Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Christopher Podgorski: “Como líder, o que mais gosto é de trabalhar através das pessoas”

Carreira | 22/04/2020 | 20h23

Christopher Podgorski: “Como líder, o que mais gosto é de trabalhar através das pessoas”

Presidente e CEO da Scania Latin America comenta resultados do estudo Liderança do Setor Automotivo e fala dos desafios da posição

GIOVANNA RIATO, AB

Christopher Podgorski, presidente e CEO da Scania Latin America, resume o papel da liderança de uma empresa na difícil arte de definir prioridades e ser capaz de tomar decisões muitas vezes duras. “Exige sensibilidade, visão futura e a capacidade de acompanhar os movimentos da sociedade”, diz.



Esta entrevista é parte do especial Liderança do Setor Automotivo, que traz as principais conclusões da pesquisa e os comentários de grandes profissionais do segmento.
- Clique aqui para baixar o relatório completo do estudo e acompanhar todos os conteúdos sobre o tema.
- Leia também:
Ana Theresa Borsari: “O trabalho precisa ser espaço para que as pessoas realizem seu propósito”
Filosa: “O setor tem obrigação de mudar. Empresas precisam espelhar a sociedade"
Pablo Di Si: “Autenticidade é a principal qualidade de uma liderança”
Philipp Schiemer: “A função de uma empresa não é só maximizar lucros”
Roberto Cortes: “Trabalho para mostrar lá fora o valor dos profissionais brasileiros”




Apesar do desafio da tomada de decisões desafiadoras ser extremamente atual no contexto de pandemia de coronavírus, Podgorski concedeu a entrevista a seguir ainda no fim de 2019, quando foi um dos convidados a comentar resultados da segunda edição da pesquisa Liderança do Setor Automotivo, estudo inédito feito por Automotive Business em parceria com a Mandalah e com a MHD Consultoria.

Na conversa a seguir ele avalia, com exclusividade, o impacto da falta de diversidade das posições de comando da indústria automotiva, fala da importância de dar voz e oportunidade a todos nos processos de tomada de decisão e trata dos aspectos que considera importantes a uma boa liderança.

O que você entende como essencial na sua trajetória como líder?


Tenho o privilégio de ser líder dentro de uma companhia que está alinhada com os meus valores e princípios. Sempre tive foco no cliente, me esmerei na busca por qualidade e, sobretudo, mantive o respeito aos indivíduos. Estes são valores importantes da Scania. Sou de origem europeia, com pai polonês e mãe inglesa. Fui criado de um jeito meio espartano, com muito foco em responsabilidade e trabalho. Tive também a oportunidade de morar em outros países e isso me permitiu fazer um caldeirão de ideias, de propostas, de princípios e de valores que me ajudam muito a liderar.

De alguns anos para cá, a Scania rasgou o manual corporativo de visão e missão e resolveu se engajar firmemente no propósito de sustentabilidade, algo que acredito muito e que é bastante pioneiro para uma empresa que oferece soluções de transporte pesado de cargas.

Na minha visão, soluções sustentáveis precisam ticar quatro caixinhas: sustentabilidade econômica e financeira, ambiental e também social.

Por este ponto de vista posso dizer que é fácil liderar uma companhia em que todo mundo tem um norte bem definido.

O perfil mais presente na liderança da indústria automotiva é o do homem branco de meia-idade. Só 7% da alta gestão das empresas são mulheres e apenas 1% são profissionais negros. Além disso, metade é formada em engenharia. O que você acha desta homogeneidade? Na sua percepção há necessidade de mudança?


Não só percebo, como atuamos fortemente nisso aqui na Scania muito como herança de dois executivos: o CEO anterior da companhia, Martin Lundstedt e o atual, o Henrik Henriksson. Há algum tempo, quando temos vaga para uma posição para a liderança, é mandatório dentro da empresa ter uma mulher entre os candidatos finais. Este olhar para a liderança permeia também todos os outros da organização pensando em estratégia e em mudança de comportamento.

Também temos outras iniciativas em diversidade e inclusão e não fazemos isso apenas porque é politicamente correto. Olhamos para o que está acontecendo no mundo, as novas tecnologias e movimentos. Se contratarmos só homens brancos não vamos ter o pacote de competências dentro da companhia que nos permita fazer a transição para o momento de mais disrupção tecnológica. Estamos em um momento de muita mudança, algo que desafia as lideranças, incluindo esta que vos fala.

Vocês medem a diversidade na organização?


Olhando os números, a pesquisa que vocês fizeram fala em 7% de liderança feminina na indústria automotiva. Nós temos 11% e, na média liderança, chegamos a 21%. Isso é um pequeno exemplo que a gente já está em uma jornada para mudar este cenário. É algo que não acontece rápido, mas também não tem volta.

Sendo bem pragmático, diversidade é uma questão de sobrevivência. Não é porque é correto e se alinha com a cultura da companhia, é porque nós precisamos ter dentro da organização as competências que vão permitir que a gente faça a jornada futura.

Na pesquisa, perguntamos às lideranças quais palavras definem o momento atual e “transformação” foi uma das que mais apareceram. Você concorda? Como se sente neste momento?


Pra mim é fácil responder porque esse é o nosso propósito. Queremos liderar a transformação do sistema de transporte e logística para soluções sustentáveis. E não somos arrogantes neste ponto: entendemos que não vamos realizar este processo sozinhos. Esta transformação demanda a inclusão e a cooperação de muitos players. Ninguém vai conseguir desenvolver o pacote de solução completo. Se você tiver diversidade interna você vai conseguir muita coisa, mas vai precisar também de parcerias, de cooperações e coalizões que serão fundamentadas em confiança.

Estou super otimista. Não tenho dúvidas sobre o caminho que seguimos. Estamos atentos e seguindo por direções que, na nossa visão, nos levarão para a solução futura: o sistema de transporte descarbornizado, sem combustível fóssil.

A pesquisa indicou que o equilíbrio entre entregar o curto prazo sem perder de vista a construção de respostas de longo prazo é um desafio para a maior parte da liderança. Como você encara essa busca no seu dia a dia?


Se a gente ficar olhando só para hoje, vamos morrer amanhã. O que a Scania sempre fez é assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento das soluções futuras. Naturalmente tem momentos em que você tem de ajustar o nível de ambição porque não dá para abraçar o mundo e criar solução para tudo.

O papel da liderança é priorizar e tomar, muitas vezes, decisões duras. É uma arte, com sensibilidade, visão futura e a capacidade de acompanhar os movimentos da sociedade.

Qual é o aspecto que mais te agrada da posição de liderança?


O que eu mais gosto de fazer é trabalhar através das pessoas, permitir que todos tenham voz ativa e oportunidade de se expressar porque isso faz com que a sua decisão final seja muito mais embasada. Quando você atua dessa forma, torna as coisas muito mais perenes. Você sai da empresa e as coisas continuam lá.



Tags: Scania, Christopher Podgorski, liderança, Liderança do Setor Automotivo, negócios, estratégia.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência