Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Com alta discreta, fábricas de veículos alcançam melhor ritmo desde 2014

Indústria | 07/01/2020 | 18h09

Com alta discreta, fábricas de veículos alcançam melhor ritmo desde 2014

Produção encerra 2019 com pequeno crescimento de 2,3% e 2,94 milhões

GIOVANNA RIATO, AB

As fábricas brasileiras de veículos encerraram 2019 com 2,94 milhões de unidades produzidas. A alta sobre o ano anterior é modesta, de 2,5%, mas ainda assim este é o melhor patamar desde 2014, segundo a Anfavea, entidade que representa as montadoras instaladas no Brasil. “O resultado ficou dentro das nossas projeções e foi alcançado mesmo com a redução das exportações”, conta Luiz Carlos Moraes, presidente da associação.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Faça aqui o download das projeções da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



No ano, a produção de leves teve aceleração mais tímida, de 2,1% para 2,8 milhões de unidades. Quando se trata de caminhões, houve alta de 7,5% para 114,4 mil veículos. Já o segmento de ônibus encerrou o ano com redução de 3%, somando 27,6 mil chassis. Em dezembro as fábricas reduziram o ritmo e montaram 170,5 mil unidades, com baixa de 25% sobre novembro e de 3,9% na comparação com o mesmo mês de 2018.

“A redução é completamente normal para o período, em que as empresas reduzem o ritmo das fábricas para fazer ajustes e conceder férias coletivas”, pondera o executivo.

Com a diminuição do ritmo das fábricas e o mercado aquecido, em dezembro houve também queda nos estoques de 33 para 38 dias, para 287,6 mil unidades armazenadas entre o pátio das fábricas e a rede de concessionárias.

Com isso, ainda que os produtores de veículos tenham terminado 2019 em ritmo mais lento, a expectativa para 2020 é positiva. A Anfavea projeta aumento de 7,3% em relação a este ano, para 3,16 milhões de unidades produzidas. A perspectiva se baseia na retomada gradual do nível de emprego, na melhora da economia brasileira, da confiança e do ambiente de negócios em geral, esclarece Moraes.

EMPREGO DIMINUI – E NÃO DEVE VOLTAR TÃO CEDO


Apesar de apontar o aumento no nível de emprego no Brasil como fator essencial para a retomada da indústria automotiva, a Anfavea contabiliza que 2019 foi negativo para as fabricantes do setor neste aspecto: o número de trabalhadores das montadoras encolheu 3,7% na comparação com o ano anterior, para 125,5 mil pessoas.

Moraes aponta que o corte de quase 5 mil vagas aconteceu por causa do fechamento da operação da Ford em São Bernardo do Campo. Ele lembra que o volume de contratações tende a aumentar nos próximos anos, conforme a indústria automotiva chega mais perto de seu patamar recorde registrado em 2013, quando foram fabricados 3,71 milhões de veículos no País.

O executivo admite, no entanto, que a automatização das fábricas e o ganho de eficiência nos processos tende a diminuir a demanda por trabalhadores. Então as contratações vão crescer, mas não devem se equiparar ao do ano recorde para a indústria, quando mais de 156 mil pessoas geravam a própria renda ao trabalhar diretamente com a fabricação de veículos.



Tags: produção, veículos, fábrica, Anfavea.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência