Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 22/09/2010 | 21h20

Diesel: fabricantes têm que correr para reduzir emissões

Especialista da Cetesb diz que falta investimento no combustível.

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social

Giovanna Riato, AB

A indústria não deu conta de se adequar a norma de emissões Euro 4 para veículos pesados, que deveria ter sido implementada em 2009. Agora, o setor se movimenta para saltar direto para a Euro 5 em 2012.

Para Olimpio Alvares Júnior, engenheiro especializado no monitoramento de emissões de veículos a diesel da Cetesb, se o Brasil quiser realmente chegar ao nível de emissões da Europa, que hoje fica em torno de 15 ppm, será necessário investir com mais vigor na produção de combustível.

Ele aponta que a falta do óleo foi o maior responsável pela adequação ter sido adiada. “As montadoras têm a tecnologia, já que fabricam os veículos em outros países com legislações mais rígidas”, defende o especialista. O engenheiro diz que, apesar da corrida para atender a Euro 5, fabricantes de combustível devem se preparar para intensificar a produção do diesel mais limpo a médio prazo. “Ainda não estamos no nível Europeu por falta de investimento dos fornecedores do diesel”, afirma.

Neste cenário, o desenvolvimento de novos combustíveis, adequados ao mercado brasileiro, pode ser uma solução interessante. O diesel de cana-de-açúcar, desenvolvido pela Amyris e que está em teste em ônibus da cidade de São Paulo, pode tornar-se uma alternativa. "Tenho pouca informação sobre este assunto mas só pelo fato de ser um derivado de cana já é possível adiantar que há uma redução considerável nas emissões de material particulado", explica Alvares Júnior.

A Mercedes-Benz, parceira da Amyris no projeto do diesel de cana, afirma ter chegado a 9% de redução nas emissões de material particulado em testes com uma mistura de 10% do combustível com o diesel comum. O biocombustível não exige adaptações do motor e pode ser utilizado puro ou misturado em qualquer proporção, a exemplo do uso do etanol em um carro flex.



Tags: diesel, Euro 4, Euro 5, Cetesb, emissões, meio ambiente, caminhão, Olimpio Alvares Júnior, diesel de cana.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência