Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Após Nissan, Mitsubishi também tira Ghosn do conselho

Indústria | 26/11/2018 | 14h00

Após Nissan, Mitsubishi também tira Ghosn do conselho

Executivo foi preso e enfrenta acusações de sonegação fiscal e uso indevido de verbas

REDAÇÃO AB

Após a Nissan remover Carlos Ghosn da presidência de seu conselho de administração na semana passada, foi a vez de a Mitsubishi fazer o mesmo na segunda-feira, 26. A Renault também afastou o executivo de suas funções executivas na empresa, mas temporariamente. As três empresas são sócias na Aliança Renault Nissan Mitsubishi e tinham o mesmo chairman, que está preso no Japão desde o último dia 19, acusado de sonegação fiscal por informar ganho abaixo do real (leia mais aqui).

A Nissan também acusa Ghosn de se apropriar de verbas indevidas e fazer uso de fundo de investimento da companhia para fins pessoais (compra e reforma de imóveis em Amsterdã, Paris, Rio de Janeiro e Beirute, segundo noticiaram jornais japoneses).

Ghosn está preso em Tóquio juntamente Greg Kelly, outro membro do conselho da Nissan acusado de idealizar e acobertar os desvios levantados em investigações internas da companhia japonesa. Isolados desde então, nenhum dos dois teve a oportunidade de se defender publicamente. Em audiência com a promotoria no fim da semana passada, o executivo teria negado todas as acusações, segundo fontes não identificadas citadas pela rede pública de TV NHK.

Filho de pais libaneses, nascido no Brasil e cidadão francês, Ghosn é acusado de ter omitido metade dos 10 bilhões de ienes (cerca de US$ 89 milhões) recebidos em remunerações como CEO e chairman da Nissan desde 2011. Mas, segundo o jornal Asahi, os procuradores poderão abrir um novo processo por sonegação de outros 3 bilhões de ienes (US$ 26,5 milhões) desde 2015, elevando assim o valor não declarado para 8 bilhões de ienes (US$ 70,5 milhões).

Caso seja julgado culpado, Ghosn poderá ser condenado a penas de 10 anos de prisão e pagamento de multas. Não se sabe ao certo até quando as autoridades japonesas vão manter o executivo preso e incomunicável. Inicialmente foi ordenada a detenção por 10 dias.



Tags: Carlos Ghosn, Aliança Reanult Nissan Mitsubishi, acusação, conselho, prisão.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência