Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Quase 1 milhão de veículos deixam de ser vendidos em 2020 até abril

Mercado | 08/05/2020 | 20h00

Quase 1 milhão de veículos deixam de ser vendidos em 2020 até abril

Cálculo da Anfavea leva em conta emplacamento de novos e transferências de usados

PEDRO KUTNEY, AB



Ao divulgar na sexta-feira, 8, o desempenho dos fabricantes de veículos associados no primeiro quadrimestre do ano, a Anfavea confirmou o tombo sem precedentes da venda de modelos zero-quilômetro já conhecido desde o fim da semana passada – foram registrados apenas 55,7 mil emplacamentos, em queda de 66% sobre março e de 76% ante abril de 2019. Mas a entidade forneceu também outro número para mostrar o quão profunda é a recessão que tomou conta do mercado no País desde o agravamento da pandemia de coronavírus. Somando as vendas do primeiro quadrimestre de novos (613,8 mil, -27% sobre o mesmo período do ano passado) e usados (2,57 milhões, -26%) a associação calcula que quase 1 milhão de veículos (931 mil) deixaram de ser negociados em 2020 até agora.



Considerando o mercado total, apenas 209 mil veículos foram negociados em abril (153 mil usados e 55,7 mil novos), o que representa queda de 75% sobre março, que já tinha sido duramente afetado na segunda quinzena do mês com as medidas de quarentena adotadas para conter a Covid-19. A proporção de usados negociados que sempre foi entre 4 e 5 vezes o volume de zero-quilômetro emplacados, em abril caiu para 2,7 vezes.

“Os veículos usados são oxigênio para a venda de novos. A comparação que fizemos mostra que a queda foi geral, o mercado parou de andar com a crise”, afirma Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.



O dirigente lembrou ainda que o fechamento de boa parte dos Detrans no País também impactou severamente os negócios, tanto de novos quanto de usados, por inviabilizar a emissão de documentação para transferências ou emplacamentos. Moraes destacou que a maior queda no volume de licenciamentos de modelos zero-quilômetro aconteceu justamente no maior mercado do País, o Estado de São Paulo, onde apenas 551 veículos foram lacrados em abril, o que representa retração de 99% sobre os 58,7 mil emplacamentos feitos no mesmo mês de 2019.

Moraes reconhece que por causa do fechamento dos Detrans muitos veículos podem ter sido vendidos sem o devido emplacamento, até porque a Deliberação 185 do Contran desobrigou o proprietário a emplacar seu carro novo no prazo máximo de 30 dias, como ocorria antes. Ainda assim, ele avalia que a paralisação influencia negativamente nos negócios. “Sem documentação fica complicado fechar financiamento ou fazer seguro. Se vamos viver um novo normal com essa crise, os Detrans também precisam se reinventar. Poderia ser feito um emplacamento digital e depois a placa física poderia ser enviada pelo correio”, sugere.

SEM PREVISÕES



A Anfavea segue sem fazer previsões sobre os volumes de produção e vendas esperados para este ano. Para Moraes, o cenário segue muito nebuloso para fazer qualquer projeção. “Os modelos econométricos levando em consideração o comportamento do mercado no passado não adiantam mais. Tudo mudou depois de março. Ainda é cedo para dizer como vai ficar”, justifica.

Contudo, ele avalia que em um primeiro momento o mercado brasileiro deverá registrar quedas parecidas com as ocorridas em outros países no auge da pandemia. Na China, por exemplo, as vendas de fevereiro (pior momento para o país) retrocederam 80% na comparação com o mesmo mês de 2019, enquanto na Itália (mercado duramente afetado pela Covid-19) o tombo em março foi de 85% e em abril chegou a 98%. “O impacto é muito grande e deveremos ver comportamento similar aqui. Mas com certeza teremos um mercado completamente diferente nos próximos 10 meses”, prevê.

O segmento de vendas diretas também não está ajudando. “As locadoras compraram até março e depois pararam. Não existe no horizonte nenhuma grande compra prevista. Pelo contrário, soubemos que cerca de 160 mil carros que eram usados em frotas de empresas e por motoristas de aplicativos foram devolvidos às locadoras. O impacto é muito forte em todo o mercado”, conta Moraes.

Com a forte retração das vendas, os estoques em abril somavam 237,3 mil veículos parados nos pátios das fábricas e concessionárias à espera de compradores. O volume, embora seja pouco menor do que as 266,6 mil unidades estocadas em março, é suficiente para abastecer o mercado por quatro meses se for mantido o ritmo atual dos negócios.



- Faça aqui o download dos dados divulgados pela Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Anfavea, mercado, veículos novos e usados, emplacamento, transferências, licenciamentos, indústria automotiva, montadoras, fabricantes de veículos, crise, coronavírus, Covid-19, pandemia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência