Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
No Dia da Mulher, que presente o setor automotivo pode oferecer?

Carreira | 06/03/2020 | 19h49

No Dia da Mulher, que presente o setor automotivo pode oferecer?

Em pesquisa, 63,6% das respondentes dizem já ter sentido a carreira ser prejudicada em empresas do segmento apenas por causa do gênero

GIOVANNA RIATO, AB

Com a proximidade do Dia Internacional da Mulher, o setor automotivo tem nas mãos um desafio muito maior do que o de entregar mimos às suas funcionárias: oferecer equidade de oportunidades e um ambiente justo para que estas profissionais desenvolvam suas carreiras. O nível de satisfação tem grande potencial para melhorar.



Em pesquisa com leitoras feita entre 3 e 6 de março, Automotive Business constatou que 63,6% das respondentes já se sentiram prejudicadas em sua vida profissional no setor automotivo por causa dos preconceitos e vieses inconscientes presentes nas organizações e lideranças.

Não é para menos: apesar do público feminino ser o principal responsável pela decisão de compra de carros, esta indústria ainda é um terreno pouco desbravado pelas mulheres. Entre fornecedores e fabricantes veículos, apenas 19,7% da força de trabalho é feminina. Na alta liderança das organizações, este porcentual encolhe para tímidos 6% de participação das mulheres.

Os dados são do estudo Diversidade no Setor Automotivo, realizado por Automotive Business e MHD Consultoria em 2019 a partir de entrevistas com 89 companhias do segmento.

O QUE PENSAM AS GRANDES LIDERANÇAS DO SETOR AUTOMOTIVO?


Diante de um cenário tão adverso, a única opção para as empresas do segmento é assumir a responsabilidade pelo problema e se empenhar para tornar seus ambientes mais acolhedores às mulheres e à diversidade. Esta é a recomendação dada por Antonio Filosa, presidente da FCA América Latina, durante entrevista para o especial Liderança do Setor Automotivo, que vai ao ar nos próximos dias em Automotive Business

“Precisamos espelhar a sociedade que queremos servir. É uma responsabilidade ética, mas também uma questão de mercado: se mais de 50% dos consumidores são mulheres e pessoas negras, porque não temos esta representação nas lideranças das empresas? É obrigação do setor mudar”, defende.

Para o executivo, o pensamento precisa ser pragmático: se a indústria tem um desafio quando se trata de equidade, ela precisa também assumir a responsabilidade por construir a solução. Quem tem um olhar parecido é Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul:

“Temos um problema na indústria automotiva quando se trata de diversidade. Isto não acontece porque as pessoas são contra a mulher, o negro ou o homossexual. O que falta são as políticas para incluir estas pessoas, para entregar o que estes grupos precisam no trabalho, as coisas que permitem que todos se sintam à vontade em estar na empresa”, resume.


COMO TORNAR AS EMPRESAS MAIS FAVORÁVEIS AO DESENVOLVIMENTO FEMININO?


Se lideranças estão engajadas, o caminho é adotar ações afirmativas e políticas capazes de tornar as empresas mais convidativas para o desenvolvimento de carreiras femininas e, assim, capazes de reter estes talentos. Automotive Business perguntou justamente isso às suas leitoras: quais mudanças elas fariam para garantir equidade de oportunidades aos diferentes gêneros no setor automotivo.

A seguir, conheça as principais respostas. Com a palavra, as mulheres:

- Incluir a busca por equidade na agenda estratégica da organização
- Definição de metas de presença feminina para todos os níveis hierárquicos
- Treinamento e capacitação da liderança para entender e abordar as questões relacionadas à diversidade e participação feminina
- Estabelecimento de uma política clara e igualitária de salários e reconhecimentos
- Criação de programas de mentoria para mulheres pela liderança da organização
- Avaliar as entregas sempre por resultados, nunca por gênero
- Obrigatoriedade de participação feminina na liderança
- Investimento em formação e treinamento de talentos femininos
- Investimento em informação e transformação cultural
- Definição de políticas rigorosas contra assédio moral e sexual
- Seleção às cegas, sem que o recrutador saiba o gênero de quem se candidata à vaga
- Ampliação da licença parental para os homens, evitando preconceitos na contratação e fomentando a divisão equilibrada do trabalho doméstico
- Flexibilização da jornada e possibilidade de home office para mulheres e homens
- Formação de comitês para a discussão e implementação de ações afirmativas
- Ter ao menos uma mulher na lista final de candidatas para todas as vagas na empresa
- Trabalhar a marca empregadora para atrair mais mulheres como candidatas

Para mais informações sobre como implementar políticas afirmativas, baixe a cartilha Boas Práticas em Diversidade no Setor Automotivo, uma realização da Rede AB Diversidade com o apoio da ONU Mulheres.



Tags: Dia da Mulher, mulheres, diversidade, setor automotivo, carreira, talento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência