Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 16/04/2019 | 18h23

Governo tenta evitar greve de caminhoneiros com nova linha de crédito do BNDES

Com um total de R$ 500 milhões e limite de R$ 30 mil por profissional autônomo, recursos serão destinados à manutenção e compra de pneus

REDAÇÃO AB

Temendo a ameaça de uma nova greve dos caminhoneiros, o governo anunciou na terça-feira, 16, um pacote de medidas que visam beneficiar a categoria, entre elas, uma linha de crédito de R$ 500 milhões do BNDES com um limite de até R$ 30 mil para cada profissional autônomo. Os recursos serão dedicados à manutenção dos caminhões e compra de pneus.

Segundo o governo, o crédito poderá ser acessado primeiro via bancos públicos e depois nos demais bancos e cooperativas de crédito. O limite de R$ 30 mil será por CPF que possua até dois caminhões. Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que fez o anúncio durante uma coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, o crédito não subsidiará a compra de novos veículos. Também disse que o dinheiro a ser utilizado virá de contribuições de cada ministério. No entanto, não ficou claro se o crédito será oferecido com taxas subsidiadas.

Além disso, também anunciou um total de R$ 2 bilhões que serão realocados para o Ministério de Infraestrutura destinados à rodovias em todo o País, dos quais cerca de R$ 900 milhões serão utilizados para recuperação e manutenção, incluindo obras de pavimentação da BR-163/PA até o porto de Mirituba (PA), que liga o Centro-Oeste ao Norte do País, além da conclusão de 69 km de duplicação da BR-116, duplicação de 84 km da BR-101/BA e construção de oito pontes de concreto em substituição às de madeira na BR-242/MT, entre outras obras.




O anúncio vem quase uma semana após a suspensão do aumento médio do diesel em 5,7% previsto pela Petrobras, que desistiu do ajuste a pedido do próprio presidente, Jair Bolsonaro, indo contra sua própria declaração de que a estatal era independente para tomar decisões em sua política de preços. Uma outra reunião entre o presidente e seus ministros na tarde desta terça-feira está tratando da política de preços da Petrobras para alinhar a postura do governo. Um dia após o recuo da estatal sobre o aumento do diesel, a Petrobras perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado na bolsa.

Ao jornal Folha de S. Paulo, a CNTA, Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, declarou que a medida é “esmola” e não contempla as principais reivindicações da categoria, como o cumprimento do tabelamento do frete e redução do preço mínimo. À publicação, o presidente da entidade, Wanderlei Alves, não descartou uma nova paralisação.

“Nada do que o ministro da Infraestrutura anunciou hoje nos ajuda. É um avanço conseguir pegar dinheiro do BNDES? É, mas hoje, mais da metade dos caminhoneiros está com o nome sujo. Nós vamos conseguir pegar esse crédito?”, declarou ao jornal.

Além disso, Alves disse que a categoria está se mobilizando para uma paralisação no dia 21 de maio: “Isso se não parar antes, se houver aumento do [preço] do diesel”, afirmou.



Tags: BNDES, caminhoneiros, crédito, manutenção, governo, diesel, Petrobrás, greve, paralisação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência