Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 04/11/2010 | 18h26

Etiquetagem veicular avança à terceira fase

Ford aderiu ao programa, que tem 73 modelos

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Foi apresentado nesta quinta-feira, 4, no Salão do Automóvel de São Paulo, o terceiro ciclo do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, cuja novidade é a adesão da Ford para 2011, que se junta à Fiat, Kia, Volkswagen, Renault e Toyota, presentes nos anos anteriores. Três dos 73 modelos etiquetados são lançamentos, sendo um híbrido.

A Etiqueta Nacional de Conservação de Energia informa a classe de eficiência energética dos veículos, comparando os modelos dentro categorias específicas: subcompactos, compactos, médios, grandes, carga derivado, comercial leve e fora-de-estrada.

O programa é conduzido pelo Inmetro -- Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, em parceria com o Programa Nacional da Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural (Conpet).

Houve melhora de 3% no nível geral de consumo de combustível dos modelos inscritos, com destaque para a categoria de compactos (3,6%) e para a categoria de subcompactos (2,9%). Outra novidade é a constatação da evolução tecnológica impulsionada pelo PBE Veicular. De 2010 para 2011, 14 modelos melhoraram suas performances segundo os critérios avaliados, ou seja, 21% dos modelos participantes registraram evolução tecnológica.

“O objetivo da etiqueta é oferecer mais um atributo para a decisão de compra, com a declaração de consumo de combustível na etiqueta”, ressalta Marcos Borges, coordenador do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro.

O gerente de suporte ao Conpet, Lucio Cesar de Oliveira, esclarece que são considerados mais eficientes os automóveis que, nas mesmas condições, gastam menos energia em relação a seus pares, consumindo menos combustível. Para comparar veículos que usam combustíveis diferentes, os valores de consumo verificados em álcool e gasolina são convertidos em joule, unidade que mede a energia.

Novos modelos podem ser declarados no programa, porém em tabela à parte. Os dados também ficam disponíveis na tabela publicada nos sites do Inmetro (www.inmetro.gov.br) e do Conpet (www.conpet.gov.br).

Participantes

O PBE Veicular foi lançado em novembro de 2008, no Salão do Automóvel, em São Paulo, pelo Ministro do MDIC, Miguel Jorge. A primeira fase contou com a participação de cinco montadoras, que inscreveram 31 modelos de veículos. O segundo ciclo, lançado em dezembro de 2009, teve seis montadoras com 67 modelos, que já correspondiam a 50% do volume de vendas do mercado nacional.

O PBE Veicular conta com o apoio do MDIC e tem a participação do Ministério de Minas e Energia; da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis; do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo; do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras. A indústria automobilística é representada pela Anfavea e Abeiva.

Voluntário

O PBE Veicular ainda é voluntário e renovável a cada ano pelos fabricantes e importadores. De acordo com o regulamento, o fornecedor deve informar os valores de consumo energético de, no mínimo, 50% de todos os seus modelos de automóveis zero km previstos para comercialização no período, podendo optar por fixar ou não a etiqueta em um dos vidros do automóvel. Isso corresponde a mais da metade da frota oferecida ao mercado, em volume de vendas.

As informações referentes à ENCE devem constar obrigatoriamente do manual do proprietário e nos pontos de venda. A iniciativa inseriu o Brasil na lista dos países que desenvolvem programas em prol da eficiência energética veicular, como Estados Unidos, Japão, Austrália, China, Canadá e nações da União Europeia.

Outra informação apresentada pela Etiqueta Veicular são os valores de referência da quilometragem por litro, na cidade e na estrada, com diferentes combustíveis. Os dados são obtidos a partir de medições de consumo em laboratório, conforme norma NBR 7024, com o uso de combustíveis-padrão brasileiros e com a adoção de ciclos de condução pré-estabelecidos. Na prática, os automóveis que obtêm melhor resultado em laboratório, em iguais condições, apresentam melhor desempenho nas ruas e estradas.





Tags: Etiquetagem veicular, Inmetro, Conpet, Anfavea, Abeiva.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência