Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Peugeot aposta em estética, tecnologia e financiamento para vender o novo 208
O novo Peugeot 208, agora produzido na Argentina, chega ao Brasil pouco mais de um ano após o lançamento na Europa

Lançamentos | 08/09/2020 | 18h53

Peugeot aposta em estética, tecnologia e financiamento para vender o novo 208

Compacto fabricado na Argentina sobre a nova plataforma CMP chega com motor 1.6 aspirado em 4 versões de R$ 75 mil a R$ 95 mil; elétrico e-GT virá da França só em janeiro de 2021

PEDRO KUTNEY, AB

Pouco mais de um ano após o lançamento na Europa, o novo Peugeot 208 chega ao Brasil, desta vez fabricado na Argentina – e não mais na fábrica brasileira de Porto Real (RJ), onde a geração anterior foi produzida entre 2012 até março passado. O modelo foi completamente reinventado sobre a nova plataforma CMP (de common modular platform) e tem a difícil missão de trazer de volta a força perdida da marca no País, que de janeiro a agosto registrou apenas 7.119 emplacamentos e ficou na 15ª posição do ranking das marcas mais vendidas, com minúscula participação de 0,65% do mercado total no período – atrás de BMW, Citroën (irmã no Grupo PSA), Mitsubishi e Caoa Chery, para citar só as que têm menos de 1% de market share.

Para sair dessa posição incômoda, os executivos da Peugeot confiam que a bela estética do novo 208 irá repetir o sucesso feito pelo 206 que catapultou as vendas da marca no Brasil no fim dos anos 1990. Também há bastante confiança na estreia da plataforma CMP que traz tecnologias avançadas de assistência à condução e a versão e-GT 100% elétrica – que virá importada da França e só chega a partir de janeiro de 2021.

Fica a dúvida se o chamativo design e a moderna plataforma serão capazes de suplantar a ausência da motorização turbo, já bastante comum nesta categoria na Europa (no próprio 208) e também no Brasil. As quatro versões fabricadas na Argentina de R$ 75 mil a R$ 95 mil (confira mais abaixo todas as opções e preços) que começam a ser vendidas este mês ainda preservam o que há de mais velho no novo 208, usam o bom motor flex 1.6 aspirado de 118 cavalos (com etanol) usado por aqui há cerca de uma década.

Outra medida tomada para (re)acender o interesse dos brasileiros pela marca francesa para além de design e tecnologia foi a criação do plano de financiamento e recompra Peugeot Just Drive It, com entrada relativamente baixa, a partir de R$ 35 mil, taxas de 0,99% a 1,09% ao mês e 30 prestações bem-comportadas de R$ 1.090 no caso da opção mais barata Active, que sobem R$ 200 reais a cada uma das versões até chegar a R$ 1.690 no topo de gama 208 Griffe. Após os 30 meses a Peugeot garante recomprar o 208 usado pagando 100% da tabela Fipe, valor que poderá ser usado para quitar o saldo de 30% a 40% do preço do carro que sobra ao fim dos pagamentos, quando há a opção de comprar o bem pagando o resíduo, devolver ou usar o dinheiro para dar entrada em outro.

AMBIÇÃO DE 1% SÓ COM O NOVO 208






Ana Theresa Borsari, diretora geral da Peugeot no Brasil, afirma que a chegada do novo 208 fecha um ciclo de reconstrução no País iniciado com seu retorno da Europa em 2015, que envolveu a reestruturação completa da rede de distribuição, melhoria significativa dos serviços das concessionárias com a criação do programa Peugeot Total Care e recuperação do valor de revenda dos carros da marca. Esse plano, diz a executiva, preparou o terreno para uma nova geração de produtos, a começar pelo 208 e outros que virão para potencializar as vendas no País.

“Estamos trabalhando nisso há cinco anos. Primeiro melhoramos o atendimento com o Peugeot Total Care, foi fundamental para melhorar a imagem, é um símbolo da reconstrução. A Peugeot tinha ótimos produtos, mas que não potencializavam as vendas da marca como aconteceu com o 206, quando nossa participação chegou ao máximo de 3,3%. O novo 208 tem esse atributo de ser notado nas ruas para alcançarmos de novo esse nível. Não é uma esperança, é um plano para buscar esse objetivo”, sublinha Ana Theresa Borsari.



Para a diretora, o pacote do novo 208, mesmo sem uma opção turbinada, tem suficiente potencial para, sozinho, garantir ao menos 1% de participação da marca no mercado brasileiro. A ambição é deixar o nível atual de menos de 1% e chegar a 3% nos próximos anos com o acréscimo de outros produtos que chegarão – o novo SUV 2008 sobre a plataforma CMP é esperado para algum momento de 2021.

Para ampliar as vendas ela também conta com a expansão da rede das atuais 105 concessionárias para 135 até o fim de 2020. “Precisamos atrasar um pouco os planos por causa da pandemia, mas vamos inaugurar mais 30 pontos ainda este ano e não tivemos nenhuma baixa de nenhum grupo, o que mostra também a solidez da rede que aguentou bem o ‘terremoto’ dos últimos meses.”

NO TOPO DO SEGMENTO DE HATCHES COMPACTOS



Para um mercado atualmente dominado por SUVs, segmento que representa um quarto das vendas no mercado brasileiro, pode parecer um erro estratégico a Peugeot começar esse novo ciclo com o lançamento de um hatch “B” (compacto). Os executivos da marca, no entanto, apostam que essa é uma vantagem dentro da estratégia de posicionar a marca no topo das fabricantes generalistas, logo abaixo das chamadas marcas premium.

“Todo mundo lançou SUVs e o segmento está congestionado. Já no topo da categoria de hatches compactos temos poucos concorrentes. Entramos com o novo 208 em um mercado onde o cliente compra um hatch porque quer aquele modelo, não porque não tem dinheiro para comprar algo melhor”, destaca Oswaldo Ramos, diretor comercial da Peugeot.






“O segmento de SUVs cresce na base da pirâmide, com produtos mais baratos em um mercado dopado pelas vendas do canal PcD (com isenção de impostos para pessoas com deficiência). Na categoria de hatches acontece o contrário, o avanço é no topo com o cliente no canal tradicional das concessionárias (varejo), que é o que paga as contas”, aponta Ana Theresa Borsari.



Para melhor localização nesse subsegmento de topo, Ramos indica como principais concorrentes do novo 208 o Volkswagen Polo e o Toyota Yaris. Ele não revela exatamente qual a expectativa de vendas, mas avalia que o novo produto é peça fundamental para a Peugeot avançar acima do 1% de participação. “Mas isso depende muito de que tamanho ficará o mercado, estimamos que será de 80% na comparação com o último quadrimestre de 2019.”

O executivo acredita que a tendência atual é de aumento na procura pelo carro próprio como forma de evitar o transporte público ou compartilhado e assim evitar o contágio pelo coronavírus. E para estimular esse cliente potencial a sair de casa para comprar o novo 208, a Peugeot criou um programa de test drive de 24 horas sem limite de quilometragem. Para isso, vai distribuir 300 carros à rede esta semana, antes mesmo de estocar produtos para as primeiras entregas, que só devem acontecer a partir da segunda quinzena de setembro. Segundo pesquisas internas, o teste é responsável por converter 75% das vendas da marca.

Entre as quatro versões lançadas agora, Ramos avalia que as duas opções mais caras (Allure e Griffe) vão responder por dois terços das vendas. “A diferença é de apenas R$ 200 na prestação entre uma versão e outra, cabe no bolso e as pessoas deverão escolher o modelo mais completo. Por isso no lançamento a maior procura deve ser pelo 208 Griffe. Estamos preparados para isso, já cansamos de lançar produtos em que houve falta da versão mais cara porque subestimamos a demanda”, diz.

SEM TURBO E COM ELÉTRICO, O LANÇAMENTO MAIS IMPORTANTE DA PEUGEOT



Com a oferta da opção elétrica e-GT, Ana Theresa minimiza a ausência de motorização turbo no novo 208, como existe na Europa, onde o compacto é equipado com o tricilíndrico PureTech 1.2 turbinado com duas calibrações, de 110 ou 130 cavalos. A executiva justifica que “não havia escala para produção do motor aqui e por isso decidimos usar o 1.6 que já tínhamos”, o que pode ser entendido como falta de recursos para investir em uma nova linha.

Seria mesmo um investimento injustificado quando se coloca em perspectiva que a partir de 2021 os grupos PSA e FCA estarão unidos como sócios na Stellantis, o que em tese poderá dar acesso a Peugeot e Citroën no Brasil aos novos motores turbo que serão produzidos em Betim (MG) para equipar modelos Fiat e Jeep.

Sem turbo (ao menos por enquanto) e com elétrico, é fato que o 208 é o lançamento mais importante em anos da Peugeot no Brasil. Se poupou na motorização turbinada, a marca faz agora a sua mais alta aposta de recuperação de volumes, mantendo a estreia do novo hatch sob a depressão causada pela pandemia de coronavírus. “Estamos falando de um dos modelos mais importantes e icônicos da Peugeot, a série 200, fizemos um esforço tático de cortar custos em outras áreas para focar neste lançamento, que com certeza nos fará passar do 1% de participação”, afirma Oswaldo Ramos. Mas ele pondera: “O que buscamos não é o maior volume do segmento, mas expressão”.


Painel do novo Peugeot 208: central multimídia com tela tátil de 7” é de série em todas as versões

VERSÕES, PREÇOS E EQUIPAMENTOS DO NOVO PEUGEOT 208



O novo Peugeot 208 será vendido inicialmente em quatro versões, todas elas equipadas com motor flex 1.6 aspirado que gera até 118 cv (etanol) ou 115 cv (gasolina) a 5.750 rpm e torque máximo de 151,8 Nm a 4.750 rpm ou 151,5 Nm a 4.000 rpm. O modelo será vendido unicamente com transmissão automática de seis marchas. O carro tem garantia de três anos sem limite de quilometragem. Veja abaixo todas a versões, preços e principais equipamentos de série:

PEUGEOT 208 Active 1.6 AT6 – R$ 74.990
Principais itens de série: • Direção elétrica • Ar-condicionado • Acionamento elétrico de vidros, travas e retrovisores externos • Luzes dirunas (DRL) em LED • Rodas de liga leve de 16” • Comandos de controle de áudio no volante • Central multimídia com tela tátil de 7” e conexão com smartphone via Android Auto e Apple Car Play • Regulador e limitador de velocidade (cuise control) • 4 airbags • 2 tomadas USB no painel dianteiro

PEUGEOT 208 Active Pack 1.6 AT6 – R$ 82.490
Todos os equipamentos da versão anterior acrescido de: • Teto de vidro panorâmico • Ar condicionado digital • Câmera de estacionamento traseira

PEUGEOT 208 Allure 1.6 AT6 – R$ 89.490
Todos os equipamentos da versão anterior acrescido de: • quadro de instrumentos digital i-Cockpit 3D com projeção holográfica de algumas funções • Rodas de liga leve de 16” diamantadas • Escapamento cromado • Volante multifuncional revestido em couro • Bancos revestidos com tecido Alcantara • Apoio de braço para o condutor • Carregador de smartphone por indução • Painel de bordo com acabamento emborrachado Slush • Chave presencial com comandos de abertura das portas e porta-malas e partida do motor pelo botão Start/Stop • Airbags de cortina


O novo quadro de instrumentos digital i-Cockpit 3D, com projeções holográficas: só disponível na versão de topo Griffe

PEUGEOT 208 Griffe 1.6 ático AT6 – R$ 94.990
Todos os equipamentos da versão anterior acrescido de: • Faróis Full LED • Capa dos retrovisores em preto brilhante • Aerofólio traseiro em preto brilhante • Câmera de ré VisioPark com visão 180° • Sensor de chuva • Sensor crepuscular • Sensor de estacionamento traseiro • Pacote de segurança ativa Peugeot Driver Assist com Alerta de Colisão e Frenagem de Emergência Automática, Alerta e Correção de Mudança de Faixa, Detector de Fadiga, Reconhecimento de Placas de Velocidade, Assistente Automático de Farol Alto/Baixo



Tags: Peugeot, 208, lançamento, PSA, mercado, Argentina, Palomar, Porto Real RJ.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência