Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Scania testará ônibus movido a GNV e a biometano em Curitiba

Transportes | 13/03/2019 | 20h54

Scania testará ônibus movido a GNV e a biometano em Curitiba

Modelo começa a rodar a partir deste mês; até o fim do ano, fabricante prevê a homologação de três modelos

SUELI REIS, AB | De Curitiba (PR)

A Scania testará em Curitiba, capital paranaense, um ônibus movido a gás natural veicular (GNV) e também a biometano (gás extraído de resíduos orgânicos) ou a mistura de ambos como parte de um acordo firmado entre prefeitura, governo e a empresa na quarta-feira, 13, a fim de avançar com a adoção de veículos movidos a combustíveis alternativos a partir de um projeto que já existe e que já foi aprovado pela prefeitura. O primeiro modelo entrará em fase de testes já neste mês e o veículo, que por ora, não atende especificações locais, será substituído assim que um novo ônibus com as especificações técnicas necessárias entre em operação, o que deve acontecer até o início do segundo semestre. O modelo que já está sendo produzido na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) será o chassi 480 4x2 do tipo padron, que possui de 12,5 a 13 metros de comprimento e capacidade para transportar de 86 a 100 pessoas com carroceria Caio.

Segundo o diretor comercial, Silvio Munhoz, a prefeitura da cidade se ofereceu para apoiar a empresa caso queira alocar uma instalação para o desenvolvimento local de tecnologias para veículos movidos a combustíveis alternativos. “Vamos estudar a possibilidade”, disse o executivo, sem detalhar que tipo de apoio a prefeitura poderia dar.

O executivo informou que pelo projeto aprovado pela prefeitura de Curitiba, o contrato de 2 anos prevê R$ 200 milhões em subsídios, dos quais R$ 90 milhões serão divididos em R$ 50 milhões da prefeitura e R$ 40 milhões do governo estadual. Todo o montante será utilizado para melhorias urbanas e infraestrutura, como renovação dos tubos (pontos de ônibus) e da pavimentação, entre outros.

O projeto já conta com apoio da Compagas, Companhia Paranaense de Gás, fornecedora estadual de abastecimento de gás natural, e uma empresa de reciclagem que produzirá o biometano. A Scania também vai estudar uma terceira empresa parceira para a distribuição do GNV.

“Em Curitiba existe uma disponibilidade dos empresários em aderir ao ônibus a gás ou biometano. Nós temos falado sobre isso desde 2017 para uma implementação de veículos movidos a combustíveis alternativos”, afirma Munhoz.

Ele conta que a Scania fez a mesma demonstração em São Paulo, mas não obteve o mesmo sucesso. “Não houve interesse dos empresários em evoluir. Eles ainda estão muito presos ao veículos a diesel”, lamentou.

Comparado com um veículo similar a diesel, um ônibus emite 85% menos gases poluentes quando abastecido com biometano e 70% menos quando funciona com GNV, além de também reduzir a poluição sonora. A fabricante garante que o modelo também diminui em torno de 28% o custo operacional por quilômetro rodado.

A empresa prevê quatro modelos a GNV e a biometano para o mercado: o padron K 280 4x2, (para carrocerias de 12,5 a 13,2 metros de comprimento e capacidade para até 100 passageiros); o K 280 6x2 (de 15 metros e até 130 passageiros) e o articulado K 320 6x2/2 (de 18,6 metros e capacidade para 160 ocupantes). Serão necessárias alterações nos projetos das carrocerias para a instalação dos cilindros de gás, por exemplo. Veículos com seis cilindros terão autonomia acima de 300 quilômetros.

A expectativa da fabricante é de que a homologação desses veículos para rodar com GNV ou biometano (ou a mistura dos dois) seja concluída até o fim deste ano.



Tags: Scania, ônibus, gás natura veicular, GNV, biometano, Curitiba.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência