Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo pretende manter índice de importação de peças em 30% nos próximos anos
Caminhões Volvo saindo da fábrica em Curitiba (PR): baixo volume na produção eleva custo unitário dos veículos

Indústria | 09/06/2020 | 19h07

Volvo pretende manter índice de importação de peças em 30% nos próximos anos

Montadora avalia que altos investimentos em nacionalização esbarram na escala atual

SUELI REIS, AB



A Volvo deverá manter pelos próximos anos seu índice atual de componentes importados para a produção de caminhões, que está atualmente na média de 30% a 35%, dependendo do modelo. Para a companhia, diversos fatores impactam na decisão de nacionalizar conteúdo e esse planejamento não leva em conta apenas a forte elevação do dólar, como a que tem acometido o Brasil desde o início da pandemia, com variação que chegou a 40% neste período.

Para o diretor comercial da Volvo, Alcides Cavalcanti, essas variáveis, como o câmbio e o volume reduzido da produção por causa da pandemia aumenta o custo unitário da produção – o que também afeta os volumes dos fornecedores.

“Tudo isso aumenta o custo de produção e aumentar o nível de nacionalização requer altos investimentos – e o segredo para justificar esses investimentos é a escala. Esse patamar de importados [de 30%] deve se manter pelos próximos anos”, afirma Cavalcanti. “Mesmo se o câmbio cair, não vejo uma redução tão drástica no médio prazo”, completou.

O executivo lembra da importância de manter um índice alto de nacionalização para poder financiar o produto via Finame, que exige o mínimo de 60% de produtos nacionais. Com o cenário atual de crise gerada pela pandemia, o Finame voltou a ser mais atrativo como linha de crédito do que o CDC (crédito direto ao consumidor), uma vez que as taxas do CDC subiram, elevando seu custo.

“No passado recente, o Finame era responsável por 90% dos financiamentos de veículos comerciais pesados, isso reverteu há algum tempo para o CDC, quando se tornou no início do ano passado mais atrativo. Mas agora, reverteu novamente e o Finame já responde por 70% dos financiamentos”, comenta.

Por causa do maior custo de produção e da alta do dólar, a Volvo está repassando os custos adiante aplicando um reajuste de preços em sua nova linha de caminhões 2021, com alta de 8% para a linha VM e de 12% para os caminhões da linha FH. O diretor comercial acrescenta que os novos valores serão aplicados até o início do quarto trimestre de 2020.

“Esses reajustes não são suficientes para cobrir os impactos que vieram com a pandemia. Em outubro, vamos reavaliar se haverá outro reajuste para o fim do ano, provavelmente vai ter, mas não como esses índices de agora”.



Tags: Volvo, Volvo Trucks, caminhões, indústria, fábrica, nacionalização, importados, câmbio, fornecedores, Alcides Cavalcanti.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência