Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Exportação de veículos cai 42% no ano, mas cresce 62% sobre janeiro

Indústria | 11/03/2019 | 18h32

Exportação de veículos cai 42% no ano, mas cresce 62% sobre janeiro

Vendas externas da indústria ainda seguem longe de seu melhor momento

PEDRO KUTNEY, AB

Com 40,5 mil veículos exportados em fevereiro, houve expressiva alta porcentual de 62% sobre janeiro, mas o volume ainda está longe do desempenho dos dois últimos anos no mesmo mês. Segundo números do setor divulgados na segunda-feira, 11, pela Anfavea, que reúne os fabricantes instalados no Brasil, as exportações estão 39% abaixo do verificado em fevereiro de 2018. No primeiro bimestre, as vendas externas somadas de 65,5 mil unidades significam baixa de quase 42% ante igual período do ano passado.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



“Houve crescimento importante das exportações em fevereiro sobre janeiro, mas os níveis ainda estão muito abaixo de 2018. A grande dificuldade continua sendo a Argentina”, afirma Antonio Megale, presidente da Anfavea.



Historicamente o mercado argentino fica com 70% das exportações de veículos do Brasil. Com a continuada crise econômica no país vizinho, a demanda caiu e afetou diretamente os negócios. Para se ter ideia, as 65,5 mil unidades exportadas pelos fabricantes brasileiros no primeiro bimestre correspondem a número maior do que todas as vendas na Argentina no mesmo período, que somaram 60,4 mil veículos em dois meses, em retração de 56% sobre o total de janeiro e fevereiro de 2018.

“As exportações sempre trouxeram boas notícias nos últimos anos, mas desta vez o cenário complexo na Argentina é a causa da retração [das vendas externas]. As dificuldades devem continuar no primeiro semestre, talvez somente no último trimestre do ano o mercado argentino comece a demonstrar alguma recuperação”, admite Megale.

No início deste ano a Anfavea divulgou projeção de exportação de 590 mil unidades em 2019, em queda de 6,2% sobre 2018, mas se o ritmo continuar abaixo de 40 mil embarques por mês não será possível atingir o número projetado.

O mesmo ocorre com as exportações em valor, que somaram US$ 1,6 bilhão no primeiro bimestre, em baixa de 36% sobre o mesmo período de 2018. A Anfavea projeta faturamento externo de US$ 13,9 bilhões para o ano inteiro, o que seria uma redução em torno de 4% sobre o ano passado.

Megale lembra que estão aumentando as vendas de veículos brasileiros para outros mercados como Colômbia e México, mas admite que “não será suficiente para compensar todas a perda com a Argentina”.



ACORDO COM O MÉXICO



Este mês vence o acordo entre Brasil e México que prevê o exercício de cotas de importação e exportação de veículos sem a cobrança de imposto alfandegário. Em tese, após o vencimento do acordo atual deveria entrar em vigor o livre comércio entre os dois países. Contudo, Megale lembrou que não foi discutido em 2018, como estava previsto, o conteúdo mínimo de peças locais dos mexicanos, que deveria alcançar 40%, o que deve inviabilizar as trocas comerciais com alíquota zero. “Em tese somos a favor do livre comércio, mas de forma gradual para não prejudicar a competitividade da indústria nacional”, defende o presidente da Anfavea.



Tags: Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, indústria, resultados exportação primeiro bimestre 2019.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência