Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Ghosn paga fiança milionária para sair da prisão e chama acusações de “infundadas”

Internacional | 06/03/2019 | 18h36

Ghosn paga fiança milionária para sair da prisão e chama acusações de “infundadas”

Executivo deixa a cadeia após 108 dias, mas ficará sob vigilância no Japão até o julgamento

REDAÇÃO AB, COM AGÊNCIAS

Ex-presidente da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, Carlos Ghosn deixou deixou a cadeia onde estava detido desde 19 de novembro em Tóquio, Japão, sob acusação de fraude fiscal e uso pessoal de recursos da Nissan no período em que foi CEO da companhia (2001 a 2017). A justiça japonesa libertou Ghosn na quarta-feira, 6, com uma série de restrições e após o pagamento de fiança milionária, equivalente a quase US$ 9 milhões (1 bilhão de ienes) – o que já demonstra que o executivo não parece ter problemas financeiros.

Entre as restrições impostas para que Ghosn pudesse sair da prisão, seu passaporte permanecerá confiscado e ele não poderá deixar o Japão até a resolução de seu caso, pelo menos até o seu julgamento, ainda sem data definida, mas previsto para ocorrer no segundo semestre. O executivo deverá permanecer em sua residência na capital japonesa sob vigilância de câmeras e comunicações interceptadas, sem acesso a computadores, telefone celular, internet ou mensagens eletrônicas e com visitas monitoradas. Também está proibido de ter contato com outros envolvidos no caso ou pessoas da Renault, Nissan e Mitsubishi.

Em comunicado enviado à imprensa um dia antes de ser solto, Ghosn chamou de “provação terrível” os 108 dias que passou na prisão japonesa. “Sou inocente e totalmente empenhado em me defender com vigor em um julgamento justo contra essas acusações sem mérito e infundadas”, afirmou em nota. Em sua primeira audiência no tribunal em janeiro, Ghosn negou todas as acusações contra ele e disse ser vítima de um complô arquitetado por diretores da Nissan, contrários ao seu plano de fusão total com a Renault e Mitsubishi.

Todas as exigências e a pressão internacional foram consideradas fundamentais para a liberdade condicional, o que é incomum no Japão, onde a maioria dos detidos sob qualquer acusação costuma ficar sob custódia até o julgamento. Descendente de libaneses nascido no Brasil e cidadão francês, Ghosn decidiu em fevereiro trocar a equipe de defesa após seu pedido de soltura ter sido negada duas vezes, atendendo apelos da promotoria. Os promotores tentaram novamente apelar contra sua saída da prisão, mas desta vez o juiz do caso negou e aceitou as garantias propostas pelos advogados para soltar o empresário franco-brasileiro-libanês.

O advogado da família Ghosn, François Zimeray não economizou críticas ao judiciário japonês: “Enfim ele (Ghosn) vai poder ter acesso ao inquérito e ter uma verdadeira defesa em um país que tem 100 anos de atraso na Justiça, em transgressão total com os grandes textos dos direitos humanos”, criticou o defensor em entrevista à rede de televisão europeia RTL.

“A libertação permitirá a Ghosn defender-se livre e soberanamente”, afirmou Bruno Le Maire, ministro da Economia da França, que é acionista na Renault. “É essencial proteger o princípio da presunção de inocência e dar a cada um a possibilidade de defesa nas melhores condições possíveis”, completou o ministro francês.

Ghosn responde a três acusações colocadas pela procuradoria japonesa, a primeira por ter ocultado cerca de metade dos pagamentos recebidos como CEO da Nissan entre 2010 e 2015, deixando de informar algo como US$ 43 milhões ao fisco japonês; a segunda por ter sonegado impostos sobre outros US$ 38 milhões recebidos entre 2015 e 2018; a terceira por repassar à Nissan perdas financeiras de um investimento pessoal ocorridas durante a crise financeira de 2008, no valor de € 14,5 milhões.



Tags: Carlos Ghosn, Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, prisão, escândalo, má conduta, julgamento, Japão.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência