Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Liderança automotiva limita foco em resultados imediatos

Carreira | 13/11/2018 | 18h18

Liderança automotiva limita foco em resultados imediatos

Pesquisa inédita de Automotive Business mostra que profissionais no comando do setor no Brasil dão menos ênfase à inovação do que deveriam e pensam pouco no longo prazo

GIOVANNA RIATO, AB

Entregar resultados financeiros imediatos e manter o ritmo de projetos que vão garantir relevância do negócio no médio e longo prazos é um equilíbrio delicado para qualquer organização. A indústria automotiva encara esse desafio com particular dificuldade, conforme aponta o inédito estudo Liderança do Setor Automotivo. A pesquisa foi realizada por Automotive Business com 603 profissionais em posição de comando de montadoras de veículos, fabricantes de autopeças e outras empresas da cadeia produtiva no Brasil.



- Faça aqui o download dos dados da pesquisa Liderança no Setor Automotivo
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Com coordenação técnica da MHD Consultoria Empresarial, o levantamento mostra que as pessoas que lideram a indústria priorizam as entregas de curto prazo. Questionados sobre os maiores desafios de gestão que encaram no cargo, 40% desses profissionais apontaram o aumento da rentabilidade, 33% indicaram a busca por elevar as vendas e 32%, ampliar o engajamento dos colaboradores.

Quando o assunto são as barreiras que impedem a liderança automotiva de superar seus desafios, 83% apontam que a instabilidade política e econômica é o maior incômodo. Já 35% dos entrevistados destacaram a escassez de recursos e 33% sinalizaram como obstáculo a falta de profissionais bem preparados. Parcela de 29% dos respondentes indicou ainda a competição com outras empresas automotivas.

“É curioso notar que os profissionais apontam principalmente barreiras externas, que não dependem deles para serem resolvidas e, portanto, tendem a ser um incômodo permanente da indústria. Não podemos ficar estagnados e aguardar que tudo isso se resolva para ir em frente”, observa Paula Braga, diretora executiva de Automotive Business e uma das líderes da pesquisa Liderança do Setor Automotivo.



INOVAR É PRIORIDADE NO DISCURSO, NÃO NA PRÁTICA


Apesar de 88% dos entrevistados apontarem inovação como uma questão de sobrevivência para qualquer empresa, a liderança automotiva parece não colocar em prática essa filosofia. O tema aparece apenas no sétimo lugar entre os maiores desafios destacados pela liderança: só 24% dos entrevistados entendem que desenvolver novos modelos de negócio e fontes de receita é uma de suas principais tarefas na função que desempenham.

O resultado do levantamento é sintomático do momento que a indústria automotiva vive no Brasil. A liderança do setor precisa equilibrar os pratos e conduzir a saída da mais profunda crise que o segmento já enfrentou e, de outro lado, desenhar a estratégia certa para acompanhar a transformação que o setor automotivo e de mobilidade enfrenta globalmente com o avanço de novas tecnologias e a evolução da demanda dos consumidores. É a maior mudança já enfrentada nos 120 anos de história da indústria automotiva, o que exige olhar ainda mais abrangente dos profissionais em posição de comando.

“Se a liderança da indústria automotiva não conseguir levantar a cabeça e olhar adiante, estaremos fadados a viver preocupados em fechar o resultado no fim do mês, sem nenhum horizonte de entregar mais valor ou inovar”, defende Paula. Ela cita a frase de Peter Drucker, estudioso considerado o pai da gestão moderna: “Nenhuma empresa é melhor do que seu administrador permite.”





FALTA AUTONOMIA NO BRASIL


Outro resultado preocupante do estudo é que, mesmo com a crença de que inovação é essencial, uma parcela de 8% da liderança aponta que falta autonomia para inovar no Brasil, 7% indicam que não é uma prioridade no País e 6% destacam que é caro, apesar de todos os mecanismos de incentivo do governo ou da possibilidade de trabalhar uma mudança cultural na organização que não demande grande aporte financeiro. Parcela menor, de 4% dos entrevistados, indica que o Brasil não tem competência para inovar.

“Poucos entrevistados mostraram descrença no potencial da inovação no Brasil. Ainda assim, é alarmante porque estamos falando de líderes, então existe um efeito negativo multiplicador na companhia quando o certo seria que acontecesse justamente o contrário, com a liderança atuando para inspirar as equipes e ir em frente e inovar”, enfatiza Paula.

É curioso notar que parcela relevante dos profissionais, de 83%, se mostra descontente com a estrutura altamente hierarquizada que as empresas automotivas tradicionais apresentam. Ainda assim, essa liderança não sinaliza grande interesse em trabalhar em uma mudança cultural em suas organizações. Outro fator relevante é que, se a hierarquia não agrada completamente a quem está no comando, deve ser uma estrutura ainda mais ineficiente para o resto da organização.

TRABALHO SEM PROPÓSITO




O estudo apurou ainda que os homens e mulheres na liderança da indústria automotiva não têm consciência do propósito da empresa em que atuam. Apenas 6% dos entrevistados souberam definir esse aspecto da organização. O porcentual é crítico. As empresas mais valiosas do mundo, como Apple, Google e Amazon, têm propósito claro e amplamente comunicado para toda a companhia. Joey Reiman, fundador da BrightHouse e autor do livro Propósito: Por que ele engaja colaboradores, constrói marcas fortes e empresas poderosas, defende que empresas que têm clareza sobre a sua razão de existir possuem maior potencial de gerar transformação: “Marcas sem propósito fazem dinheiro, marcas com propósito fazem a diferença.”

“A simples entrega de resultados não é uma cultura corporativa”, reforça Paula. Ela lembra que liderar não é apenas entregar balanço positivo no fim do trimestre, mas sim escolher caminhos, decidir em quais áreas a companhia deve concentrar esforços e inspirar.



Tags: Liderança do Setor Automotivo, pesquisa, desafio, inovação, propósito, MHD Consultoria.

Comentários

  • PauloCesar Martins

    Agradeçopelo artigo "Liderança automotiva limita foco em resultados imediatos" que demonstra que muito precisa ser feito para mudança de cultura nas empresas. Quando 33% dos entrevistados dizem que encontram dificuldades de encontrar um profissional capacitado, vejo com muita preocupação este ponto pois nos leva a observar a necessidade de uma revisão ampla das organizações. Diariamente busco uma recolocação e tantos outros, que apresentaram resultados significativos, robustos e até melhor do que muitos atualmente empregados. Profissionais extremamente capacitados e que sem dúvida, poderiam fazer parte desta mudança e mudar este cenário. É preciso a observância dos grandes CEO's para mudanças.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência