Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Em dia de discutir a cadeia automotiva, #ABPlanOn soma 81 mil visualizações

Eventos | 27/08/2020 | 21h37

Em dia de discutir a cadeia automotiva, #ABPlanOn soma 81 mil visualizações

Evento on-line recebe presidente Anfavea, executivos de fornecedores, de compras e da SAP para desenhar o cenário de 2021

REDAÇÃO AB

A cadeia de valor automotiva foi o tema central das discussões do quarto dia do #ABPlanOn, jornada digital promovida por Automotive Business. Na quinta-feira, 27, as apresentações e entrevistas ao vivo para desenhar os possíveis cenários de 2021 contaram com a presença do presidente Anfavea, um vice-presidente da SAP, dois CEOs de fornecedores (Bosch e MWM Motores) e quatro executivos de compras da Mercedes-Benz, GM, Toyota e FCA.

Em quatro dias, as lives interativas já alcançaram 8 mil visualizações e a plataforma do evento on-line somou 81 mil acessos dos quase 4 mil inscritos, que até agora puderam baixar 70 arquivos de vídeos, podcasts, e-books, artigos, infográficos e estudos preparados com exclusividade para os participantes do #ABPlanOn. Até o fim da jornada, na sexta-feira, 28, o total de 100 arquivos estarão disponíveis para download pelos próximos dois meses – parte do material pode ser baixada gratuitamente e outra parte para aqueles que fizeram a inscrição premium de R$ 129,90.

O FUTURO DA COMPETITIVIDADE



O futuro da competitividade da indústria foi o tema da entrevista ao vivo com Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, a associação dos fabricantes de veículos instalados no Brasil. Moraes trouxe uma profunda análise sobre o cenário atual de toda a cadeia, o enfrentamento da pandemia e como a crise que veio com ela afetou os planos para melhorar a competitividade brasileira – que se já não era boa, tende a ficar um pouco pior.

Moraes citou um estudo encomendado pela Anfavea que comparou cinco montadoras de veículos que têm fábricas no Brasil e no México e que produzem modelos similares em ambos os países. A conclusão foi que o México tem competitividade 18% melhor que a do Brasil. “Aqui temos fábricas muito modernas, equivalentes às mais eficientes do mundo, o problema não é na indústria automotiva, é a estrutura do País; temos trabalhado constantemente em propostas para melhorar isso, mas claro que com a pandemia muita coisa parou e teremos de esperar mais”, ponderou.

Sobre as projeções de queda das vendas de veículos este ano, que a Anfavea projeta em 40%, o presidente da entidade reconhece que o resultado pode ser um pouco melhor, mas ainda assim é certo que será uma das piores retrações já vividas pelo setor no País.

“A queda poderá ser menor, de 35%, como foi no acumulado entre janeiro e julho; também poderá ser de 30%. Não estou preocupado se a queda será 30%, 35% ou 40%, o tombo é muito grande [de qualquer forma. Até outubro teremos a visão do todo, de como terá sido o impacto da pandemia no emprego, no fechamento de empresas etc. No quarto trimestre teremos uma noção melhor dos impactos na economia.” (Luiz Carlos Moraes, Anfavea)



Para o presidente da Anfavea, “2021 será um ano de crescimento bom, mas sobre uma base menor; o Brasil também cresce. Mas isso partindo do pressuposto de que a questão da saúde estará sob controle”. (veja aqui reportagem completa)

NOVAS PARCERIAS



O novo normal e as novas oportunidades de digitalização estão unindo cada vez mais a indústria automotiva “tradicional” às empresas dedicadas exclusivamente a novas tecnologias: juntas, estão construindo um novo mundo de soluções digitalizadas e gerando novos negócios. Essa foi a principal conclusão da entrevista ao vivo no #ABPlanOn com Maykon Fernandes, vice-presidente de core industries da SAP Brasil.

“A pandemia trouxe uma oportunidade de transformação para o digital, que já estava ocorrendo, mas com ela, alguns projetos foram retomados e outros claramente acelerados, tornando o setor automotivo mais resiliente, porque neste contexto de pandemia, a digitalização se tornou uma necessidade muito forte.” (Maykon Fernandes, SAP)



Para Fernandes, em 2021 a transformação digital da indústria seguirá com força, abrindo novas oportunidades de relacionamento entre empresas e consumidores. “Ferramentas digitais inteligentes vão além do veículo/produto, mas abrangem todo o ciclo de vida, desde a produção até o pós-venda: a montadora não vai terminar sua participação na vida do cliente com a produção e a entrega do carro, ela vai acompanhar o que vem depois disso e vai participar ativamente com novas soluções”, avalia.

A VISÃO DOS FORNECEDORES PARA O PÓS-PANDEMIA



Besaliel Botelho, presidente da Robert Bosch Latin America, e José Eduardo Luzzi, presidente da MWM Motores, apresentaram uma visão bastante otimista sobre o pós-pandemia e a superação da crise, que para eles, já está em curso (veja aqui reportagem completa).

“A maioria das empresas maximizou os impactos da pandemia, mas a indústria já está novamente ativada. Os números para setembro e outubro já estão melhores do que nossa estimativa projetada antes da pandemia. Já tínhamos feito um replanejamento para o ano em março e agora voltamos a fazê-lo com uma visão mais otimista. Temos um viés otimista, o Brasil tem fundamentos sólidos e positivos como juros muito baixos e inflação abaixo da meta. Os índices de confiança do comércio, indústria e consumidor estão subindo.” (José Eduardo Luzzi, MWM)



“2021 pode surpreender, gosto desse viés otimista, é o meu também. É preciso prestigiar nossa base de fornecedores e o emprego local. O Brasil tem uma base pronta, tem capacitação e isso prestigia o negócio local. Então, montadoras, coloquem seus pedidos, mesmo com o mercado menor, é a hora de prestigiar nossa base de fornecedores e o emprego local. Com essa mudança geopolítica que vai acontecer, a importação de autopeças vai ficar mais difícil; fazer o mais barato não vai ser tão simples.” (Besaliel Botelho, Bosch)



COMPRAS E O DESAFIO DA NACIONALIZAÇÃO



Celso Simomura, vice-presidente de compras da Toyota Latin America; Juliano Alex de Almeida, diretor de compras da FCA Latam; Rodrigo Godinho, diretor de compras da GM; e Silvia Simon, gerente sênior de compras da Mercedes-Benz do Brasil, participaram do painel que debateu as principais dificuldades encontradas pelos departamentos de compras das montadoras sob o impacto da pandemia de coronavírus, mas também elencou a superação de vários desafios ao longo dos últimos meses. Os convidados também falaram dos próximos passos e das expectativas para 2021 (veja aqui reportagem completa).

“A crise potencializou a situação difícil que alguns fornecedores já vinham apresentando antes da pandemia, que trouxe esse olhar e um acompanhamento mais próximo. Felizmente, não tivemos nenhum caso de fechamento de empresa.” (Juliano Almeida, FCA)



“Quando se tem esse tipo de dificuldade, a gente se une mais. Houve muita cooperação entre os tiers 2 e 3, que foram muito mais impactados. Alguns tier 1 ajudaram tier 2 e essa união nos permitiu passar esse momento sem grandes problemas e enfrentar de forma bastante sólida.” (Celso Simomura, Toyota)



“O câmbio nos afeta muito porque é custo na veia e tem uma permanência. Continua num patamar elevado e sem indicação de arrefecimento, com isso a localização volta a ser um ponto importante: nós da Mercedes estamos buscando trazer um plano efetivo de nacionalização, que já estava no radar, mas agora só foi reforçado, e trazer isso para o longo prazo faz diferença de impacto nos custos.” (Silvia Simon, Mercedes-Benz)



“A incerteza atual do cenário é uma situação delicada que gera receio para investimentos e com isso a localização (nacionalização de componentes) não está tão fácil. Precisa de um nível de produção mais sustentável” (Rodrigo Godinho, GM)







Tags: #ABPlanOn, indústria, cadeia de valor, projeção, recuperação, autopeças, nacionalização fornecedores, compras, Anfavea, SAP, Bosch, MWM Motores, Mercedes-Benz, Toyota, GM, FCA, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência