Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Cultura de propriedade do carro ainda é forte no Brasil

Mobilidade | 09/11/2018 | 18h06

Cultura de propriedade do carro ainda é forte no Brasil

Pesquisa da Spry encomendada pela Anfavea revela que ter um veículo ainda é a preferência da maioria entre as gerações

REDAÇÃO AB

O desejo de ter um carro ainda se mantém forte na cultura brasileira, segundo revela uma pesquisa sobre a relação das diferentes gerações com a mobilidade. O estudo foi encomendado pela associação de fabricantes, a Anfavea, e foi realizado pela Spry, startup de tecnologia que utiliza o sistema de crowdsourcing para otimizar a aplicação e abrangência do questionário. Os resultados foram apresentados pelo responsável comercial da empresa, Pedro Fachinni, durante a coletiva de imprensa da Anfavea, na quarta-feira, 7, em espaço reservado dentro do Salão do Automóvel de São Paulo.



- Faça aqui o download dos dados da Spry sobre a relação das gerações com a mobilidade.
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Realizada durante três semanas de agosto em 11 capitais brasileiras, a pesquisa ouviu 1.789 pessoas que foram segmentadas por geração: baby boomers (acima de 56 anos), X (de 36 a 55 anos), Y (de 26 a 35 anos) e Z (até 25 anos) que responderam questões relacionadas ao uso do carro e outros meios de transporte.

Entre os resultados, a pesquisa mostrou que 49% dos baby boomers e 50% da geração X afirmam ter carro. Este número cai para 39% na geração Y e para 23% na geração Z. Aos que não possuem veículos, o estudo quis saber sobre o desejo de comprar um nos próximos cinco anos: 70% da geração Z afirmaram que desejam adquirir um modelo enquanto 69% dos entrevistados das gerações X e Y têm a mesma intenção. Ou seja, o desejo de ter um veículo próprio no País segue bastante alto.

Na avaliação do presidente da Anfavea, Antonio Megale, os resultados foram surpreendentes e tal conhecimento é fundamental para direcionar iniciativas da indústria.

“É muito comum vermos análises sobre a transformação da indústria automobilística, principalmente sobre o desejo de possuir ou apenas utilizar um automóvel. Contudo, sentíamos falta de ver estas afirmações calcadas em números que mostrem a realidade dos fatos. A pesquisa tem este objetivo: apresentar dados sobre a relação das pessoas com a mobilidade, inclusive para direcionar algumas ações da indústria”, declara Megale.



. Sobre o número de pessoas que possuem ou não a licença para dirigir (Carteira Nacional de Habilitação/CNH), 35% da geração Z, a mais nova, estão habilitados. Da parcela que diz não possuir a carteira, 91% disseram que pretendem se habilitar. Na geração Y, 52% possuem CNH e 80% dos que não têm pretendem tirar a habilitação. Nos baby boomers e na geração X, os habilitados são 58% e daqueles que não estão, 24% e 59%, respectivamente, ainda pretendem se habilitar.

“Isso mostra que o desejo de ter um veículo e também de ter a carteira de habilitação permanecem mesmo nas gerações mais novas. Ao juntar estes dados com outros sobre utilização e frequência de uso, fica claro que uma oferta variada de opções de transporte de qualidade é benéfica para a qualidade de vida da sociedade, mas que cada tipo tem seu papel e atende às necessidades dos consumidores de formas diferentes”, afirma Megale.

Sobre os diferentes tipos de meios de transporte, todas as gerações apontaram o carro como o principal: 38% dos baby boomers, 42% da geração X, 41% da Y e 40% da Z. Quem prefere carro como principal forma de se locomover aponta o conforto e a praticidade como principal atributo. O ônibus, que nas gerações dos baby boomers e X era de 15%, cai para 9% nas gerações mais recentes.

Com relação à frequência de uso dos diferentes tipos de transporte, a pesquisa aponta que aplicativos dedicados se apresentam como alternativa e não substituição de outros modais, mesmo nas gerações mais novas: apenas 9% do total de respondentes utilizam aplicativos de transporte como Uber ou 99 todos os dias. Mesmo na geração Z, a mais conectada de todas, 93% já utilizaram aplicativos, mas apenas 13% usam com uma frequência acima de três vezes por semana.

Sobre o futuro, 70% da geração Y e 66% da geração Z acreditam que o carro ainda será o principal meio de transporte no futuro. Do total de respondentes, 34% acreditam que aplicativos de transporte e carona compartilhada representam o papel do carro no futuro, enquanto 32% avaliam que o carro como conhecemos continuará sendo o principal meio de transporte. Apenas 3% acreditam que o carro vai virar item de museu.



Tags: Pesquisa, posse, carro, Spry, Anfavea, cultura, baby boomers, geração X, geração Y, geração Z, Pedro Fachinni, Antonio Megale, CNH.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência