Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Exportações de veículos terão novo tombo

Indústria | 07/01/2020 | 18h42

Exportações de veículos terão novo tombo

Puxadas pela Argentina, vendas externas tendem a diminuir 11% este ano

GIOVANNA RIATO, AB

As exportações de veículos seguirão em baixa em 2020. A Anfavea, associação que representa os fabricantes do setor instalados no Brasil, projeta que os volumes encolham 11%. Com isso, apenas 381 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus brasileiros devem chegar a outros mercados este ano.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Faça aqui o download das projeções da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



A contração acontecerá depois de um ano de baixa intensa. Em 2019 o número de veículos brasileiros vendidos internacionalmente encolheu 31,9% para 428,1 mil unidades. Em valor a queda foi ainda mais expressiva: o faturamento das montadoras com exportações caiu 32,6% para US$ 9,77 bilhões.

A entidade estima que, em 2020, a maior retração virá das vendas internacionais de veículos pesados, estimadas em 16 mil unidades – volume 22,7% inferior ao registrado em 2019. As entregas de modelos leves a outros mercados terá redução menor, de 10,4%, para 36,5 mil veículos, aponta a Anfavea. Luiz Carlos Moraes, presidente da associação, diz que as consequências da redução podem ser severas:

“Precisamos melhorar a nossa capacidade de competir e exportar para novos mercados. Os volumes estão tão baixos que algumas empresas correm o risco de deixar de produzir localmente alguns produtos”, diz Moraes.

EXPORTAÇÕES CONCENTRADAS NA ARGENTINA


O maior motivo para uma nova redução nas vendas internacionais de veículos brasileiros é a contração do mercado argentino, principal destino das exportações brasileiras. Até novembro de 2019, o país recebeu 49% das entregas brasileiras feitas a outros países no ano passado, absorvendo 196,5 mil unidades.

Em seguida está o México com 16% de participação, Colômbia (12%), Chile (8%), Uruguai (5%) e Peru (4%). Moraes lembra que, além da Argentina, há outros países que tendem a sofrer abalos em seus mercados interno em 2020, como Chile e Colômbia, que enfrentam crises políticas severas.

Para o executivo, a única forma da indústria brasileira se blindar das oscilações da América Latina é ampliar suas exportações para além do continente. A questão é que, para fazer isso, ele diz que é essencial equalizar a falta de competitividade do Brasil, resultado de aspectos como a complexidade tributária e a falta de infraestrutura.



Tags: exportação, veículos, Anfavea, indústria automotiva.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência