Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Mercedes aumenta participação no mercado de vans durante a crise
Neste ano, linha Sprinter ganhou modelo de van 19+1 com acesso pela porta dianteira

Mercado | 13/08/2020 | 17h13

Mercedes aumenta participação no mercado de vans durante a crise

Até julho, marca registra 36% de market share contra 34,8% em igual período de 2019

SUELI REIS, AB

As vendas de vans estão melhores do que o esperado no Brasil, mesmo com a crise gerada pela pandemia de coronavírus. A conclusão é da Mercedes-Benz, que no fim de março, quando começou a quarentena em várias regiões do Brasil, chegou a estimar uma queda entre 30% e 40% das vendas totais deste mercado para 2020. No entanto, os números mostram um potencial muito melhor e registrou no acumulado até julho uma queda anual de 18%, com 14,8 mil unidades. Em todo 2019, marcado como um ano de recuperação do setor, foram vendidos pouco mais de 32,7 mil unidades, que inclui vans, furgões e chassis até 5 toneladas de PBT.


Ainda sobre os resultados de janeiro a julho, a Mercedes conseguiu elevar sua participação fechando com 36% contra os 34,8% registrados em iguais meses de 2019, mantendo a liderança no segmento.

“O impacto da Covid-19 está sendo realmente bem considerável, porém, até o momento, melhor do que nós estimávamos antes. Chama a atenção a evolução do mercado nos últimos dois meses: em julho, houve crescimento de 30% com relação a junho e os primeiros dias de agosto mostram que o mercado continua neste ritmo de recuperação e de uma forma muito mais positiva do que era esperado”, afirma o diretor geral de vans da Mercedes-Benz, Jefferson Ferrarez.



Segundo o executivo, o mercado foi muito bem logo no início do ano, mas foi fortemente impactado entre abril e maio. Ferrarez conta ainda que os emplacamentos não foram melhores por causa do fechamento dos Detrans pelo Brasil por causa da pandemia.

O executivo conta que atualmente os segmentos que estão puxando as vendas são os de ambulâncias, justamente por causa da crise sanitária, mas também o transporte urbano de carga fracionada e o e-commerce, que vem registrando crescimento acelerado por causa da quarentena e isolamento social.

“Os números têm sido mais positivos e para este segundo semestre esperamos que seja realmente bem melhor do que nos últimos meses”, comenta.

SPRINTER 19+1: AMPLIAÇÃO DE PORTFÓLIO


Visando um novo nicho de mercado, a Mercedes-Benz aproveita a oportunidade para lançar uma nova opção de configuração de van com o modelo 19+1, que comporta até 19 passageiros mais o motorista. O veículo, anunciado em abril (leia aqui), traz como grande novidade fica por conta do acesso dos passageiros pela porta dianteira, semelhante a um micro-ônibus, solução que elimina a porta corrediça lateral.

Para Ferrarez, o produto tem potencial para atuar no segmento de vans escolares, uma vez que a ausência da porta lateral elimina a necessidade de ter um funcionário adicional no veículo, além do segmento de fretamento de turismo e no transporte alternativo de passageiros que já vem sendo utilizado em algumas regiões do País via aplicativo.

“Por uma questão estratégica, não podemos revelar a nossa expectativa de venda do modelo 19+1, mas tenho a impressão de que vai entrar muito bem em alguns nichos e será uma das versões mais vendidas da Sprinter”, afirma Ferrarez.

A nova geração da Sprinter foi apresentada no ano passado durante a Fenatran em outubro, mês que começou a ser vendida no Brasil. Produzida na Argentina, a van é a mesma que roda atualmente na Europa, fruto do investimento de R$ 100 milhões aplicado para a modernização do veículo (leia aqui).



Tags: Mercedes-Benz, vans, Sprinter, mercado, vendas, Jefferson Ferrarez.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência