algumas economias causada pela crise de 2008. Essa queda das exportações, de acordo com ele, tem colaborado para um déficit na balança comercial do setor e preocupado a Anfavea. “Ligou nosso farol amarelo”, disse Belini.

Neste ano, por exemplo, 17,5% da produção de veículos do país são exportados. Em 2005, segundo a Anfavea, este percentual era de 30,7%. Já os veículos importados, em 2005, correspondiam a 5% dos carros vendidos no país. Atualmente, eles representam 19,5%. “Não somos contra a importação, mas queremos exportar mais”, afirmou o presidente da Anfavea.

Questionado sobre quais medidas seriam mais eficazes para o estímulo à exportação, Belini disse que o setor automotivo ainda avalia a questão. Ele afirmou, porém, que o plano para incentivo a exportações de produtos manufaturados deveria englobar medidas semelhantes às adotadas pelo governo federal no auge da crise de 2008 tais como redução de impostos e facilitação ao acesso de financiamentos.

Belini disse que o alto custo do crédito impacta no preço das autopeças, componente importante na fabricação dos veículos nacionais. Ele observou que, no Brasil, o preço do aço, principal matéria-prima do setor, está até 40% mais alto do que em outros países.

O crescimento das exportações, complementou Belini, seria importante não só para as empresas em si, mas também para a economia do país. Ele afirmou que as fábricas são algumas das grandes geradoras de emprego. Por isso, justifica-se o incentivo do governo. “Nós entendemos que a produção de manufaturados, que agrega valor e trabalho, é aquela que deve ter estímulo”, concluiu.



Tags: Anfavea, Cledorvino Belini, competitividade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência