Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Zen compensa baixa com exportação e reposição, mas sofre com alta de custos
Linha de produção da Zen em Brusque (SC): ritmo mantido com custos mais altos

Autopeças | 25/09/2020 | 19h50

Zen compensa baixa com exportação e reposição, mas sofre com alta de custos

Fabricante de impulsores para motor de partida, polias e tensores conseguiu segurar produção em dois turnos em Brusque

PEDRO KUTNEY, AB

Graças ao mercado de reposição que representa atualmente 70% das receitas e às exportações que respondem por metade das vendas, a Zen conseguiu sustentar relativamente estável sua produção em Brusque (SC) de pinos impulsores de motor de partida, polias e tensores, compensando a queda dos pedidos de sistemistas que fornecem diretamente aos fabricantes de veículos. Com esse balanço, o impacto da pandemia de coronavírus foi amenizado e faturamento em 2020 deve cair entre 3% e 5% em relação a 2019, mas apesar do tombo relativamente pequeno quando comparado a outras empresas do setor, a forte alta de custos de insumos, principalmente aço, vem pressionando a rentabilidade para baixo.

Gilberto Heinzelmann, presidente da Zen, aponta que a matéria-prima mais usada pela empresa vem sofrendo reajustes frequentes de dois dígitos porcentuais, há escassez de oferta e baixa competição com o produto importado, devido à forte desvalorização do real diante do dólar, cotado acima dos R$ 5,50 atualmente. Segundo ele, os aços longos já sofreram aumentos seguidos de 17% e 12% nos últimos dois meses “e já se fala em novo ciclo de 10%”, destaca.

“É uma situação atípica, o pior dos mundos, com inflação de custos industriais e deflação de demanda. Não conseguimos negociar com a aciarias e temos muitas limitações para repassar esses aumentos aos sistemistas e montadoras. Fica muito difícil equilibrar os resultados”, avalia Gilberto Heinzelmann.



No pico da pandemia e da retração de demanda as siderúrgicas desligaram alguns de seus alto-fornos, que estão sendo religados gradualmente. Esse movimento provocou certa escassez de aço no mercado, o que rapidamente foi utilizado como justificativa para os reajustes em sequência e a pressão para adiantar encomendas sob novos preços, sob ameaça de falta de produto para entregar. A cotação da commodity em dólar é outro fator que empurra os preços do insumo para cima. “Nessa situação a corda sempre arrebenta sobre os mais fracos, os fornecedores tier 2 e 3, porque as grandes empresas sistemistas e montadoras têm maior poder de barganha e negociação. No nosso caso, somos obrigados a pagar o preço pedido sem discussão”, lamenta Heinzelmann.

O executivo relata ainda que o efeito da desvalorização cambial sobre custos de importações também é bastante alto, acima dos 30% este ano, mas graças ao modelo de negócio da Zen, que sempre fomentou as exportações e o faturamento em dólares, é possível compensar as perdas e garantir resultados, ao mesmo tempo em que o câmbio favorável aumenta a atratividade de preço dos produtos brasileiros.

Da mesma forma, ter a maior parcela do negócio no aftermarket de peças fornece à Zen uma importante válvula de escape para repassar os aumentos de custos: “O mercado de reposição aceita de forma mais suave os reajustes de preços, mas o mesmo não acontece no fornecimento aos sistemistas e montadoras, com os quais temos contratos muito amarrados que limitam qualquer repasse”, explica Heinzelmann.

IMPACTO MENOR NA PRODUÇÃO



O impacto da pandemia foi bem menor na operação da Zen do que nos custos. A fábrica de Brusque parou por pouco tempo, duas semanas em abril, foram usados os recursos de banco de horas, férias coletivas e afastamento temporário. Mas a planta já voltou a operar em dois turnos e as demissões foram pontuais, “foram feitos pequenos ajustes”, diz Heinzelmann.

No atual ritmo, o presidente da Zen prevê que o faturamento de 2021 deverá crescer no mesmo nível que era esperado no início de 2020, quando a empresa projetava avanço das vendas sobre 2019 em torno de 18%. “No ano que vem deveremos realizar o crescimento que estimávamos ter este ano”, avalia.



Tags: Zen, autopeças, indústria, custos, aço, insumos, produção, fábrica, Brusque SC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência