Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Venda de veículos leves cairá 3,5% se não houver reformas

Eventos | 27/05/2019 | 15h20

Venda de veículos leves cairá 3,5% se não houver reformas

IHS Markit faz previsões e diz que economia continuará dependendo do fim da crise política

SERGIO QUINTANILHA, PARA AB

O mercado brasileiro de veículos leves deverá cair 3,5% em 2019 e 8% em média até 2023 se não houver reformas estruturais no governo brasileiro que representem pelo menos R$ 800 bilhões de economia de gastos públicos em dez anos. A afirmação foi feita por Fernando Trujillo, consultor da IHS Markit, durante apresentação no Automotive Business Experience, ABX19, realizado segunda-feira, 27, no São Paulo Expo. Trujillo fez previsões e expectativas para o mercado de veículos leves. “O grande entrave para nossa economia continua sendo a política”, disse Trujillo.

“Enquanto o governo não conseguir um diálogo com o Congresso, a economia continuará sendo afetada, à espera das negociações para as reformas da previdência e tributária”, diz o consultor da IHS Markit.



Se até agosto, entretanto, as reformas forem aprovadas, a IHS Markit prevê um bom ciclo de crescimento para o mercado de veículos leves: 10,3% em 2019, 5,2% em 2020 e 3,5% em 2021, quando o mercado voltaria ao volume de 3 milhões de unidades anuais. Esse segundo panorama faz parte das previsões otimistas da IHS Markit. Com ela está a queda na taxa de financiamento de veículos, que caiu de 26% para 21% ao ano. O crédito disponível para financiamento já é de R$ 180 bilhões, mesmo volume de quatro anos atrás. A inadimplência está estável, em 3,2%. Vale lembrar que 55% das vendas de veículos leves no Brasil são feitas por meio de financiamento.

Durante sua apresentação no ABX 2019, Trujillo mesclou os cenários pessimista e otimista. Voltando ao cenário pessimista, ele disse que o risco de "contágio da crise argentina no Brasil é real se o governo não acertar as contas públicas”. Para a IHS Markit, a crise política entre o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional já está afetando os dados macroeconômicos. Trujillo aponta quatro tendências negativas verificadas no primeiro trimestre: queda na confiança do consumidor, aumento do desemprego, recuo na intenção de compra e baixa na atividade econômica.

Dentro do atual cenário, a IHS Markit prevê para 2019 um crescimento no PIB de 1,32%. Para efeito de comparação, o Banco Central trabalha com uma previsão de 1,24%, feita pela pesquisa Focus. As importações caíram para 11,7% e o dólar na casa de R$ 4 também vai impactar a importação de carros. Trujillo falou ainda sobre a continuidade da crise na Argentina, que teve sua previsão de vendas reduzida de 510 mil para 460 mil este ano.

CHEVROLET, VW E TOYOTA GANHARÃO VOLUME ESTE ANO


No cenário otimista, a IHS aponta a Chevrolet, a Volkswagen e a Toyota como as marcas que mais ganharão volume no mercado interno em 2019, todas com um crescimento em torno de 40 mil unidades. A Chevrolet, por causa dos novos Onix e Prisma, a Volkswagen por causa do desempenho do Polo e do T-Cross e a Toyota em função do Yaris e do novo Corolla.

Trujillo também destacou que este será o primeiro ano em que as vendas de carros automáticos superarão os emplacamentos de carros com câmbio manual, com previsão de 53%. E observou: “Ainda não existe nenhuma transmissão automática sendo produzida no Brasil.” No segmento de SUVs, 90% dos carros já são automáticos. Essa configuração está crescendo também no segmento B, onde estão Chevrolet Onix, VW Polo, Fiat Argo e Hyundai HB20.

As previsões da |IHS Markit também alertam para o pouco investimento do Brasil na eletrificação dos carros. Segundo a consultoria, em 2022 os veículos híbridos ou elétricos já somarão 38% do mercado europeu. Nos EUA e na China a previsão é de 20%, mas no Brasil será de apenas 2%. Ampliando a previsão, no ritmo atual o Brasil terá apenas 10% de carros eletrificados em 2027. “O Brasil corre o risco de ser uma ilha de carros com motor a combustão num mundo de carros eletrificados”, observa Trujillo. Outro ponto preocupante para as montadoras, segundo a IHS Markit, é o crescimento das vendas diretas (frotistas, PcDs, governos, taxistas).

“As vendas diretas estão aumentando e devem chegar a 44% este ano, o que é um problema para as montadoras, pois essa modalidade exige altos descontos”, recorda Trujillo.



Quanto aos lançamentos, 20% serão de carros totalmente novos (como o recente VW T-Cross) e 45%, SUVs. As montadoras que mais irão renovar seus modelos, segundo a IHS, serão a GM, a FCA, a Aliança Renault Nissan e a PSA.



Tags: Automotive Business Experience ABX19, SP Expo, Vendas, Veículos Leves, IHS Markit, Previsões.

Comentários

  • JosuéFerreira dos Santos

    Meuesta desculpa é velha, com a reforma trabalhista falaram que o Brasil ia deslanchar. E aí, cade? Até agora só aumentou o desemprego. E a reforma da previdencia, o que vai agregar??????????????

  • Silvio

    Osdescontos para venda direta PcD são refefentes a isenção de impostos, ou seja, as montadoras não perdem com essa modalidade de venda.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência