Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Brasil e Argentina adiam para 2029 livre comércio de veículos e peças
O ministro da Economia, Paulo Guedes, e Dante Sica, ministro da Produção e Trabalho da Argentina: renovação antecipada do acordo automotivo entre os maiores sócios do Mercosul

Indústria | 06/09/2019 | 19h36

Brasil e Argentina adiam para 2029 livre comércio de veículos e peças

Países fecharam novo acordo automotivo; valor de exportações isento de tarifas subirá gradualmente a partir de 2020

PEDRO KUTNEY, AB

Brasil e Argentina concluíram na sexta-feira, 6, as negociações de um novo acordo em que foi adiado para 2029 o livre comércio de veículos e autopeças entre os dois países. Atualmente as trocas comerciais do setor automotivo dos dois principais sócios do Mercosul são regidas pelo sistema “flex”: cada país pode exportar ao outro sem cobrança de tarifas aduaneiras até US$ 1,50 para cada US$ 1,00 que importar. Esta limitação foi ajustada pela última vez em 2016 e vigora até junho de 2020. Depois disso estava prevista a abertura total dos mercados, mas com a nova negociação o flex foi estendido e subirá gradualmente até 2028.

O acordo foi concluído na tarde da sexta-feira, no Rio de Janeiro, pelo ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, e o ministro da Produção e Trabalho da Argentina, Dante Sica. Ficou estabelecido que o valor em dólares de exportação isento de tarifas subirá de 1,5 para 1,8 vez o valor das importações a partir de julho de 2020, depois irá aumentando gradualmente, para 1,9 em julho de 2023, sobe para 2,0 em julho de 2025, vai a 2,5 em julho de 2027, atingindo 3,0 em julho de 2028. A partir do meio de 2029 está previsto o livre comércio de veículos e autopeças sem condicionantes.

A regra atual tem beneficiado mais o Brasil, que tem exportado à Argentina mais do que vem importando de lá. Mesmo assim, o mercado brasileiro segue sendo o principal destino de carros e utilitários produzidos em fábricas argentinas, com 65,7% das exportações do país entre janeiro e agosto deste ano. Na mão contrária, a participação da Argentina nas exportações brasileiras foi reduzida de históricos 75% para perto de 55% este ano, por causa da crise econômica no vizinho que vem se aprofundando desde o ano passado.

Além do escalonamento do sistema flex, também foi reduzido o índice mínimo de nacionalização exigido para aplicação da Tarifa Externa Comum (imposto de importação aplicado a veículos por ambos os países). Houve redução da exigência de conteúdo local dos atuais 60% para 50%.

Outra novidade é que pela primeira vez foram diferenciados no acordo carros híbridos e de categoria premium, que terão cotas bilaterais máximas em unidades comercializadas entre os dois países. A partir de 2020, será permitido o comércio sem tarifação de no máximo de 15 mil veículos híbridos, crescendo 3,5 mil a cada ano até chegar a 50 mil. No caso de modelos de luxo, a cota é de 10 mil unidades no total, sendo até 2 mil por modelo.

ANTECIPAÇÃO



As autoridades dos dois países correram para que o acordo bilateral automotivo fosse assinado antes das eleições presidenciais do próximo mês na Argentina, com esperada vitória da oposição, o que poderia emperrar as negociações devido a posições políticas antagônicas dos dois governos.

A associação dos fabricantes de veículos instalados no Brasil, a Anfavea, considerou positiva a renovação escalonada do sistema flex, com um ano de antecedência ao fim do acordo em vigor, conforme nota divulgada no fim da tarde da sexta-feira.

“Embora o livre comércio só esteja previsto para entrar em vigor em julho de 2029, esse escalonamento de 10 anos traz um cenário de previsibilidade e segurança jurídica para a indústria. Durante esse prazo, o incremento contínuo do flex poderá acomodar eventuais flutuações desses dois mercados, até que o livre comércio coloque nosso bloco em linha com outros acordos bilaterais”, avalia Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.



O presidente argentino Maurício Macri comemorou a decisão em postagem na sua conta do Twitter: “Solucionamos o principal problema com nosso grande sócio comercial. Em 2020 deveria começar o livre comércio automotivo. É melhor para a nossa indústria acordar 10 anos de adequação e estabelecer prazos de integração até 2029”, escreveu.

Outra motivação para a renovação antecipada é colocar no horizonte o livre comércio de veículos entre os dois países antes que entre em vigor acordo comercial entre Mercosul e União Europeia, que caso seja ratificado, prevê imediata redução de 35% para 17,5% da alíquota de importação de automóveis da Europa, limitada a uma cota anual de 50 mil veículos, dos quais 32 mil para o Brasil. A partir do décimo ano, o imposto cai progressivamente até chegar a zero no 16º ano, sem restrição de cotas.



Tags: Brasil, Argentina, acordo de livre comércio, Mercosul, União Europeia, sistema flex, Anfavea.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência