Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Apesar da pandemia, VWCO sustenta investimentos no Brasil

COVID-19 | 11/05/2020 | 20h00

Apesar da pandemia, VWCO sustenta investimentos no Brasil

Em Live #ABX20, Roberto Cortes, presidente e CEO da companhia, afirmou que aporte de R$ 1,5 bilhão está mantido

GIOVANNA RIATO, AB

Direto do escritório que tem em casa, Roberto Cortes, presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), participou de Live #ABX20 na segunda-feira, 11. O executivo aproveitou a entrevista para confirmar que vai concluir o plano de investimentos de R$ 1,5 bilhão programado para o Brasil entre 2018 e 2021.

“Nossa decisão estratégica de investimento é feita com base no longo prazo. Estamos ajustando algumas questões, mas de forma alguma vamos cancelar ou prorrogar algo substancial”, afirmou o executivo.

E-DELIVERY PREVISTO PARA O COMEÇO DE 2021


Segundo Cortes, os aportes em produtos, modernização e avanços tecnológicos seguem firmes. Ele diz que até mesmo a chegada do primeiro caminhão elétrico desenvolvido e produzido localmente, o e-Delivery, deve ficar dentro do cronograma. “Vamos nos esforçar para manter o lançamento para o começo de 2021”, aponta, lembrando que já há intenção de compra para 1,6 mil unidades.

O atual ciclo dá sequência a um investimento de R$ 1 bilhão concluído em 2017 curiosamente com a chegada da versão a combustão do Delivery. Apesar da convicção sobre os aportes em tecnologia, Cortes avalia que é importante rever alguns marcos regulatórios, como o Proconve P8, ou Euro 6, legislação de emissões de veículos pesados que começa a vigorar entre 2022 e 2023.

O executivo avalia que as dificuldades do mercado brasileiro mal permitiram que a indústria abatesse os investimentos feitos para se adequar à Proconve P7, regulação anterior que entrou em vigor em 2012.

“Com a crise que enfrentamos entre 2015 e 2017, nós nem passamos pela amortização do aporte anterior e já precisamos nos adequar ao Euro 6. Temos de manter as políticas de emissões, mas rever os prazos”, diz.

RETOMADA DA PRODUÇÃO PARA ATENDER A DEMANDA


Com a infecção de Covic-19 controlada na região de Resende (RJ), onde fica a fábrica da Volkswagen Caminhões e Ônibus, a companhia começou a retomar a produção no último dia 27 de abril ainda a um ritmo lento, a 30% da capacidade. Volume que Cortes espera aumentar gradativamente nos próximos meses.

Depois de 32 dias de interrupção na produção com férias coletivas, a companhia fechou acordo de suspensão temporária de contrato de trabalho para colaboradores da produção e de redução da jornada e dos salários para as equipes administrativas (leia aqui).

Cortes diz que era importante retomar a operação porque uma demanda, ainda que tímida, começou a surgir em alguns segmentos, como o agrícola, de mineração e de transporte de carga urbana.

“Nosso ritmo está muito aquém na comparação com o de antes da pandemia, mas precisávamos voltar. Em 50 anos de mercado já vivi 18 crises e aprendi que se há uma certeza sobre estes momentos, é que eles passam”, diz o executivo.

O executivo não arrisca fazer nenhuma projeção para os próximos meses por causa do cenário ainda incerto para a pandemia. Segundo ele, o horizonte para as exportações é tão desafiador quanto o do mercado interno. Cortes diz que a VWCO vende produtos feitos no Brasil em 30 mercados como México, Paraguai, Chile e África do Sul. “Estamos com dificuldades em praticamente todos eles”, conta.



Tags: Roberto Cortes, Volkswagen Caminhões e Ônibus, Covid-19, pandemia, crise, Live #ABX20.

Comentários

  • Reneluis Bestroinski

    Estána hora de produzir ônibus urbano eletrico ou a byd vai tomar conta sozinha. A vwco está alheia a esse mercado cada vez mais.Assim como perdeu mercado ao não renovar a kombi hoje a kia e a citroem deitam e rolam sem concorrencia!????

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência