Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Gaia Electric abre pré-venda de veículo feito no Brasil para o público jovem

Novos negócios | 13/06/2019 | 18h36

Gaia Electric abre pré-venda de veículo feito no Brasil para o público jovem

Startup quer fugir do rótulo de montadora ao oferecer um modelo compartilhável e com baixo custo de uso

GIOVANNA RIATO, AB

Quem quiser investir em um veículo zero quilômetro no Brasil precisa desembolsar pelo menos R$ 30 mil, preço do automóvel mais barato à venda no País. “É um valor nada acessível às pessoas mais jovens e por um bem que vai ficar parado, ocioso, na maior parte do tempo”, diz Ivan Gorski, fundador e presidente da Gaia Electric startup brasileira que acaba de abrir a pré-venda do modelo Zero, um triciclo elétrico que promete eficiência em deslocamentos em cidades e em viagens curtas e foi apresentado no ABX19 no fim de maio.

Com a clareza de que há um amplo espaço no mercado entre as gerações Y e Z que gostam de ter um carro à disposição, mas não se identificam exatamente com o modelo tradicional de posse, a Gaia entrega o veículo já inserido em uma plataforma digital e conectado à internet, diz o executivo.

O aplicativo da marca permite travar e destravar a porta, dar a partida e restringir a área de circulação do Zero. “Por exemplo, um pai que queira limitar o deslocamento do filho com o modelo pode fazer isso pelo celular”, conta. O sistema também já virá com a opção de compartilhamento do ativo nas horas de ociosidade, gerando renda para o proprietário.

Para dirigir o modelo, é preciso ter habilitação para pilotar motocicleta. Como não é um veículo fechado, Gorski projeta que o mercado do Gaia Zero não está nas megacidades, mas em concentrações urbanas menores, em que o condutor não fique parado no trânsito correndo risco de ser assaltados, por exemplo.

“A ideia não é copiar o uso dos carros elétricos que vemos na Califórnia, mas entregar uma solução que se adapte verdadeiramente às necessidades brasileiras”, resume.

BAGAGEM DO SETOR DE TECNOLOGIA


Por este recursos Goski rejeita o rótulo de montadora para a Gaia. “Somos uma empresa de tecnologia”, diz. É justamente nesse mercado que o executivo trabalhou a vida toda, com passagens pelo UOL, Yahoo e LinkedIn. Ele lembra que, em um certo momento, vislumbrou um espaço vago na oferta de soluções de mobilidade. “Pensei em fazer a Gaia e fui pesquisar qual seria a concorrência. Foi aí que constatei que a indústria automotiva estava parada, sem nenhuma movimentação nessa área”, diz.

O executivo aponta que as iniciativas que mais balançaram a visão tradicional sobre o carro e o seu uso recentemente vieram, na verdade, de empresas de fora do setor tradicional, como a Uber e a Tesla, que apesar de vender baixo volume de carros elétricos, deu impulso para que as montadoras passassem a oferecer a tecnologia ao público.

“Há um movimento de defesa das coisas como elas sempre foram na indústria automotiva. As empresas precisam entender que é preciso atender a demanda do cliente, ainda que ela vá contra o seu negócio”, diz Gorski, citando um aprendizado que acumulou ao longo dos anos no setor de tecnologia.

PREÇO ALTO, CUSTO BAIXO


O executivo fez o aporte inicial de R$ 500 mil na Gaia do próprio bolso e contratou pessoas do mercado para projetar o veículo e concretizar o projeto. A startup levantou capital em duas rodadas de investimento cujo valor Gorski não revela. Dezoito meses depois, o resultado é um veículo capaz de transportar duas pessoas e rodar 200 quilômetros com investimento de apenas R$ 8 reais em energia elétrica.

O lado ruim da moeda, no entanto, é que o preço do modelo é ainda mais salgado do que o de um carro de entrada, estimado em mais R$ 60 mil. O empreendedor justifica que o valor poderá ser diluído em prestações e coberto com a renda gerada pelo compartilhamento do modelo. “Flexibilizamos o ativo para que ele caiba no bolso e no uso das pessoas”, diz.

“Também não estamos mirando apenas no usuário final”, lembra. Segundo ele, o Zero poderá ser usado como uma plataforma aberta para outras empresas de mobilidade. Um serviço de veículos compartilhados, por exemplo, poderá incorporar o modelo. Outra possibilidade é a venda para frotas de empresas. “Uma empresa de serviços, por exemplo, pode economizar muito em combustível.”

Com essa abordagem de testar a adesão do veículo e adaptar o Zero às diferentes finalidades de uso, a Gaia abriu a pré-venda do veículo: são R$ 300 completamente reembolsáveis, conta. Afinal, a resposta mais importante sobre o real potencial do modelo de negócio desenhado pela startup virá do mercado. Por isso a produção já começou na estrutura da empresa em Manaus, usufruindo dos incentivos fiscais da região.



Tags: Gaia Electric, elétrico, veículo, Zero, compartilhamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência