Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Nissan demitirá Ghosn após prisão no Japão; Renault afasta o executivo
Carlos Ghosn: executivo festejado é acusado pela Nissan de desvios de conduta

Indústria | 19/11/2018 | 15h32

Nissan demitirá Ghosn após prisão no Japão; Renault afasta o executivo

Brasileiro é acusado de fraudar remuneração e fazer uso pessoal de recursos da companhia

PEDRO KUTNEY, AB, COM AGÊNCIAS

Texto revisado e atualizado em 21/11 às 19h00

Acusado de fraudar seus ganhos e fazer uso pessoal de recursos da companhia, Carlos Ghosn foi preso no Japão e a Nissan anunciou que vai demitir o executivo do posto de presidente do conselho de administração (chairman), assento que ocupava desde o ano passado, quando deixou de ser o CEO após 17 anos no comando da fabricante japonesa. Ghosn acumula ainda as posições de chairman e CEO do Grupo Renault – que já nomeou substitutos enquanto durar a prisão – e também está à frente do conselho da Mitsubishi, empresa comprada no ano passado para ser a terceira integrante da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, esta também comandada pelo executivo de 64 anos, descendente de libaneses nascido no Brasil e cidadão francês.

O atual CEO da Nissan, Hiroto Saikawa, irá propor na quinta-feira, 22, em reunião agendada com o board da empresa a remoção de Ghosn de sua posição à frente do conselho, após a comprovação do “desvio de conduta revelado por nossas investigações internas, que constitui clara violação de deveres a membros da diretoria da empresa”, conforme comunicado oficial divulgado na segunda-feira, 19. Renault, Mitsubishi e a própria Aliança também anunciaram que deverão afastar Ghosn de suas funções.

Em entrevista coletiva na sede da companhia em Yokohama, Saikawa disse que a Nissan foi informada por autoridades japonesas na segunda-feira, 19, que Ghosn havia sido preso juntamente com Greg Kelly, diretor-representante membro do conselho que subiu no escalão da empresa como vice-presidente responsável por recursos humanos. Kelly é acusado de estar “profundamente envolvido”, segundo a Nissan, na fraude para acobertar a remuneração de Ghosn e uso indevido de recursos da montadora.

De acordo com a legislação japonesa, os dois executivos acusados vão responder a processos por sonegação fiscal e se forem considerados culpados poderão pode ser punidos com penas de até 10 anos de prisão e pagamento de multas.

Segundo o jornal Asahi, Ghosn teria se apresentado voluntariamente à promotoria japonesa, que ainda não apresentou acusação formal contra ele. Na quarta-feira, 21, a Corte Distrital de Tóquio estendeu por 10 dias a prisão do executivo.

INVESTIGAÇÃO E DENÚNCIA



“A investigação interna conduzida ao longo dos últimos meses mostrou que por muitos anos ambos, Ghosn e Kelly, reportaram à Bolsa de Valores de Tóquio remunerações abaixo dos valores reais, com o objetivo de reduzir a compensação divulgada paga a Carlos Ghosn”, afirma a Nissan no comunicado, confirmando que “está cooperando com a promotoria no caso”, no qual parece ser a própria denunciante.

“Ainda em relação a Ghosn, numerosos outros significativos desvios de conduta foram revelados, como o uso pessoal de ativos da companhia”, acrescenta a nota. Segundo Saikawa, o ex-CEO teria desviado para si recursos de fundos corporativos de investimento, além de usar a empresa para pagar despesas particulares.

Segundo reportagem do jornal japonês Nikkei, publicada um dia após a eclosão do escândalo, existem suspeitas de Ghosn ter usado uma subsidiária da Aliança com sede na Holanda, a Renault-Nissan BV, para comprar imóveis no Rio de Janeiro, Beirute, Paris e Amsterdã no valor de US$ 17,8 milhões “sem nenhuma razão comercial legítima”. Especula-se que o montante faria parte da remuneração não declarada do executivo.

Ainda sem confirmação oficial pela Nissan, a agência de notícias Jiji indica que Ghosn escondeu cerca de metade dos 10 bilhões de ienes (US$ 88,7 milhões) que teria recebido da empresa ao longo de seis anos desde 2011. Ou seja, algo como 5 bilhões de ienes (US$ 44,2 milhões) em ganhos teriam sido ocultados pelo executivo.

“Confirmamos que estes dois (Ghosn e Kelly) são os mentores dos desvios, atos que não serão tolerados”, afirmou o CEO Saikawa durante a entrevista coletiva. Ele credita os abusos apurados à excessiva concentração de poderes por muitos anos em apenas um alto executivo. “Este é um impacto negativo do longo regime do Sr. Ghosn. Esta é uma boa oportunidade de revisar a maneira como trabalhamos”, acrescentou Saikawa.

AMEAÇA À ALIANÇA



Segundo o CEO, os fatos divulgados agora não afetam a parceria da fabricante que dirige na Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, arquitetada e até o momento comandada por Ghosn, que trabalhava para tornar a fusão das companhias “irreversível”, segundo ele mesmo dizia. As empresas da Aliança têm participações cruzadas uma na outra, mas não são totalmente fundidas em um grupo. A Renault controla a Nissan com 43% de suas ações, que por sua vez tem apenas 15% de participação acionária sem direito a voto no grupo francês, embora o volume de produção de veículos da marca japonesa seja 60% maior do que o da controladora francesa. E desde o ano passado Ghosn fez a Nissan adquirir porção majoritária de 34% da Mitsubishi.

Ghosn queria apertar as amarras da Aliança para assegurar a formação do maior fabricante de veículos do mundo, que com todas as marcas combinadas produziu 10 milhões de unidades em 2017, ficando à frente dos grupos Volkswagen e Toyota. A prisão do mentor do empreendimento joga sombras e levanta dúvidas em relação ao futuro dessa união. À frente da Nissan, Saikawa admite que os acontecimentos atuais deverão impor a necessidade de reforma urgente na estrutura de gestão que une as três companhias.

O resultado imediato do escândalo foi a perda de valor das companhias nas bolsas de valores. As ações das três despencaram em pregões na Europa e no Japão, anotando quedas acima de dois dígitos porcentuais nos dois primeiros dias desta semana.

Mitsubishi e Renault divulgaram comunicados e ações. A primeira afirma que irá conduzir investigações internas e que também irá propor a remoção de Ghosn da posição de presidente do conselho. Já a montadora francesa afastou Ghosn de suas funções executivas no fim do dia da terça-feira, 20, e nomeou substitutos interinos. Assim atendeu a pressão do governo francês, maior acionista individual da companhia, com 15% das ações, que pedia a substituição do executivo.

O board da Renault escolheu Philippe Lagayette para liderar interinamente o conselho da empresa, enquanto Thierry Bolloré foi nomeado vice-CEO e temporariamente irá comandar a gestão da fabricante francesa, com os mesmos poderes de Carlos Ghosn, que assim, oficialmente, foi mantido nos dois cargos até o esclarecimento do processo judicial no Japão. “Temporariamente incapacitado, o Sr. Ghosn permanece chairmam e CEO”, diz o comunicado do grupo. “Durante esse período, o conselho irá se reunir regularmente (...) para proteger os interesses da Renault e a sustentabilidade ds Aliança. O board decidiu requisitar à Nissan, com base nos princípios de transparência (...) que providencie todas as informações em sua posse levantadas durante a investigação interna relativa ao Sr. Ghosn”, reforça a nota.

BEM PAGO, FESTEJADO E CRITICADO



Até esta semana Ghosn foi um dos CEOs mais festejados e bem pagos da indústria automotiva mundial – e isso sempre rendeu críticas. A Nissan reportou à bolsa japonesa que pagou ao seu chefe o equivalente a US$ 10 milhões no ano fiscal terminado em março de 2017 e US$ 6,5 milhões no ano seguinte, quando ele não era mais o CEO. Ghosn declarou ter recebido também US$ 8,5 milhões em remunerações da Renault em 2017 e mais US$ 2 milhões da Mitsubishi.

Na Renault o mais recente pacote de remuneração de Ghosn passou apertado na assembleia de acionistas, só aprovado depois que o executivo aceitou reduzir o valor em 30%. Um dos principais opositores é o presidente da França, Emmanuel Macron. O Estado francês detém 15% do capital da Renault e Macron é um duro crítico ao alto salário do CEO da montadora desde quando foi ministro das finanças na gestão de François Hollande. “O governo, como acionista, permanece extremamente vigilante sobre a estabilidade da Aliança”, afirmou o presidente em nota.

Na terça-feira, o Ministério da Economia solicitou a nomeação de um interino para o lugar de Ghosn, alegando que ele não tem condições de dirigir a corporação. Contudo, reconheceu que não há acusações ou provas contra o executivo na França, por isso não foi pedida sua demissão da empresa.

CARREIRA METEÓRICA, QUEDA APOCALÍPTICA



A fama de Ghosn começou a ser construída em 1999, quando a Renault comprou participação majoritária na Nissan e enviou o executivo ao Japão como chefe de operações (COO) para reestruturar a companhia japonesa à beira da falência, com dívidas de US$ 20 bilhões. Ghosn fechou fábricas, demitiu milhares de trabalhadores, criou inimizades num país onde muitos dedicam a vida inteira a uma empresa e não toleram estrangeiros no mando de seus negócios. Chegou a ser ameaçado de morte, mas sobreviveu e salvou a Nissan, passando de vilão a herói no país, onde virou até personagem de mangás (histórias em quadrinhos japonesas).

Ghosn tornou-se presidente do conselho um ano depois de chegar ao Japão e CEO em junho de 2001. Foi o principal arquiteto das sinergias da Aliança Renault-Nissan. Em 2005 concentrou mais poderes, acumulando o comando das duas fabricantes.

Sua última cartada foi em 2016, quando fez a Nissan comprar o controle acionário da Mitsubishi, então enfraquecida pelo escândalo de divulgar consumo menor que o real dos minicarros que produz (inclusive para a própria Nissan). Assim o executivo ampliou a Aliança com uma terceira empresa e uma terceira cadeira de presidência do conselho.

No ano passado, Ghosn deixou o posto de CEO e as funções executivas na Nissan após 20 anos no comando, dizendo que iria se dedicar mais a estreitar os laços da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi. Ao que parece, deixou o caminho livre para inimigos que nunca toleraram um gaijin no comando e decidiram expor as condutas pouco ortodoxas do ex-chefe, até para evitar a fusão total que encontrava resistências internas nas três companhias. É pouco provável que apenas duas pessoas na corporação sejam os únicos responsáveis por desvios tão graves, novos fatos ainda devem ser revelados nos próximos dias e meses.

O CEO Saikawa, 65 anos, é um sobrevivente da reestruturação, está na Nissan desde 1977. Antes de assumir o comando, entre 2013 e 2016, foi executivo-chefe de competitividade – ironicamente, um cargo criado por Ghosn que pavimentou sua ascensão, dizendo que os dois “pensavam igual”. Saikawa foi rápido em desfazer os laços: “Mais do que pena [de Ghosn], sinto grande desapontamento, frustração, desespero, indignação e ressentimento”, disse sobre os desvios do ex-CEO, que teve carreira meteórica e agora parece ter embarcado em queda apocalíptica.



Tags: Nissan, Carlos Ghosn, fraude fiscal, má conduta, demissão, prisão, Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

Comentários

  • JonasVillanova

    EsteSr.Ghosn não é nenhum Santo. Mas na Hora que ele começar a falar, vai sobrar para muita gente dessa "Aliança".

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência