Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Pandemia derruba vendas e lucros do Grupo Volkswagen

Balanço | 30/04/2020 | 18h41

Pandemia derruba vendas e lucros do Grupo Volkswagen

Lucro líquido cai 83% no primeiro trimestre e empresa revisa para baixo projeções para 2020

REDAÇÃO AB



A pandemia de coronavírus já afetou significativamente os resultados no Grupo Volkswagen no primeiro trimestre, fazendo a companhia revisar para baixo suas projeções para 2020. O balanço trimestral divulgado na quarta-feira, 29, mostra que as entregas de veículos aos clientes das 10 marcas do grupo caíram 23% na comparação com o período janeiro-março de 2019, somando 2 milhões de unidades vendidas, o que resultou em faturamento global de € 55,1 bilhões, em queda de 8,3%. O lucro operacional declinou 81,4%, para € 900 milhões, equivalendo a retorno operacional de apenas 1,6% da receita líquida, contra 8,1% um ano antes. O lucro líquido apurado foi de € 517 milhões, 83,1% abaixo do apurado nos três primeiros meses do ano passado.



“A pandemia de Covid-19 afetou severamente nossos negócios globalmente no primeiro trimestre. Tomamos diversas contramedidas para cortar custos e assegurar liquidez, assim continuamos robustamente posicionados financeiramente. Mas nós já damos os primeiros passos para retomar os negócios novamente. O Grupo Volkswagen está manobrando através dessa crise sem precedentes com foco e determinação”, disse Frank Witter, membro do conselho responsável por finanças e TI.



O certo é que a pandemia já afetou os negócios do ano inteiro. No relatório de resultados, o grupo reconhece que as vendas em 2020 serão “significativamente mais baixas do que no ano anterior devido ao impacto da Covid-19”, o que puxará para baixo faturamento e resultados financeiros. A empresa também destaca que outros fatores prejudicam o desempenho, como a intensificação da concorrência, volatilidade cambial e dos preços das commodities, além de legislações de emissões mais restritas a cumprir.

Apesar de esperar por lucro “severamente abaixo” do apurado em 2019, a companhia projeta que o balanço anual deverá fechar com um número positivo. Mas a companhia adianta que o retorno sobre investimento projetado em 9% este ano “não será atingido”.

BRASIL AINDA MANTEVE CRESCIMENTO



Com a chegada da pandemia já no fim do primeiro trimestre, a região da América do Sul foi menos impactada pela crise no período inicial do ano – o impacto maior deve ocorrer no segundo trimestre. Entre os maiores mercados globais do Grupo VW, o Brasil foi um dos quatro que apresentou crescimento na vendas, de 4,4%, com 87,7 mil veículos vendidos. Contudo, os próximos meses deverão reverter o resultado para o campo negativo.

“Entre janeiro e março o crescimento econômico no Brasil manteve o mesmo ritmo gradual visto em trimestres anteriores, apesar da situação continuar tensa na maior economia da América do Sul”, diz o relatório, destacando ainda que na região a situação de deterioração macroeconômica da Argentina, que vinha sendo observada desde meados de 2018, agora apresenta sintomas ainda piores com a chegada da pandemia de Covid-19, com continuada alta da inflação, forte desvalorização cambial e queda profunda de vendas.

PRINCIPAIS MARCAS



Entre as principais marcas do grupo, a Volkswagen, a que mais vende, somou vendas globais de 765 mil veículos no primeiro trimestre, em queda de 16% sobre o mesmo período de 2019. O faturamento da divisão nos três meses atingiu € 19 bilhões, 12% menor, e o lucro operacional de € 481 milhões ficou 48% abaixo do apurado um ano antes.

A Audi vendeu 268 mil veículos em todo o mundo nos primeiros três meses de 2020, em baixa de 12% sobre 2019. O faturamento caiu 9,4%, para € 12,5 bilhões e o lucro operacional de apenas € 15 milhões foi apenas uma fração dos € 1,1 bilhão de um ano atrás. A divisão de luxo do Grupo VW atribui o mau resultado a efeitos cambiais negativos, queda de volumes e variações desfavoráveis nas cotações de commodities.

Os melhores resultados do grupo vieram de suas marcas de baixo volume e alta sofisticação de prestígio, Porsche e Bentley. A marca alemã de carros esportivos vendeu 56 mil unidades no primeiro trimestre, em leve declínio de 1,3%, mas o faturamento cresceu quase 4%, para € 5,4 bilhões, o que foi insuficiente para impedir a queda de 36% no resultado operacional, que ainda assim se manteve em alto nível porcentual sobre as vendas, somando € 529 milhões em três meses.

Já a inglesa Bentley obteve recorde de vendas de seus carros de alto luxo, com 3,3 mil unidades comercializadas globalmente no trimestre, em expressiva alta de 28% ante os mesmos meses de 2019. O faturamento da divisão cresceu 36%, para € 620 milhões, fazendo o lucro operacional aumentar 14%, para € 56 milhões.

A divisão de caminhões englobada pelo Grupo Traton continua a reproduzir seus resultados no balanço do Grupo VW. A Scania informou vendas globais de 19 mil veículos no primeiro trimestre, em queda de 21% sobre o mesmo período do ano passado. A receita somou € 3 bilhões, em retração de 12%, e o lucro operacional de € 256 milhões ficou 31% abaixo do apurado um ano atrás.

A MAN, que no balanço formal do grupo ainda integra a Volkswagen Caminhões e Ônibus com sede no Brasil, informou vendas globais de 28 mil veículos de janeiro a março, número 17,2% menor do que o registrado no primeiro trimestre de 2019. O faturamento declinou 13%, para € 2,6 bilhões e o resultado operacional foi negativo, com prejuízo trimestral de € 83 milhões, ante lucro de € 115 milhões no mesmo intervalo do ano passado.



Tags: Grupo VW Volkswagen, balanço primeiro trimestre 2020, resultado, lucro, prejuízo, faturamento, vendas, projeção, indústria, Covid-19, pandemia, coronavírus.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência