Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Máquinas Agrícolas | 05/10/2010 | 20h31

Setor de máquinas propõe criar selo de qualidade

Ideia é criar regulamento que obrigue importadores a trazerem máquinas que atendam exigências legais.

Marcelo de Paula, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Marcelo de Paula, AB

Durante o painel “Homologação de Máquinas e Equipamentos no segmento de máquinas agrícolas e de construção”, realizada nesta terça-feira (05/10), durante o Congresso SAE, o presidente da Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção (Sobratema), Mário Humberto Marques, propôs a criação de um selo de qualidade nos moldes adotados pelo segmento de eletrodomésticos.

A proposta visa evitar uma distorção atual do mercado nacional. Os fabricantes locais produzem máquinas e equipamentos dentro de normas vigentes no Brasil e na Europa. Mas como as normas ainda carecem de regulamentação dentro do mercado nacional, elas não precisam, necessariamente, serem respeitadas. Sendo assim, é possível importar equipamentos de qualidade inferior, tanto nas questões operacionais quanto de segurança e emissões, sem que o produto seja barrado pelo sistema alfandegário.

“O selo visa mostrar que o produto atende às normas. Futuramente ele poderia evoluir para algo mais sofisticado como ocorre no setor de eletroeletrônicos com informações sobre níveis de consumo e de emissões. Mas num primeiro momento é apenas para termos um controle, pois até por questões de mercado temos de atender a severas especificações e temos nos deparado com produtos de fora muito inferiores e que, por isso mesmo, custam muito menos”, explicou Marques.

O gerente do Programa da Avaliação da Conformidade do Inmetro, Leonardo Rocha, participou do painel e disse que a criação do selo é viável. Basta que o setor se mova nesse sentido. Ele explicou que as normas estabelecidas pelo Inmetro não precisam, obrigatoriamente, ser adotadas por todos os fabricantes. “A norma é um padrão de qualidade, uma base para que se possa produzir algo dentro de determinados critérios. Ela só passa a ser obrigatória quando é criada uma regulamentação. E é isso que falta ao setor”, disse Rocha.

Exatamente por esta razão, caminhões e automóveis só podem ser importados se estiverem dentro das normas do Inmetro, pois há um regulamento que exige isso. E para o regulamento ser cumprido, há fiscalização. O que não acontece com máquinas e equipamentos agrícolas e de construção.

A preocupação de Marques é principalmente com a invasão de equipamentos da China e da Índia, que produzem a custo muito baixo, mas com qualidade inferior ao exigido pelo mercado brasileiro. O diretor de Equipamentos da Construtora Norberto Odebrecht, Afonso Mamede, concorda que o barato pode sair caro. A empresa, que tem operações em diversos países, compra ou aloca máquinas e equipamentos de diversos fabricantes e tem larga experiência quando o assunto é qualidade de produto e pós-venda.

Segundo Mamede, os fabricantes na China se dividem em três tipos: fabricantes que oferecem qualidade e pós-venda, fabricantes que oferecem apenas qualidade e aqueles que só oferecem preço. “Nós só adquirimos ou alocamos produtos homologados. Não permitimos a entrada de qualquer coisa, pois os riscos para a segurança das pessoas e para a continuidade de uma obra são grandes. E se acontece algum acidente ou atraso em obras, a construtora responde por isso”.



Tags: máquinas, equipamentos, Odebrecht, SAE, Inmetro, Sobratema, selo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência