Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

| 12/11/2008 | 00h00

Setor automotivo brasileiro de olho em Detroit

Os Estados Unidos assistem atônitos à derrocada da General Motors, Chrysler e Ford, que já foram motivo de orgulho para o país.

Automotive Business

Os Estados Unidos assistem atônitos à derrocada da General Motors, Chrysler e Ford, que já foram motivo de orgulho para o país. Depois do presidente da GM anunciar que a empresa pode ficar sem caixa para enfrentar as operações, as ações despencaram abaixo de US$ 3, voltando a valores da década de 40. O presidente eleito Barack Obama adianta-se em promover a ajuda às três montadoras, mas já sabe que serão necessários muito mais do que US$ 50 bilhões para fazer diferença na saúde do setor. O Deutsche Bank calculou que apenas a GM precisa de US$ 35 bilhões para normalizar o fluxo de caixa. A Ford vale menos de US$ 4 bilhões na bolsa. A GM, menos de US$ 2 bilhões. Há entre os fornecedores uma lista expressiva de empresas que esperam ser contempladas, como a Delphi, que já está em concordata. Não serão menores os problemas na área de distribuição. É difícil imaginar que o governo norte-americano deixe de alimentar o projeto de ajuda ao setor – a alternativa é enfrentar o caos e um tsunami capaz de arrasar centenas de milhares de empregos. Debate-se, em contrapartida, o novo modelo de controle para o setor com a participação do Estado no capital das empresas. E o mercado automotivo brasileiro, como fica diante de toda essa situação, com um cordão umbelical ligado a Detroit? Certamente o Brasil tem muito a perder com o caos, já que os problemas nas matrizes afetam duramente as operações brasileiras, financeiramente ou por uma questão de imagem,

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência