Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Scania reduz expectativa de vendas de caminhões a gás no Brasil
Scania entrega os quatro primeiros caminhões movidos a gás no Brasil para as transportadoras Jomed Log (veículos verdes) e RN Express (veículos brancos)

Comerciais | 28/05/2020 | 18h59

Scania reduz expectativa de vendas de caminhões a gás no Brasil

Montadora espera atingir cem unidades neste ano; antes da pandemia, estimativa apontava para até 300 veículos

SUELI REIS, AB



A pandemia do novo coronavírus e a crise que chegou junto com ela podem retardar ainda mais a adoção de tecnologias mais amigáveis ao meio ambiente e menos poluentes no Brasil dedicadas ao transporte de cargas. Há quase quatro meses, no início de fevereiro, a Scania apostava em 2020 como um ano histórico no qual poderia finalmente colocar em prática, ou melhor, nas estradas, sua mais nova solução para o setor, o caminhão movido a gás natural veicular (GNV), tanto na forma comprimida (GNC) ou liquefeita (GNL), além de biometano, gás derivado de lixo e matérias orgânicas em decomposição. Naquele mês, a montadora comemorava a conclusão das primeiras vendas realizadas ainda na Fenatran, em outubro de 2019. Otimista, a companhia então esperava emplacar entre 200 e 300 caminhões a gás só neste ano.


Com a crise impactando ainda mais a economia brasileira, agora a Scania tira o pé do acelerador e avalia o novo cenário para a venda dos caminhões movidos a gás. A nova estimativa foi feita na quinta-feira, 28, pelo diretor de vendas Silvio Munhoz durante coletiva de imprensa virtual sobre a entrega dos primeiros caminhões a gás vendidos no Brasil.

“Em fevereiro, eu disse que esperávamos vender algumas centenas desses caminhões. Dada a situação da Covid-19, sou obrigado a ser mais pessimista: eu diria que vamos fazer um esforço muito grande e termos fundamentos suficientes para sinalizar alguma coisa perto da primeira centena de caminhões este ano em aplicações tanto rodoviárias como off-road”, disse Munhoz.



O executivo acrescentas que entre as dificuldades para introduzir a nova tecnologia no País, está o índice de nacionalização, hoje entre 40% e 45%. Segundo Munhoz, a Scania já conversa com fornecedores sobre a localização dos tanques, onde o gás é armazenado no caminhão, item que mais impacta neste quesito, e também de suas válvulas.

“Para qualquer componente, tem que ter um volume mínimo para o fornecedor começar o trabalho de desenvolvimento. Estamos discutindo com os fornecedores e sinalizando para eles o que a gente imagina o que vai ser a demanda de caminhões a gás aqui no Brasil este ano e nos próximos anos para eles começarem trabalhando nesse processo de desenvolvimento”, acrescentou.

Munhoz disse ainda que a introdução do caminhão a gás no Brasil vem sendo trabalhada pela Scania desde 2015 e neste período outra grande dificuldade foi a de unir toda a cadeia necessária para que o caminhão pudesse operar adequadamente. Vencida a etapa de produção nacional do veículo – a montadora investiu R$ 30 milhões para produzi-los em sua fábrica de São Bernardo do Campo (SP) – e também a inclusão de novos fornecedores para o projeto, a empresa conta sobre o esforço de trazer para perto os produtores de gás natural no País e viabilizar a rede de abastecimento.

“Hoje o País conta com uma distribuidora de gás em cada estado e nós já temos a maior parte delas engajadas no processo. Também temos os fornecedores de compressores a gás que são utilizados nos postos de abastecimento e que são diferentes dos compressores para automóveis, eles precisam ser maiores e com maior vasão e pressão para garantir um tempo de abastecimento semelhante ao do diesel. Então o maior desafio é este, garantir o abastecimento em tempo adequado para os caminhões.”

OS PIONEIROS


Os primeiros caminhões a gás da Scania vendidos no Brasil foram adquiridos por duas transportadoras: a Jomed Log e a RN Express, ambas adquiriram duas unidades cada do modelo R 410 6x2 e foram atendidas pela concessionária Codema, de Guarulhos (SP). Os veículos farão a rota São Paulo-Rio de Janeiro para o transporte de produtos do cliente comum L’Oréal.

O diretor comercial da RN Express, Rodrigo Navarro, que a compra dos dois caminhões movidos a gás faz parte da estratégia da empresa em atender clientes como a L’Oréal e a Nestlé Nespresso com o compromisso de adotar soluções mais sustentáveis. Mesmo com a pandemia, o executivo ressalta que em nenhum momento seus clientes desistiram de incluir veículos menos poluentes nas frotas que os atendem.

“Já estamos negociando com outros embarcadores [clientes] sobre este projeto para ampliar a frota de caminhões a gás com cinco a dez novos veículos ainda este ano”, revela Navarro. “E em julho já vamos iniciar com mais um caminhão a gás para atender a Nespresso”, completa.

O gerente nacional de transporte e logística da L’Oréal, Renan Loureiro, destaca a prioridade da empresa no seu compromisso público anunciado em 2011 em reduzir emissões e na descarbonização da cadeia. Segundo ele, faltava apenas uma solução no transporte de carga pesada. A empresa, que não possui frota própria, terceiriza 100% dos caminhões utilizados em sua operação de distribuição de produtos pelo Brasil.

“Nossa meta é ter 100% de veículos a gás em nossa operação no período de três a cinco anos”, afirmou.

Certa do apoio dos clientes, a Scania espera ainda um outro tipo de apoio, mas que ainda não existe por aqui: o tributário.

“Aqui no Brasil, seria interessante não subsidiar, mas sim reduzir a carga tributária. Não há qualquer tipo de incentivo para caminhões movidos a gás ou a biometano”, lamenta o diretor da Scania, Silvio Munhoz.

Ele conta que na Europa, quase todos os países concedem algum tipo de estímulo para veículos movidos a combustíveis alternativos, caso da Alemanha, que dá um bônus de € 13 mil para a compra de caminhões que custam até € 200 mil. Com isso, a Scania espera chegar a 2025 com quase 30% de sua produção formada por veículos com propulsão menos poluente, sem contar os elétricos. Isso inclui caminhões movidos a gás, diesel, etanol e diesel renovável HVO (óleo vegetal hidrogenado, na sigla em inglês).

Em todo o mundo, a Scania já vendeu 4 mil caminhões a gás desde que lançou a solução, há dois anos.



Tags: Scania, vendas, caminhão, caminhão movido a gás, GNV, gás natural veicular, gás natural liquefeito, gás natural comprimido, biometano, GNC, GNL, Silvio Munhoz, combustíveis alternativos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência