Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen mostra o Taos por inteiro
Fabricado na Argentina e no México, novo SUV da Volkswagen será vendido na América Latina a partir do primeiro trimestre de 2021

Lançamentos | 13/10/2020 | 22h00

Volkswagen mostra o Taos por inteiro

Fabricantes fez apresentação do modelo na Argentina para 35 países nas Américas

PEDRO KUTNEY, AB

Em uma apresentação on-line feita na Argentina, onde o novo SUV já é produzido em fase de testes, para 35 países das Américas, região onde será lançado em diferentes datas durante o primeiro trimestre de 2021, a Volkswagen finalmente apresentou o Taos por inteiro, em suas formas finais, após várias pílulas de silhuetas, partes e camuflagem. Derivado do Tarek, modelo da tcheca Skoda que pertence ao Grupo VW (daí o nome Projeto Tarek), o SUV médio foi projetado para os mercados latino-americanos e também será fabricado no México, para atender clientes domésticos e possíveis exportações sem impostos aos vizinhos e sócios do Nafta, Estados Unidos e Canadá.

De porte médio, o Taos faz parte da ofensiva global de SUVs da Volkswagen, que traçou estratégia para aproveitar ao máximo o boom do segmento, que já representa quase um quarto das vendas no Brasil, 17% em toda a América Latina, com expectativa de alcançar 35% até 2025. O novo modelo será o quarto SUV latino-americano da empresa, precedido pelo Tiguan feito no México e T-Cross e Nivus produzidos em fábricas diferentes no Brasil (São José dos Pinhais/PR e São Bernardo do Campo/SP, respectivamente). O Taos argentino ficará posicionado acima dos irmãos brasileiros e abaixo do mexicano; no mercado brasileiro vai brigar principalmente com o Jeep Compass, com o futuro Corolla Cross e marginalmente com outros competidores como Chevrolet Equinox e Hyundai Tucson.


Na traseira, o Taos lembra o irmão maior mexicano da Volkswagen, o Tiguan Allspace

O Taos foi apresentado aos seus mercados-alvo na data em que a Volkswagen completou 40 anos na Argentina, para comemorar o aniversário que encerra um grande ciclo de investimentos da empresa no país, de US$ 650 milhões na fábrica de General Pacheco, na área metropolitana da capital Buenos Aires – uma herança da finada sociedade com a Ford na Autolatina, encerrada em 1996 com um muro que separou a área em duas partes. Nos últimos três anos os recursos foram aplicados na modernização dos equipamentos e da infraestrutura da planta, para produzir o novo SUV sobre plataforma global MQB do grupo. Entre as melhorias, a unidade ganhou uma nova área de pintura, com diminuição do consumo de água e energia, além de redução substancial das emissões de partículas.

“O investimento que deu origem ao Taos tornou-se possível graças ao comprometimento dos empregados, dos sindicatos, do governo argentino e de nossa casa matriz na Alemanha, que nos deu todo o apoio necessário nesse projeto”, disse Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América Latina.




Silhueta dois-volumes do Taos com leve caída traseira não difere muito da maioria dos SUVs

DESIGN AUSTERO, BOM PACOTE TECNOLÓGICO



Visto agora por inteiro, o Taos revela um design austero, com vários dos lugares-comuns de boa parte dos SUVs: frente alta, silhueta quadrada dois-volumes e para-lamas proeminentes que sugerem os músculos de um carro robusto. A Volkswagen não inovou, apostou em sua identidade visual simples, mas que funciona, não desagrada ninguém.


Assinatura luminosa em LED na traseira e dianteira traz uma novidade no Taos: haste horizontal iluminada com LED atravessa a grade frontal, ligando os faróis

O que há de mais novo no desenho do Taos é a assinatura luminosa dianteira, com uma haste iluminada por LEDs que atravessa a grade frontal, ligando os dois faróis – também de LED com a inovadora tecnologia IQ Light, que tem maior intensidade de iluminação nas laterais, direcionamento para acompanhar curvas e conta com sistema de regulagem automática para evitar ofuscar a visão à noite de motoristas no sentido contrário. Na traseira, o visual do modelo lembra bastante o outro SUV pouco maior da marca, o Tiguan Allspace.

Por dentro, a Volkswagen promete acabamento menos espartano do que a média dos carros da marca na região. Segundo a fabricante, foram usados enxertos de couro sintético e materiais espumados suaves ao toque no painel.


No interior do Taos, Volkswagen promete acabamento mais sofisticado do que a média espartana da marca na região: visual tecnológico é garantido pelo quadro de instrumentos digital e pela tela tátil da central multimídia

O visual tecnológico fica por conta do quadro de instrumentos digital e programável, em uma tela de 10,2 polegadas, e da central multimídia com tela tátil de 10,1 polegadas que incorpora o sistema VW Play – desenvolvido no Brasil –, onde é possível baixar e armazenar aplicativos, configurar o perfil, vincular o celular sem fio e ainda programar o serviço de manutenção do carro, entre outras funcionalidades.

Embaixo do capô o Taos virá com o já conhecido motor 250 TSI, 1.4 turbo de 150 cavalos, o mesmo também utilizado pelas versões mais caras do T-Cross, Polo e Virtus, e produzido pela Volkswagen no Brasil, na fábrica de São Carlos (SP), que deverá ser acoplado ao também já conhecido câmbio automático de seis marchas fornecido pela Aisin.

O pacote de segurança ativa também é bastante completo – ainda que não se saiba ainda qual parte será de série e qual será opcional – incluindo controle adaptativo de velocidade (ACC, que acelera até a velocidade ajustada e reduz/freia para manter uma distância programada do carro à frente) com sistema stop&go (no anda-e-para do trânsito, freia o veículo e retoma automaticamente quando a parada é por menos de três segundos), além de frenagem automática de emergência, alerta de tráfego traseiro (para ajudar nas saídas do estacionamento) e detector de veículos no ponto cego do retrovisor.

Claro que versões e preços do Taos só serão conhecidos no lançamento, mas parece uma aposta certa prever que os valores vão facilmente superar os R$ 130 mil, levando-se em conta que o irmão imediatamente menor da família de SUVs da marca, o T-Cross Highline 250 TSI, equipado com mesmo motor e câmbio é vendido por R$ 123 mil.



Tags: Volkswagen, Taos, Projeto Tarek, SUV, lançamento, apresentação, Argentina, México, fábrica, indústria, investimento.

Comentários

  • Adelmo

    Eos botões cafonas do ar condicionado continuam lá, tão necessário em um veiculo como os tapetes de borracha! Como dizia Moraes Moreira, quem nasce no morro, não morre no asfalto!

  • Sandro

    Hácada vez mais automóveis equipados com sistemas AEB, mas as seguradoras que operam no Brasil ainda não diferenciam o risco e os prêmios de seguro, como algumas delas fazem em outros mercados. Enquanto isso, continuam aceitando o risco de automóveis irregulares (com vidros de condução escurecidos, por exemplo) - e pagando as indenizações de sinistros destes veículos. Falta, aqui, uma atuação dos fabricantes para valorizar os próprios produtos com AEB junto às seguradoras. Sistemas AEB comprovadamente reduzem a sinistralidade.

  • PauloSantos Assis

    Achoo preço do veículo muito elevado, considerando que eles querem abocanhar mercado de outros similares.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência