Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

| 19/08/2010 | 00h00

Cade condena Continental em caso de tacógrafos

Seva apresentou gravações telefônicas como prova.

Célia Froufe, Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social

Célia Froufe, Agência Estado

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou hoje a Continental do Brasil, antiga Siemens VDO Automotive, por infrações contra a ordem econômica. Em decisão apertada, quatro conselheiros votaram pela condenação da empresa que fabrica aparelhos de controle e monitoramento de velocidade de veículos, enquanto três defenderam a absolvição.

Já havia a expectativa de que a Continental fosse multada há um mês, quando o presidente do Cade, Arthur Badin, pediu um prazo maior para avaliar o processo. A empresa foi condenada a pagar multa no valor de 1% de seu faturamento no ano imediatamente anterior ao do início do processo. A Continental foi acusada de ter agido ilicitamente com autoridades judiciárias para afastar a entrada de concorrentes no mercado brasileiro de tacógrafos.

Além disso, foi denunciada por ter convidado a concorrente Seva, empresa mineira que ingressou no mercado há pouco tempo, para a formação de um cartel para divisão de mercados. O caso vem sendo considerado um precedente importante no antitruste brasileiro, pois envolve a prática de abuso do direito de ação no Judiciário. O abuso ocorre quando uma empresa utiliza ações na Justiça com o intuito de prejudicar um concorrente.

A maioria dos conselheiros votou pela condenação da Continental. Para eles, a Siemens exacerbou conflito de competências entre o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e o Instituto Nacional de Metrologia e Normalização (Inmetro) com o intuito de afastar concorrentes. Houve o entendimento majoritário de que a Continental apresentou ao Poder Judiciário caracterização imprecisa da necessidade e obrigatoriedade de certas especificações técnicas de tacógrafos.

No entanto, para o conselheiro Olavo Chinaglia, que votou pela absolvição da Continental há um mês, não há como garantir de quem partiu a tentativa de uma possível formação de cartel. A Seva apresentou como provas gravações telefônicas que incriminariam a empresa concorrente.



Tags: Continental, condenação, Seva, multa.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência