Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Motociclos | 14/10/2010 | 09h12

Honda Motos abre nova fábrica em Manaus

Planta tem capacidade para 500 mil unidades/ano.

Cleide Silva, para a Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Cleide Silva, para a Agência Estado

Líder de vendas num mercado que abriga mais de 25 marcas, entre fabricantes e importadores, a Moto Honda da Amazônia inaugura hoje nova fábrica ao lado da atual, na Zona Franca de Manaus (AM). A capacidade extra, de 500 mil motocicletas por ano, é mais do que todas as outras empresas produzem juntas. Com o projeto, que consumiu R$ 90 milhões, a montadora ampliará sua capacidade total para 2 milhões de unidades anuais.

De cada 100 motos vendidas atualmente no País, 77 são da Honda. O domínio já foi maior na época em que a principal concorrente era a também japonesa Yamaha, mas a chegada de novas marcas nos anos recentes levou a uma redivisão do bolo. Só de origem chinesa, cerca de dez fabricantes inauguraram linhas de montagem no País a partir de 2003.

Em 2008, a participação da Honda nas vendas totais chegou a cair para 70%. Para evitar perda ainda maior, a empresa, vista como uma das mais lucrativas no ramo automotivo, teve de reduzir seus ganhos. "Nosso lucro caiu consideravelmente no ano passado", informa o diretor vice-presidente, Issao Mizoguchi, que não revela números.

A estratégia da marca para garantir bom espaço no quarto maior mercado mundial de motos foi segurar os preços, mesmo com produtos renovados e introdução de tecnologias como injeção eletrônica, catalisadores e motor flex, equipamentos que ainda não estão presentes nos veículos de muitos dos concorrentes. Em 2009, segundo Mizoguchi, a Honda renovou toda sua linha e lançou 13 produtos.

A nova fábrica é independente da atual, que deve fabricar este ano 1,43 milhão de motocicletas, volume que vai a 1,54 milhão de unidades em 2011, de acordo com projeções de Mizoguchi.

Para se ter uma ideia da magnitude da companhia, a produção total de motos no mercado brasileiro deve chegar a 1,84 milhão de unidades este ano, segundo projeções da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo). A maior parte ficará no mercado interno, pois as exportações são pouco representativas.

Com 760 funcionários, a minifábrica abriga todo o processo produtivo, como produção de assentos e montagem de motores. É dedicada aos modelos populares Pop 100 (R$ 3,9 mil), Biz 125 (R$ 5,2 mil) e Lead 100 (R$ 6 mil), segmento que domina as vendas da marca.

"Além de ampliar a produção, a nova linha nos dará flexibilidade", diz o executivo. Mizoguchi afirma que o mercado brasileiro é volátil e as preferências costumam ter alta oscilação. "Teremos possibilidade de alternância de linha para atender rapidamente o que o mercado quer." Hoje, por exemplo, os estoques do modelo Pop 100 estão baixos nas concessionárias. A redução de horas extras também é uma das vantagens citadas pelo executivo. A unidade atual e a nova vão operar em dois turnos.

Mercado

Puxadas pela facilidade no financiamento, necessidade de locomoção mais ágil e uso profissional, as vendas de motocicletas no Brasil crescem a um ritmo frenético, com pequenas oscilações. O mercado passou de 878 mil unidades em 2004 para 1,9 milhão em 2008. No ano passado, com a crise financeira, caiu para 1,6 milhão de unidades, mas este ano "vai recuperar os patamares de 2008", prevê o vice-presidente da Honda.

Até setembro, foram vendidas em todo o País 1,298 milhão de motos, 9,5% a mais do que em igual período do ano passado, de acordo com dados de emplacamentos do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Segundo a Abraciclo, o Brasil é o quarto maior produtor mundial de motocicletas, embora distante dos concorrentes. Está atrás da China (27,5 milhões de unidades), Índia (8,4 milhões) e Indonésia (6,2 milhões).

A projeção de novo ciclo de crescimento de vendas no País, com negócios ultrapassando a casa dos 2 milhões de unidades no próximo ano, movimenta também o setor de autopeças.

A Johnson Controls, maior fabricante brasileira de baterias automotivas, está investindo US$ 51 milhões na sua fábrica de Sorocaba (SP) para atingir, em três anos, capacidade produtiva de 1,5 milhão de baterias para motocicletas ao ano. A empresa atende montadoras e o mercado de reposição.

Foto: Honda 150 Titan Mix, a primeira moto flex do mercado.



Tags: Honda, moto, fábrica, planta, investimento, produção, Zona Franca, Manaus, Yamaha, Issao Mizoguchi.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV