Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Ford abrirá programa de demissão voluntária em 1º de outubro
Fábrica da Ford em Camaçari produz Ecosport e Ka

Trabalho | 29/09/2020 | 18h31

Ford abrirá programa de demissão voluntária em 1º de outubro

Acordo com sindicato também prevê extensão de layoff na fábrica de Camaçari até o fim de dezembro

SUELI REIS, AB

A Ford e o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari (BA) chegaram a um acordo de reestruturação que envolve a abertura de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) a partir da quinta-feira, dia 1º de outubro, para os funcionários da área de produção. O acordo fechado em uma reunião na última sexta-feira também prevê a extensão do layoff (suspensão do contrato de trabalho) até o dia 31 de dezembro deste ano.

Em nota, a Ford informa que a medida faz parte do seu objetivo de ajustar os níveis de produção de acordo com a demanda mais baixa do mercado, cuja queda é reflexo da pandemia.

Por sua vez, o sindicato indica que além da baixa demanda do mercado, a medida também levou em consideração a decisão da montadora em encerrar suas vendas para locadoras. Em nota, a entidade afirma que a empresa alegou “não valer mais a pena, do ponto de vista do lucro, manter este tipo de modalidade comercial por causa da barganha das empresas de locação”.

O sindicato informou que a Ford disse prever uma queda de 46% da produção de veículos, o que a levou prorrogar o layoff até o fim do ano, além de abrir o PDV. No entanto, na avaliação da entidade, há possibilidade do layoff ser estendido até maio de 2021. Em julho, pouco depois da fábrica retomar suas atividades após paralisação por causa da pandemia, montadora e sindicato concordaram com o layoff de 1.600 empregados, que estão cumprindo o período de 90 dias, de 1º de agosto até 1º de novembro. Do total que teve o contrato suspenso, 1 mil são contratados pela Ford e 600 trabalham nas empresas fornecedoras de autopeças.

Em outro comunicado, a Ford esclarece que “não sairá do segmento de locadoras, mas será mais seletiva com relação aos aspectos negociais”.

FORD PROPÕE DIFERENTES VALORES DO ACORDO COM PERÍODO DE ADESÃO AO PDV


Os valores a serem pagos pela montadora aos funcionários vão variar de acordo com o tempo de trabalho que o funcionário possui na Ford e também conforme a data da adesão ao PDV, que foi dividida em três períodos: de 1º a 9 de outubro; de 1º a 6 de novembro e de 23 a 30 de novembro (veja relação completa abaixo).

Além dos pagamentos das rescisões de contrato, o acordo de PDV ainda prevê que o trabalhador poderá utilizar parte da indenização para a compra do modelo Ka SE a custo de fábrica, no valor de R$ 43.800. Segundo o sindicato, a Ford vai dispor de 800 veículos até o fim do ano para os acordos.

“Estamos enfrentando um momento muito difícil na economia do País, de muita dificuldade. É preciso mais do que o fortalecimento da luta no chão de fábrica, e a consciência e união de todos, para superar os obstáculos que se apresentam cada vez mais graves e complexos para a classe trabalhadora”, comenta Júlio Bonfim, presidente do Sindicato de Camaçari.

Os valores a serem pagos conforme o período de adesão ao PDV serão os seguintes:

- Adesão entre 1º e 9 de outubro:

- Contratados entre 2000 e 2003: R$ 93 mil
- Contratados entre 2004 e 2014: R$ 80 mil
- Contratados entre 2015 e 2020: R$ 40 mil

- Adesão entre 1º e 6 de novembro:

- Contratados entre 2000 e 2003: R$ 51 mil
- Contratados entre 2004 e 2014: R$ 38 mil
- Contratados entre 2015 e 2020: R$ 35 mil

- Adesão entre 23 e 30 de novembro:

- Contratados entre 2000 e 2003: R$ 31 mil
- Contratados entre 2004 e 2014: R$ 30 mil
- Contratados entre 2015 e 2020: R$ 28 mil.



Tags: Ford, PDV, programa de demissão voluntária, layoff, fábrica, Camaçari, sindicato.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência