Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Internacional | 17/09/2019 | 20h07

Trabalhadores da GM mantêm greve geral nos EUA

Montadora e sindicato local não chegam a acordo; 48 mil metalúrgicos estão parados há dois dias

REDAÇÃO AB

Cerca de 48 mil trabalhadores da GM mantiveram os braços cruzados na terça-feira, 17, segundo dia de greve geral nos Estados Unidos e que foi convocada no domingo pelo United Auto Workes (UAW), sindicato da categoria. Esta é a primeira paralisação nacional dos metalúrgicos da General Motors no país em 12 anos, desde que a empresa entrou em recuperação judicial após uma profunda crise financeira.

Na segunda-feira, representantes do sindicato e da empresa negociaram, mas não chegaram a um acordo. Segundo informações do site Automotive News, a reunião durou 11 horas e após uma pausa, o vice-presidente do UAW, Terry Dittes, teria dito à agência de notícias Bloomberg que os lados permaneceram distantes em várias questões.

O UAW tem confrontado a GM para impedir o fechamento de fábricas de veículos em Ohio e Michigan e defende maiores salários aos metalúrgicos argumentando que a empresa acumula anos de lucro recorde na América do Norte. Por sua vez, a GM diz que o fechamento das fábricas é necessário e que os salários e benefícios aos trabalhadores da UAW são caros se comparados com fábricas não sindicalizadas no sul do país.

Os trabalhadores também querem que a GM e as outras montadoras compensem as concessões que o sindicato concordou durante a crise financeira para ajudar a mantê-las. “Eles não abordaram todas as concessões que tivemos que fazer nos últimos anos, as coisas que desistimos para que a empresa se tornasse lucrativa novamente”, disse um dos metalúrgicos em entrevista ao Automotive News.

Em comunicado a montadora disse que sua oferta aos trabalhadores incluía mais de US$ 7 bilhões em investimentos, 5.400 empregos, a maioria novos, aumentos de salário, benefícios melhores e ratificação de bônus contratual de US$ 8 mil. “Negociamos de boa fé e com senso de urgência”, afirmou a montadora em nota.

A greve será uma prova de fogo tanto para o UAW quanto para a GM e sua presidente-executiva Mary Barra em um momento em que a indústria de veículos dos EUA está enfrentando desaceleração de vendas e aumento de custos com o desenvolvimento de veículos elétricos. Atualmente, a GM tem 12 fábricas para a montagem de veículos, outras 12 de motores e transmissões e uma série de outras instalações como estamparia espalhadas por todo o país norte-americano.

Analistas ouvidos pelo site Automotive News dizem que uma greve de curto prazo não é um risco de crédito, mas uma paralisação longa pode resultar em erosão da liquidez. Um deles afirmou que se a greve chegar a 10 dias, a economia do sudeste do Michigan entrará em recessão.

"Já conhecemos fornecedores contratados que são afetados, de forma anedótica. Lugares que dependem da economia da GM já existe um efeito. Se [a greve] chegar ao fim da semana, começaremos a ver avisos adicionais nos principais fornecedores, e é aí que as coisas ficam ruins”, disse à Automotive News Patrick Anderson, CEO do Anderson Economic Group em East Lansing, Michigan.



Tags: GM, General Motors, greve, Estados Unidos, EUA, UAW, sindicato.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência