Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
O maior desafio da indústria automotiva é dominar a interface com o consumidor

Estratégia | 07/03/2019 | 17h40

O maior desafio da indústria automotiva é dominar a interface com o consumidor

Eduardo Peixoto, do Cesar, defende que o setor desenvolva novas habilidades para permanecer lucrativo no futuro

GIOVANNA RIATO, AB

Para acompanhar a evolução das demandas do consumidor a indústria automotiva precisa ir além da inovação incremental e tirar o foco do produto para oferecer receita recorrente com serviços. Quem defende este caminho é Eduardo Peixoto, Chief Designer Officer do Cesar, o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, hub privado de inovação que trabalha com foco em tecnologias da informação, da comunicação e com design para ajudar empresas e profissionais a acompanharem a transformação digital.

Com esse olhar, Peixoto defende que o carro seja encarado como uma plataforma de software, um agente de conectividade, não como um produto analógico. O principal desafio da indústria automotiva no novo contexto é dominar esta interface com o cliente. “Quem fabrica começa a perder força no mercado e diminuir suas margens, enquanto ganha espaço quem faz a entrega do serviço de mobilidade e oferece a interface, como a Uber e o Google, por exemplo”, enfatiza. Se há uma boa notícia nesse cenário, é que não é tarde para as empresas automotivas se posicionarem:

“Há carros que contam com 70 computadores de bordo. A oportunidade de inovação, de se posicionar como uma plataforma tecnológica, é imensa. O automóvel passa a ser um link permanente entre a indústria e o consumidor”, diz.

Peixoto entende que o caminho é olhar o automóvel como uma base de serviço atualizável, fugindo do estático e analógico. Ele reconhece que esta virada de chave é bem mais difícil do que pode parecer. “Há barreiras gigantes. Uma delas está no fato de que o setor automotivo é dominado por engenheiros mecânicos e de produção. É essencial atrair especialistas em cibersegurança, data analytics e engenharia de comunicação”, enumera.

PARCERIAS PARA DETECTAR NOVOS NEGÓCIOS


Segundo Peixoto, um primeiro passo importante para qualquer empresa que atua no segmento é olhar além da inovação incremental tecnológica e industrial. “As empresas precisam criar áreas de novos negócios e abrir o olhar para entender de onde trazer receitas diferentes, fazer parcerias, se movimentar”, conta. Ele sugere a criação de uma frente para estes projetos exploratórios, um espaço que permita à empresa experimentar, errar e corrigir sem prejudicar seu negócio principal.

Trabalhar em parceria com empresas de diversos setores na construção destas novas frentes é uma das atividades do Cesar. A iniciativa nasceu em 1996 como uma forma de criar uma economia local para profissionais de tecnologia, evitando que estas pessoas precisassem sair de Pernambuco para trabalhar. Do projeto surgiu o Porto Digital, um dos grandes polos de inovação do Brasil. Peixoto calcula que hoje o Cesar empregue 500 colaboradores, com faturamento de R$ 100 milhões por ano e um ecossistema que reúne 320 empresas.



Tags: Cesar, tecnologia, inovação, novos negócios.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência