Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 14/02/2020 | 20h06

Renault tem primeiro prejuízo em 10 anos

Em 2019, as perdas somaram € 141 milhões; faturamento teve queda de 3,3% no período

REDAÇÃO AB

Pela primeira vez em 10 anos, o Grupo Renault registrou um prejuízo anual: em 2019, a companhia anotou perdas de € 141 milhões contra lucro de € 3,3 bi em 2018. A companhia apurou queda de 3,3% no faturamento de 2019, ao registrar € 55,5 bilhões, valor que espera repetir em 2020, conforme relatório de seu balanço financeiro divulgado na sexta-feira, 14.




Em seu relatório, o grupo destaca que as menores vendas globais e a menor contribuição das empresas associadas levaram à queda do faturamento, além das perdas cambiais, principalmente por causa do peso argentino e libra turca. Com isso, o faturamento da divisão automotiva recuou 4,2% em 2019, para pouco mais de € 42 bilhões, excluindo a russa Avtovaz.

No ano passado, as vendas de veículos em todo o mundo pela companhia fecharam em 3,8 milhões de unidades, uma queda de 3,4% sobre 2018. Esta retração do volume se explica pelo efeito negativo nos mercados da Argentina, Turquia e Argélia.

Também se explica pelas vendas menores para os parceiros em 3,4%, como a Nissan e a Daimler, além da desaceleração da demanda por motores a diesel na Europa, pela forte queda de CKD na China e pelo encerramento das atividades no Irã.

Em nota, a empresa reforça que parte dos resultados era esperada desde outubro, quando revisou suas previsões para o ano.

"Apesar de um ano conturbado, o Grupo Renault conseguiu obter resultados de acordo com sua orientação revisada. A visibilidade para 2020 se mantém limitada pela volatilidade dos mercados, principalmente na Europa, devido à regulamentação CAFE e os possíveis impactos do coronavírus. Entretanto, o fortalecimento da equipe de direção, a renovação da aliança e o sucesso dos novos modelos fazem com que eu tenha total confiança na capacidade do grupo de ser bem-sucedido em sua recuperação”, declarou em nota Clotilde Delbos, CEO adjunta da Renault.

Por outro lado, o grupo registrou alguns efeitos positivos, como a política de elevação de preços feita para compensar as desvalorizações já citadas e a alta dos custos na Europa.

Em 2020, a companhia diz esperar por uma queda no mercado automotivo mundial, com retração de pelo menos 3% na Europa, mesma proporção de queda esperada para a Rússia. O Grupo Renault acrescenta que espera uma alta de 5% no mercado brasileiro.



Tags: Grupo Renault, balanço, prejuízo, lucro, faturamento, vendas globais.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência