Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Geração Z deixará de comprar 250 mil carros em 2030

Eventos | 29/05/2019 | 16h00

Geração Z deixará de comprar 250 mil carros em 2030

Bright diz que os preços continuarão subindo, mas o emprego não

SERGIO QUINTANILHA, PARA AB

Em 2030, os jovens da geração Z, os chamados Centennials (nascidos a partir de 1997), serão a primeira geração de consumidores que não conheceu o mundo sem a internet e poderá deixar de comprar algo como 250 mil carros/ano, segundo estudo desenvolvido pela Bright Consulting, dentro do Projeto Automotive Brasil 2030, que traça o futuro da indústria no País baseado em diversos fatores para entender como será o comportamento dos consumidores. O estudo serve a montadoras e bancos (futuramente também ao governo brasileiro) e foi parcialmente apresentado por Paulo Cardamone, da Bright, no Automotive Business Experience, ABX19 , realizado segunda-feira, 27, no São Paulo Expo.

Falando sobre as transformações da indústria automobilística até 2030, Cardamone traçou um panorama bastante complexo para o setor. Segundo ele, o setor vive um momento disruptivo como nunca aconteceu na história.

““Há falta de clareza e grande limitação de recursos na indústria. Tomar decisões é extremante complicado”, avalia Paulo Cardamone.



Porém, é preciso tomar as decisões. Por isso a pesquisa da Bright ouviu mais de 270 executivos sobre 34 questões-chave. A conclusão mais chocante é que 25% dos consumidores da Geração Z simplesmente não vão comprar automóvel. “Esses consumidores preferem usufruir e não possuir”, explicou o consultor, para justificar o comportamento que, segundo ele projeta, fará com que 250 mil carros/ano deixem de ser vendidos no mercado brasileiro.

Falando para uma plateia de executivos da indústria no ABX19, Cardamone disse que “as montadoras não têm capital para atender a tantos movimentos disruptivos, por isso existem muitos movimentos e alianças estratégicas”. Enquanto o executivo da Bright falava, o público presente no ABX19 também tentava entender a complexidade da possível fusão entre a FCA e a Renault, anunciada no mesmo dia. As razões desse gigantesco acordo estavam na tela mostrada por Cardamone. Segundo ele, o foco da indústria automobilística para atender as demandas de 2030 está em três fatores: maior segurança nos carros, quebra do paradigma da propulsão (carros híbridos ou elétricos) e maior conectividade.

CENÁRIOS ECONOMÉTRICOS



A Bright desenvolveu um modelo econométrico baseado em quatro itens: famílias com renda superior a R$ 5.000/mês, índice de confiança do consumidor, tíquete médio do veículo e lista de desejos. Num cenário otimista para a economia, a consultoria prevê um mercado de 2,75 milhões de veículos leves em 2019, crescendo para 3,91 milhões em 2025 e chegando a 4,57 milhões em 2030. Cardamone ressaltou, porém, que em 2012, antes da crise, “quem não previsse um mercado de 4,5 milhões em 2020 perderia o emprego”.

Outro aspecto marcante na apresentação de Cardamone foi a relação entre preços e empregos no setor. “Os preços dos veículos vão continuar subindo sempre”, afirmou, devido a três fatores de impacto: mudanças na segmentação (mais conteúdo nos carros), regulação (investimentos em segurança e controle de emissões) e SUVs (são mais caros e continuarão em alta). Os investimentos vão se concentrar em portfólio de produtos, digitalização da manufatura e processos produtivos. “A produtividade no Brasil está próxima da produtividade na Europa. Por isso, se a indústria 4.0 der certo, os níveis de emprego ficarão cada dia mais estáveis”, previu. Quanto ao preço, Cardamone foi incisivo: “A indústria não vai mais trocar a não utilização da capacidade da fábrica por preço. Ela vai buscar rentabilidade”.

Para a indústria de autopeças, a Bright também vê um cenário de muitos desafios para a próxima década. Somente os sistemistas tier 1 (o primeiro nível direto de fornecimento às montadoras), que reúne cerca de 70 grandes empresas globais e fornece 80% das peças para os carros brasileiros, podem seguir com uma margem de lucro entre 5% e 6%. Para os tiers 2 e 3, porém, a realidade é outra. “Com resultados negativos na casa de 10%, os tiers 2 e 3 estão praticamente na UTI”, disse Cardamone. E isso também dificulta a entrada do Brasil num mundo cada vez mais conectado e eletrificado.

De acordo com os dados da Bright Consulting, em 2030 mais de 50% dos carros vendidos no mundo serão híbridos ou elétricos. Mas no Brasil esse índice será de apenas 9,7%. Para atender ao novo consumidor digital, os carros brasileiros continuarão apostando em conectividade (e nesse aspecto o Brasil vai bem, segundo a Bright), mas um setor pagará caro pela mudança de comportamento do consumidor: as concessionárias. Cardamone disse que já existem 120 milhões de acessos digitais por mês ligados à área automotiva, mas somente 10% das vendas utilizam um processo virtual. “Até 2030 mais de 50% das vendas serão feitas utilizando um processo virtual e isso resultará na redução de 25% dos concessionários completos”, observou.



Tags: Automotive Brasil 2030, Geração Z, Centennials, consumo, mercado, projeção, Bright Consulting, Paulo Cardamone, Automotive Business Experience ABX19, São Paulo Expo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência