Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Fiat quer Argo como o 5º carro mais vendido
Versão Trekking tem motor 1.3 e câmbio manual de 5 marchas. Altura livre é de 21 cm, 4 cm a mais que nos outros Argo

Lançamentos | 24/04/2019 | 13h31

Fiat quer Argo como o 5º carro mais vendido

Com a ajuda da nova versão Trekking, hatch deve terminar o ano com 70 mil unidades

MÁRIO CURCIO, AB | De Mogi das Cruzes (SP)

Reportagem atualizada às 21h35.

A Fiat impôs para si mesma um objetivo: quer seu modelo Argo como o quinto automóvel mais vendido de 2019. E ele está no caminho: no acumulado do ano até 23 de abril ocupava a sétima colocação, com 19,7 mil unidades. O sexto lugar pertence ao Renault Kwid e o quinto, ao Volkswagen Gol.

“Acreditamos em cerca de 70 mil unidades até o fim do ano”, afirma o diretor da marca Fiat, Herlander Zola. A aposta no sucesso do hatch tem como motivo a chegada da versão Trekking, com preço inicial de R$ 58.990.

“Acreditamos que o Trekking responderá por 10% a 15% das vendas do modelo”, diz Zola.



O valor de entrada do Argo Trekking é mais baixo que o de concorrentes como Chevrolet Onix Active 1.4 (R$ 60.790), Ford Ka Freestyle 1.5 (R$ 64.090), Hyundai HB20X 1.6 (R$ 62.290) e Renault Sandero Stepway (R$ 63.990).

Segundo a Fiat, o público do carro é 65% masculino e tem em média 43 anos de idade. Sessenta e quatro por cento dos compradores são casados e têm renda média mensal de R$ 6 mil.

“É um carro bem avaliado por nossos consumidores: 73% atribuem nota 9 ou 10 para ele por motivos como design, conforto, acabamento interno e pela central multimídia”, afirma Zola. As vendas do carro no acumulado do ano cresceram cerca de 25% na comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto o mercado de automóveis subiu 10%.

O preço da ascensão do carro foi o encolhimento nas vendas do Fiat Uno, que teve apenas 4,7 mil unidades emplacadas neste primeiro trimestre por estar espremido entre o pequeno Fiat Mobi e o Argo: “Foi um movimento planejado. Sabíamos que ele perderia espaço, por isso agora suas vendas estão concentradas na versão Attractive, voltada a vendas diretas. É um carro bastante utilizado em terceirização de frotas por causa do baixo custo de manutenção”, diz Herlander Zola.



Detalhes como adesivos laterais e itens com acabamento preto são exclusivos da nova versão, assim como as costuras e bordados nos bancos. Lista de equipamentos traz o que se espera de um carro de quase R$ 60 mil

O Argo Trekking recebe faixas decorativas nas laterais, na traseira e um aplique no centro do capô. Tem molduras de plástico nas caixas de roda e tanto o defletor aerodinâmico (sobre o vidro traseiro) como os retrovisores são pretos, assim como a pintura do teto. As suspensões receberam molas e amortecedores diferentes e a direção elétrica passou por um novo ajuste fino.

Os pneus são Pirelli Scorpion, com medidas 205/60 15. Como resultado das mudanças o Trekking tem 21 centímetros de altura livre do solo, 4 cm a mais que nas outras sete versões (que podem ter motores 1.0, 1.3, 1.8 e transmissão manual, automatizada ou automática).

As rodas de série do Trekking são de aço com calotas. Quem quiser as de liga leve terá de pagar mais R$ 1.590. O motor da nova versão é o 1.3 Firefly de quatro cilindros e até 109 cavalos quando abastecido com etanol. O câmbio é manual de cinco marchas.

“Estudamos a opção automática, mas ainda não há uma data definida. Optamos por lançar primeiro o carro manual pelo maior volume de vendas”, diz o diretor da Fiat.



Além dos detalhes externos o Argo Trekking recebe interior diferenciado pela costura dos bancos, tecido das portas, moldura do painel e saídas do ar-condicionado, que são cromadas. Por fora e por dentro a Fiat trocou a cor de fundo do logotipo. Sai o vermelho e entra o preto. Entre os itens esperados para um carro de quase R$ 60 mil ele traz ar-condicionado, computador de bordo, vidros, travas e retrovisores elétricos, volante ajustável em altura com controles de áudio e telefonia, banco do motorista e volante com ajuste de altura, central multimídia com tela de sete polegadas, limpador e lavador do vidro traseiro e alarme. Além das rodas de liga leve há apenas mais um opcional, a câmera de ré, que custa R$ 700.

CUMPRE O QUE PROMETE


O Argo Trekking faz bem o que deve fazer: andar em pisos irregulares e na terra com algum conforto. A combinação entre o curso das suspensões, a resposta dos amortecedores e a aderência dos pneus passa segurança ao motorista. E os pneus, embora de uso misto, não são barulhentos a 100 km/h.

O motor 1.3 Firefly entrega pouco torque (14,2 kgf.m) e por isso não se pode ter preguiça de usar mais vezes a alavanca de câmbio nem medo de esticar as marchas em subidas, retomadas de velocidade e ultrapassagens. E não há problema nisso porque ele tem funcionamento suave, mesmo acima de 4 mil rpm.

O câmbio manual tem curso um pouco longo, mas os engates são fáceis. A posição de dirigir seria melhor se o banco segurasse mais o corpo. Como conjunto, o Argo Trekking vale a pena. E quem curte acessórios poderá contar com uma lista de mais de 50 itens Mopar dentro da própria rede Fiat, de engates a suportes para bicicletas.



Tags: Fiat, Argo, Trekking, Herlander Zola, Uno, Mobi, Firefly, Chevrolet, Onix, Active, Ford, Ka, Freestyle, Hyundai, HB20X, Renault, Sandero, Stepway, Mopar, Pirelli, Scorpion.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência