Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
IHS Markit prevê queda de 30% nas vendas de veículos no Brasil

Consultoria | 17/04/2020 | 17h35

IHS Markit prevê queda de 30% nas vendas de veículos no Brasil

Mercado e produção ficarão abaixo de 2 milhões em 2020, segundo projeções da consultoria apresentadas em Live #ABX20

PEDRO KUTNEY, AB

As projeções estão sendo revistas a cada 15 dias devido à instabilidade do cenário trazida pela pandemia de coronavírus, mas o que se vê no horizonte são sinais bastante negativos, que apontam até agora para queda na casa dos 30% nos volumes da indústria fabricante de veículos leves no Brasil este ano, em comparação com 2019. Ou seja, a crise fará mercado e produção descerem para níveis abaixo de 2 milhões de unidades pela primeira vez nesta década. É o que indicam as mais recentes previsões da IHS Markit, apresentadas pelo consultor Fernando Trujillo em mais uma Live #ABX20 na sexta-feira, 17.



Durante a transmissão(assista aqui esta e outras Lives #ABX20 já gravadas e veja o calendário das próximas), Trujillo mostrou que a projeção atual da IHS Markit aponta que as vendas de veículos leves no País este ano deverão totalizar 1,86 milhão de unidades, em queda de 30 sobre 2019, ou quase 1 milhão a menos em relação ao ano passado.

Desamparada pelas exportações também em forte retração por causa de situação ainda pior na Argentina, o maior comprador externo de carros brasileiros, a produção de veículos leves no Brasil deve recuar 31% em 2020, prevê a IHS Markit, para 1,84 milhão, ou 1,1 milhão a menos do registrado em 2019.

A queda de mercado e produção abaixo de 2 milhões de unidades deixará graves consequências para a indústria automotiva no Brasil. Trujillo destaca que, embora não exista nada confirmado, é possível que alguns fabricantes com volumes menores possam decidir fechar a operação no País ou reduzir muito o tamanho, pois neste momento não poderão mais contar com a ajuda das matrizes. Ainda assim, não há notícia de cancelamentos de nenhum investimento ou lançamento de produtos, apenas adiamentos, por enquanto.

No caso das empresas de autopeças, o resultado da crise pode ser ainda pior, mas aqueles que conseguirem sobreviver, provavelmente, poderão aumentar suas vendas com o movimento de nacionalização de componentes que as montadoras deverão estimular, em decorrência da falta de peças importadas causada pela pandemia que paralisou muitas fábricas no exterior. Nesse sentido, a IHS Markit trabalha com a hipótese de um novo movimento de consolidação de fornecedores.

“Vemos número expressivo de demissões na indústria, as montadoras estão postergando a retomada da produção para maio e junho, mesmo assim em ritmo lento. Estamos vivendo um período crítico”, avalia Fernando Trujillo.



O consultor aponta que a média de vendas em abril é de apenas 1,8 mil por dia útil, com dias de apenas 700 emplacamentos e picos de 2,5 mil. “Isso porque tivemos uma venda direta da Hyundai de 3,7 mil veículos para uma locadora, por isso o resultado do mês deve ficar em torno de 34 mil, o que é até um pouco mais alto do que os 26 mil que prevíamos. Ainda assim é um volume muito baixo e em maio o cenário tende a piorar com a extensão das medidas de isolamento social (para conter a curva de contágio da Covid-19), prevemos cerca de 20 mil (emplacamentos) apenas”, projeta Trujillo.

RECUPERAÇÃO LENTA NO BRASIL, COM VOLTA DO CRESCIMENTO EM 2021



No cenário traçado pela IHS, a recuperação das vendas no mercado brasileiro será gradual e só começa depois que as fábricas voltarem a operar de forma regular, no segundo semestre. “Nossa expectativa é que o as vendas só sejam regularizadas em 200 mil unidades por mês a partir de setembro”, diz.

Com queda no PIB estimada pela IHS Markit em 4,5% em 2020 e taxa de desemprego que deve subir dos atuais 12% a 16%, o Brasil deve demorar mais para se recuperar da crise, mas a consultoria prevê que as vendas de veículos voltem a subir de forma expressiva em 2021, quando estima que os emplacamentos vão crescer 23% e chegar a 2,3 milhões de unidades, e a produção avança para quase 2,5 milhões de veículos leves, em expansão de 28% sobre 2020.

Contudo, ainda vai demorar muito para o País voltar a ter mercado próximo de 4 milhões de veículos por ano, como aconteceu em 2012. “A volta do crescimento do PIB em torno de 3,5%, juros (Selic) abaixo de 3,5% ao ano e medidas de estímulo ao crédito, com o pacote de liquidez de R$ 1,2 trilhão do Banco Central, devem estimular as vendas, mas só enxergamos mercado de 4 milhões para depois de 2032, isso se nada acontecer. Vemos que as vendas só devem chegar a 3 milhões em 2024, antes prevíamos esse volume para 2022, quer dizer que perdemos dois anos [de evolução] com esta crise”, avalia Trujillo.

ARGENTINA EM SITUAÇÃO PIOR



Se a situação é difícil no Brasil, no vizinho e principal parceiro comercial no setor automotivo o cenário é muito pior. A Argentina já enfrentava profunda crise econômica antes da pandemia e agora deverá adicionar a isso contração de 6% do PIB em 2020, colecionando quedas severas de vendas em cima das outras retrações acentuadas dos últimos dois anos.

A projeção da IHS Markit é que o mercado argentino de veículos leves sofra uma nova e importante retração de 41% este ano, com apenas 260 mil unidades comercializadas. Com a parada do mercado brasileiro, principal comprador de carros argentinos, a produção cai ainda mais, 19%, para total de 265 mil carros fabricados em 2020. “É muito pouco para um mercado que já comprou 860 mil veículos há pouco tempo”, lembra Trujillo.

A retomada na Argentina também deve começar em 2021, com alta de 15% nas vendas de automóveis e utilitários leves (300 mil unidades no total) e produção um pouco melhor, de 371 mil veículos, em crescimento de 40%, graças à retomada do mercado brasileiro. “Mesmo assim, os volumes seguem muito baixos”, destaca o consultor da IHS Markit.

Na conversa com Automotive Business, Trujillo também falou da tendência de crescimento do segmento de SUVs, provável aumento médio de preços dos carros em torno de 5% este ano (pressionado pela alta do dólar acima de R$ 5), além de projeções da IHS Markit para os mercados mais importantes. Assista à Live #ABX completa abaixo:





Tags: Live #ABX20, IHS Markit, consultoria, Fernando Trujillo, vendas, mercado, produção, projeções, previsões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência